Redes Sociais

Mundo

A perseguição aos cristãos no Vietnã

A pressão aos cristãos no país tem aumentado nos últimos anos, o que gera mais perseguição principalmente nas áreas de nação, igreja e comunidade

Redação

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Com 72 pontos, o Vietnã está na 21ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2020 publicada pela organização cristã Portas Abertas – que identifica os 50 principais países onde é mais perigoso seguir Jesus Cristo – comparados aos 70 pontos e 20ª colocação na edição anterior.

A pontuação por violência aumentou 0,7 pontos e está estável; entretanto, a pressão em quase todas as esferas da vida aumentou ligeiramente. As novas regulamentações religiosas, implementadas a partir de 1 de janeiro de 2018, não mudaram nada substancialmente, apesar de no papel parecer uma melhoria. Regulamentos mais restritos na comunicação on-line ajudaram a restringir e limitar o espaço que os cristãos aproveitam, ainda mais. Pressão e violência contra cristãos que pertencem a minorias étnicas continuam sem alteração e receber relatos dessas regiões permanece um desafio.

A pressão aos cristãos no Vietnã permanece muito alta em quase todas as esferas da vida, causando o aumento da média de pressão para 12,7 pontos comparada a 12,3 nos últimos dois anos. A pressão é mais forte para a igreja, em nível extremo, seguido por nação e comunidade. A pressão aos convertidos é principalmente acentuada na vida privada e família, mas todos os cristãos enfrentam pressão forte na nação e igreja. Essa pressão é completa pelo aumento nos níveis da retórica comunista, a nova lei religiosa e seus requisitos complicados e uma suspeita contínua entre os convertidos bem como para todas as minorias étnicas e religiosas.

Imagem: Portas Abertas.

A violência contra os cristãos subiu de 9,1 para 9,8 pontos. Houve uma morte relatada e diversas igrejas foram atacadas. O governo também continua sua política de prender dissidentes cristãos. A perseguição no Vietnã sempre foi violenta. Mortes são raras exceções, as formas preferidas do governo comunista são sentenças de prisão e deportação.

Perseguição sexista
Geralmente, a perseguição no país não é distinguida de acordo com o sexo. Como as mulheres e meninas estão em uma posição mais fraca socialmente, correm mais risco de sofrerem abuso sexual sob custódia policial. Entretanto, é muito difícil estabelecer quantas mulheres foram vítimas de assédio e violência sexual, devido à natureza particularmente sensível dessa violação.

As mulheres das regiões mais pobres do país também estão sujeitas a tráfico humano para casar com homens chineses, mas isso não está relacionado com a religião. Na maioria dos casos, homens continuam sendo os provedores da família. Então, se homens cristãos perdem o emprego ou são expulsos da vila, isso afeta toda a família. A maioria dos pastores são homens e, com frequência, são alvos de pressão quando as autoridades querem fechar uma igreja.

Leia também: Novo relatório sobre tráfico humano revela que China continua a possuir a pior classificação das principais nações do mundo

Relatório revela: 629 meninas paquistanesas foram vendidas como “noivas” para a China. 

Milhares de mulheres norte-coreanas são vendidas como escravas sexuais na China

Meninas e mulheres de Myanmar são vendidas como escravas sexuais na China

Pedidos de oração

  • Ore pelos cristãos vietnamitas, que eles possam se manter firmes na fé apesar do aumento da pressão enfrentada.
  • Peça pelos pastores, para que o Senhor continue provendo todas as suas necessidades.
  • Apresente o governo local, para que aja com sabedoria e justiça para com todos os moradores, independentemente de sua religião.

Leia também: 260 milhões de cristãos foram afetados por níveis extremos de perseguição em 2019

Com informações, Portas Abertas.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

alan correa criação de sites