Redes Sociais

Artigo

Marcha do Dia da Independência polonesa: o maior evento patriótico anual do mundo acontece na Polônia novamente

Adam Starski

Publicado

em

A Marcha do Dia da Independência polonesa é organizada por organizações nacionalistas desde 2008. Inicialmente, era apenas uma pequena marcha de algumas centenas de participantes. Mas a marcha cresceu para 50.000 participantes em 2011, depois que o maior jornal da Polônia, Gazeta Wyborcza, encorajou seus leitores a aderirem a um bloqueio de rua “antifascista” à “marcha fascista”.

Marcha do Dia da Independência polonesa.

Enfurecidos com o apoio do jornal cultural marxista, fundado pelo trotskista Adam Michnik, à Antifa e sua tentativa de usar a força para impedir a marcha, torcedores de futebol e conservadores de toda a Polônia começaram a participar da marcha.

Após confrontos entre os torcedores de futebol e a Antifa nos primeiros anos da marcha, a Antifa logo recuou, depois de estar em grande desvantagem numérica. Entre 2012 e 2015, a violência continuou, mas os confrontos aconteceram entre os torcedores de futebol e a tropa de choque, que se acredita ter recebido ordens do governo globalista de Donald Tusk para usar uma postura agressiva contra a marcha.

Depois disso, o partido nacional-conservador ‘Lei e Justiça’ assumiu o poder em 2016, a violência entre a polícia e alguns participantes da marcha desapareceu magicamente e o evento culminou em 2018, no 100º aniversário da Polônia reconquistar a independência, com um recorde de 250.000 poloneses participando da marcha, com o Presidente Andrzej Duda iniciando oficialmente a marcha.

A Marcha do Dia da Independência deste ano será muito diferente devido à pandemia. De acordo com uma nova lei, reuniões públicas com mais de 5 pessoas são proibidas. Em vez disso, os organizadores nacionalistas decidiram organizar uma “marcha motorizada”, mas espera-se que dezenas de milhares de pessoas ignorem as restrições e marchem da maneira tradicional.

Uma contraofensiva contra a esquerda

Muitos afirmam que de se ter permissão para realizar uma marcha espontânea, já que feministas de extrema-esquerda, ativistas LGBTQ+ e outros manifestantes antigovernamentais têm conduzido marchas de protesto contra uma lei de aborto mais rígida em toda a Polônia nas últimas semanas, sem serem parados pela polícia, apesar da lei restringir tais eventos.

A Marcha do Dia da Independência deste ano chega em um momento crítico, após uma demonstração de força de movimentos progressistas que conseguiram convencer grandes massas de pessoas comuns a saírem às ruas para protestar contra as novas restrições ao aborto (iniciadas por uma decisão do Tribunal Constitucional declarar abortos eugênicos inconstitucionais).

Os movimentos de extrema-esquerda por trás dos protestos rapidamente direcionaram as multidões progressistas contra as igrejas, encorajando os manifestantes a entrar nas igrejas para protestar durante a missa de domingo.

Vários desses eventos foram gravados em vídeo e se espalharam online, junto a muitos casos de pichações feministas pró-aborto e outras formas de vandalismo dirigidas contra igrejas polonesas.

Em resposta, conservadores tradicionais poloneses e apoiadores de futebol formaram grupos que protegeram as igrejas contra o vandalismo, em um esforço para garantir que os ataques anticlericais não saíssem do controle como no inverno passado no Chile.

A Marcha do Dia da Independência é agora uma oportunidade de mostrar à sociedade que o movimento conservador também é capaz de colocar um grande número de pessoas nas ruas e que a esquerda não pode esperar ser capaz de dominar as ruas tão cedo.

A marcha também faz parte da batalha pela alma dos jovens poloneses, que representou uma grande porcentagem das pessoas que participaram dos protestos pró-aborto.

As explicações para a tendência dos jovens a participar dos protestos progressistas são muitas. Na minha opinião, o bloqueio da pandemia nacional com aprendizado remoto em casa, restaurantes e bares fechados deixou os jovens entediados e desesperados por eventos emocionantes durante os quais eles possam se encontrar com amigos e dar vazão a algumas de suas frustrações.

Em segundo lugar, o governo fez um trabalho ruim em Relações Públicas, explicando por que regras mais rígidas sobre o aborto eram esperadas após a decisão do Tribunal Constitucional.

Em terceiro lugar, a juventude tende a ser naturalmente rebelde contra quem está no poder. O partido Lei e Justiça ganhou recentemente uma segunda eleição parlamentar consecutiva e terá praticamente garantia de governar entre 2016-2024, o que torna cada vez mais provável que a rebeldia da juventude continue crescendo com o tempo.

Finalmente, o governo polonês não tem sido capaz de apoiar iniciativas conservadoras de base orgânicas organizadas pela juventude com sucesso suficiente. Essas iniciativas, ao contrário das iniciativas oficiais do governo, são percebidas como autênticas por outros jovens.

Em vez disso, o marxismo cultural continua a dominar nas universidades polonesas, no mundo polonês da arte, na mídia e na “comunidade de celebridades”. Esse marxismo cultural, importado diretamente das universidades americanas, está cada vez mais penetrando na mente dos jovens que vivem nas grandes cidades.

O governo deu recentemente um passo importante para impedir este desenvolvimento, instalando um católico tradicional, Przemysław Czarnek, como o novo Ministro da Educação. Czarnek prometeu quebrar o estrangulamento que a esquerda exerce sobre a educação e disse que banirá os estudos de ‘ideologia de gêneros’ nas escolas polonesas.

Procurando por uma nova fórmula

A Marcha do Dia da Independência, desde o seu início, é popular entre os jovens, com suas raízes ligeiramente rudes e rebeldes. É também uma iniciativa orgânica que sofreu forte oposição do governo em seus primeiros anos. Os organizadores nacionalistas terão que encontrar uma nova fórmula para atualizar a marcha para se adequar às novas circunstâncias que surgiram desde que o partido Lei e Justiça assumiu o poder em 2016.

Meu conselho seria que fosse um evento de dois dias, com uma grande conferência internacional reunindo conservadores famosos de todo o mundo um dia antes da marcha. Eles seriam capazes de dizer aos jovens poloneses até onde o processo de degeneração foi em grandes partes da Europa Ocidental, bem como na América do Norte e do Sul.
Os produtores de vídeo e os influenciadores das redes sociais devem ser convidados a cobrir a marcha da forma mais atraente.

A Marcha do Dia da Independência está em uma encruzilhada, em busca de uma nova fórmula para permanecer relevante para a juventude polonesa. Esperançosamente, os organizadores aproveitarão a oportunidade para encontrar novas maneiras de torná-la atraente para os jovens poloneses, bem como servir de inspiração para os conservadores em todo o mundo, lembrando-os de que somos muitos e que a batalha ainda não está perdida.


O colunista Adam Starski, o ‘BasedPoland’ do Twitter, está com nova conta na rede social. Para segui-lo clique em @RedPilledPoland.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Polonês. Escrevo sobre política internacional. Twitter: @BasedPoland

alan correa criação de sites