Redes Sociais

Artigo

Desconstrução Semântica Esquerdista

Francisco Teodorico

Publicado

em

Desconstrução Semântica Esquerdista 16

Confúcio (551 a.C – 479 a.C.) foi um pensador e um dos mais influentes filósofos chineses. Suas reflexões, mesmo passados mais de 2000 anos ainda continuam atuais. [01] Uma delas diz que “a liberdade começa a ser perdida quando as palavras perdem o sentido.”

Também George Orwell, em seu livro “1984”, profeticamente mostrou isso em sua narrativa.

Arthur Schopenhauer mostrou como tais ardis podem ser usados em uma discussão para desarmar aqueles que ousarem questionar o status quo.

“A linguagem humana tem um propósito. Serve para definir, e depois nomear, aquilo que designa realmente. Se começarmos a usar a mesma palavra para duas realidades diferentes, temos de passar a deduzir pelo contexto a realidade a que nos referimos.” (Padre Paulo Ricardo)

A desconstrução semântica é uma arma que os esquerdistas usam de forma sutil e eficiente, sem que a maior parte das pessoas perceba, como veremos a seguir. [02]

Preconceito x Racismo

Segundo o dicionário, “racismo” é um conjunto de teorias e crenças que estabelecem uma hierarquia entre as raças, entre as etnias; uma doutrina ou sistema político fundado sobre o direito de uma raça (considerada pura e superior) de dominar outras. Logo, racista é aquele que professa o racismo.

Já preconceito é qualquer opinião ou sentimento concebido sem exame crítico; é um sentimento hostil, assumido em consequência da generalização apressada de uma experiência pessoal ou imposta pelo meio; intolerância.

Não é preciso se esforçar muito para notar que o que temos no Brasil não é “racismo”, mas sim, problemas pontuais de “preconceito”, não? Mas porque a palavra “racismo” é utilizada como sinônimo de preconceito? Porque ela é mais agressiva, pejorativa, e assim, consegue-se potencializar o problema (ou criar um que não existe).

Negro x Afrodescendente

Esta dispensa maiores explicações. Eu só gostaria de entender o motivo de “negro” ser considerado um termo pejorativo e “branco”, não…

Será que chegará o tempo em que teremos que entrar numa confeitaria e pedir uma “afrodescendente com distúrbios mentais” por corrermos o risco de sermos presos por “crime de racismo” se pedirmos uma “Nega Maluca”?

Afinal, em algumas escolas, o politicamente correto chegou ao ponto de problematizar até mesmo o “atirei o pau no gato”…

Galanteio x Assédio

Fico apreensivo com o que essa geração de jovens enfrentará, pois a minha costumava aproximar-se da garota (será que ainda posso tratar uma mulher assim ou alguém do politicamente correto já criou algum termo novo?), elogiar suas características mais marcantes como olhos, cabelos, lábios, etc. Graças aos “militontos esquerdopatas”, hoje isso é considerado assédio.

E o absurdo ainda vai mais longe. Hoje, não é obrigatório o exame de corpo de delito para caracterizar-se o crime de estupro! Basta a palavra da mulher, como se pertencer a esse sexo fosse atestado de honestidade.

“Ausência de exame de corpo de delito: “(…) nos crimes sexuais a ausência de laudo pericial não afasta a materialidade do delito, tendo em vista que, praticado na clandestinidade e muitas vezes não deixando vestígios, a palavra da vítima em consonância com a prova testemunhal autoriza a condenação” (STJ, HC 240393 / BA, Rel. Ministra MARILZA MAYNARD, j. 18/06/2013).” [03]

Obviamente que não defendo estupradores, muito pelo contrário, acredito até que qualquer cidadão deva ter o direito de possuir porte de arma para se defender também desse crime. Principalmente a mulher que, estatisticamente, é mais frágil fisicamente que o homem.

Hoje, por precaução, eu evito ficar sozinho com uma mulher até no elevador. Tristes tempos…

Família x Duas ou mais pessoas que moram juntas

A Família, cujo dia internacional é 15 de Maio, foi criada por Deus para ser a base da sociedade [04], mas hoje, esse conceito também vem sofrendo tentativas de desconstrução. Ela é uma instituição divina, por esse motivo vemos tantos ataques dirigidos a ela.

Dois homens, duas mulheres, segundo os esquerdistas (não consigo chamá-los de “progressistas” por motivos óbvios e que tratarei mais adiante) que assim o desejem podem ser considerados uma família. E ditatorialmente redefiniram a união entre um homem e uma mulher como “família tradicional”. É mais um termo inventado e amplamente usado como se fosse uma modernização semântica.

Hoje em dia já temos absurdos de uniões estáveis, registradas em cartório, como o chamado “poliamor” (três pessoas ou mais que vivem como se fossem cônjuges). Como exemplos cito os registrado em Tupã, SP (um homem e duas mulheres) [05] e em Jundiaí, SP (um homem heterossexual e duas mulheres bissexuais) [06].

E acredite, após pressão online, o dicionário Michaelis mudou a definição de casamento! [07] O dicionário trazia como definição de casamento “união legítima entre homem e mulher” e passou agora a “ato solene de união entre duas pessoas”. As mudanças na língua não são mais fruto do uso e incorporação na cultura popular, mas por pressão política? A que ponto chegamos! E pior, onde vamos parar?

Até pouco tempo atrás eu pensava comigo mesmo: o que nos garante que, num futuro não muito distante, não tenhamos caracterizado como família a união entre humanos e animais ou humanos e objetos? E não é que acabei encontrando, em pesquisa, um homem que “casou-se” com uma boneca de silicone? [08] Qual o limite da normalização da insanidade?

Homossexualismo x Homossexualidade

Os psicólogos decidiram (tenho “dúvidas” se os verdadeiros fundamentos dessa decisão não sejam políticos) que orientação homossexual não é doença. A partir de então começou o combate ao termo homossexualismo (ligado à noção de patologia, e no contexto religioso, à noção de pecado) e iniciou-se a sua substituição por homossexualidade. No contexto religioso o termo ainda é utilizado. [09]

Os meios acadêmicos e científicos aderiram à tese de que é uma variação “normal” da sexualidade. O que obviamente é contestável, visto que à Academia não é outorgada a propriedade da verdade. Lembro que nem tudo o que é “comum” é “normal” e talvez estejamos aqui, também, diante de uma outra sutil desconstrução semântica…

Os esquerdistas (que estão infiltrados em praticamente todos os segmentos da sociedade, inclusive no clero) crêem que a mudança de termos altera sua essência. Ledo engano.

Pedófilo x PAM

O verbete pedófilo nos remete a um dos mais hediondos crimes que uma pessoa pode cometer contra um vulnerável. Uma bárbarie que não consigo sequer imaginar sem ter, desculpe-me o termo, ânsia de vômito. A gravidade deste tipo de crime já é descrita no evangelho de Mateus 18, 1-6, confira.

Nos últimos tempos vemos um movimento coordenado (mídias, legislativo, etc.) para pavimentar a futura legalização deste crime que considero um dos mais terríveis. Tratei deste tema em meu primeiro artigo do Conexão Política (Pedofilia, não!).

E claro que aqui há também a caneta esquerdista atuando na tentativa de mudar mais um termo que consideram pejorativo por outro bem mais suave: Pessoa com Atração por Menores (PAM). Como eu disse anteriormente, não é a retórica ou desconstrução das palavras que vai desconectar delas seu verdadeiro significado.

Crimes contra a mulher x Feminicídio

Segundo (ainda) consta no dicionário, feminicídio é o assassinato proposital de mulheres somente por serem mulheres. Por extensão, crime de ódio contra indivíduos do sexo feminino. [10]

Feminicídio significa a perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino. Ele se configura quando são comprovadas as causas do assassinato, devendo este ser exclusivamente por questões de sexo, ou seja, quando uma mulher é morta simplesmente por ser mulher. [11]

Pois bem, há diversos países, como o Afeganistão, Líbano, Egito e outros de predominância muçulmana, onde a mulher ainda é tratada como um objeto, uma propriedade [12]. Agressões contra elas são pelo fato de serem do sexo feminino, ou seja, caracterizam o feminicídio.

No Brasil, é considerado como crime hediondo, mas nossos burocratas resolveram descaracterizar o significado da palavra para classificar qualquer crime contra a mulher como feminicídio e não apenas pelo seu significado.

Se ocorre um assassinato de um homem por um homem, de uma mulher contra outra, de uma mulher contra um homem, esse crime é caracterizado como crime passional. Já se for de um homem contra uma mulher é feminicídio? Há algo de muito errado aqui, mesmo que esteja na letra da lei.

O objetivo formal dessa iniciativa é proteger um segmento da sociedade que é alvo de violência crescente. Essa é uma meia verdade, pois se houvesse necessidade de uma lei especial esta seria, seguindo os princípios conceituais equivocados citados aqui, para o masculinicídio, pois a morte de homens corresponde a mais de 90% dos assassinatos do país, segundo o Anuário de Segurança de 2017.

E há algo que não consigo entender quando vejo as mulheres defendendo essa aberração jurídica é que, se combatem a violência contra a mulher, por que são elas as principais responsáveis pelo sucesso do “50 tons de cinza”?

Obviamente que não estou aqui fazendo apologia à violência, que fique claro, o que afirmo é que, independente do segmento (sexo, cor, idade, etc.) a violência deve ser combatida. O julgamento deve ser feito de acordo com as circunstâncias do crime. Se a pena é de 30 anos para assassinato, que o juiz delimite o tempo da pena, avaliando caso a caso. Uma vida é uma vida, qualquer que seja ela. E a condenação deve ser cumprida sem atenuantes.

Somente assim estaremos defendendo futuras vitimas.

Más condições de trabalho e Normas abusivas x Trabalho Escravo

O termo “trabalho escravo”, no Brasil, é muito elástico.

Quando uma pessoa ouve esse termo, deve vir à sua imaginação pessoas dormindo no chão, trabalhando quase 24 horas por dia em troca de alimento, cerceamento de liberdade, chibatadas, etc. Mas não é bem assim. Entre uma infinidade de normas vagas, até a espessura do colchão faz parte desta “nova definição”!

Esse contorcionismo na definição do termo tem beneficiários claros: os revolucionários marxistas. Além do mais, claro que o objetivo é criar dificuldades para depois gerar facilidades, mas não é esse o foco deste texto… [13]

Propina x Dinheiro não contabilizado

Até as famosas “propinas” não deixaram de escapar da amenização da novilíngua e agora são suavemente chamadas de “dinheiro não contabilizado”.

Em 2002, o líder do PP na Câmara, o deputado paranaense José Janene, admitiu caixa 2 nas contas do partido nas eleições de 2002. [14]

Em 2005, Delúbio, ex-tesoureiro do PT dissimuladamente usou o termo para se referir à dinheiro para pagar uma dívida ilegal. [15]

Só para efeito de esclarecimento, caixa 2 eleitoral, apesar de não explícito na lei, é crime, . Ele se enquadra na Lei do Colarinho Branco, Lei contra Crimes Tributários e ainda como Falsidade Ideológica se configurando assim uma prática de conduta ilegal.

Neste caso tenho apenas uma pergunta: alguém contabiliza propina, exceto Odebrecht?

Divergência da cartilha esquerdista x Fascismo

Você sabe o que é fascismo? Pode até não saber, mas sou capaz de apostar que já foi chamado de fascista ao discordar de algum item da cartilha esquerdopata.

Fascismo é um movimento político e filosófico ou regime (como o estabelecido por Benito Mussolini na Itália, em 1922), que faz prevalecer os conceitos de nação e raça sobre os valores individuais e que é representado por um governo autocrático, centralizado na figura de um ditador.

O curioso é que quem defende um governo autocrático e centralizado, na figura de ditadores é justamente a Esquerda!

Mas os fascistas somos nós.

Perseguição Policial x Acompanhamento

A Polícia, além dos riscos diários contra a própria vida, agora também teve furtada a definição de uma de suas ações, afinal, bandidos são seres sensíveis, que não podem ser perseguidos, apenas “acompanhados” [16].

Réu x Paciente

E não para por aí, réu agora é chamado de paciente. Paciente sempre foi quem está sendo cuidado por um médico ou enfermeiro. Um criminoso dentro de um tribunal, é tudo, menos um doente! [17]

Juristas não são linguistas e não devem ter autoridade para mudar o significado das palavras.

Esquerdista x Progressista

Um dos termos que recuso-me a utilizar é “progressista”. A palavra progresso, segundo o dicionário, é movimento para a frente, avanço.

Portanto, quem não se compromete com o avanço ou está estagnado ou defende o retrocesso.

Temos inúmeros exemplos pelo mundo, em períodos de tempo diferentes que demonstram que esquerdistas são tudo, menos progressistas, pois levar um país inteiro à falta de acesso a elementos básicos para a sobrevivência, não pode ser considerado de forma alguma como progresso. E não há dicionário ou cientista político que me convença o contrário.

Gênero x Sexo

Não colaboremos com desconstrução semântica esquerdopata (já vemos a de concordância nominal, também), usemos o termo Ideologia do Sexo e não Ideologia do Gênero, pois de acordo com a Classificação Científica, nosso Gênero é um, Homo; nosso Sexo pode ser de dois tipos Masculino ou Feminino.

De acordo com a Ciência, espécies que evoluíram de um mesmo ancestral são agrupadas em um “gênero”! E não há psicólogo ou advogado que possa mudar isso!

Outro exemplo “recente” de invenção de palavra é “transgênero” ( os americanos usam Gender para definir Sexo, mas nós temos duas palavras para isso!). Basta uma rápida consulta em qualquer fonte sobre Classificação Científica do ser humano para perceber que ninguém conseguiu ver por aí um homem-guaxinim ou uma mulher-aranha, portanto, por mais que fiquem revoltados os membros deste segmento comportamental, “transgênero” não existe.

E se você afirmar isso, certamente será rotulado pejorativamente, pois o único argumento que conseguem usar é o emocional; o racional, raramente.

Sugiro que em debates, em situações onde você possa expressar sua opinião, que você não dance conforme o ritmo ditado por essas pessoas que semeiam o caos na sociedade. Ouça, e quando for se pronunciar, enfatize os termos corretos, pois quem está ao lado da verdade, do que é correto, não precisa ter medo de nada.

Enfim, inúmeros exemplos poderiam ser dados, preste mais atenção em seu cotidiano e certamente os encontrará. Só não os vêem os inocentes úteis ou os que são desonestos intelectuais. [18]

Outros artigos do autor


[01] Jean Wyllys dispara: MACONHEIROS precisam SAIR DO ARMÁRIO
[02] 20 Frases de Confúcio que são verdadeiras lições de vida
[03] Legislação comentada – artigo 217-a do CP – estupro de vulnerável
[04] A família foi criada por Deus para ser a base da sociedade
[05] União estável entre três pessoas é oficializada em cartório de Tupã, SP
[06] Poliamor: homem e 2 mulheres registram em cartório união a 3
[07] Dicionário muda definição de casamento após pressão online
[08] Mundo estranho: homem está casado com boneca de silicone há quatro anos
[09] Homossexualidade e Homoafetividade: Existe Diferença?
[10] Significado de Feminicídio
[11] Significado de Feminicídio
[12] Mulheres são vistas como propriedades dos homens no Líbano
[13] Será que há mesmo esse retrocesso todo na questão do ‘trabalho escravo’?
[14] Janene admite dinheiro não contabilizado
[15] Nós chamamos de dinheiro não contabilizado
[16] PM divulga vídeo de acompanhamento policial de menor infrator que morreu em acidente de trânsito
[17] Dicionário Jurídico
[18] Desconstrução Semântica Esquerdista

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Pai, casado, católico, matemático, analista de sistemas, pós-graduado em Gestão de TI (USP), enxadrista, karatedoka, especialista em Gestão do Tempo.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites