Redes Sociais

Artigo

COLUNA | Lição da eleição presidencial polonesa

Adam Starski

Publicado

em

Em 25 de junho, o presidente conservador da Polônia, Andrzej Duda, foi reeleito para um segundo mandato de 5 anos. A vitória foi por pouco, com Duda conquistando 51% dos votos, enquanto seu oponente no segundo turno da eleição, o prefeito liberal de Varsóvia, Rafal Trzaskowski, obteve 49% dos votos.

A eleição foi a reta final de uma longa e bem-sucedida maratona eleitoral para o partido Lei e Justiça (PiS), que em pouco mais de um ano venceu as eleições locais, as eleições para o parlamento europeu e em outubro de 2019, venceu as eleições parlamentares com quase 44% dos votos.

A eleição presidencial foi crucial para o partido, já que o presidente polonês tem o direito de vetar projetos de lei apresentados pelo parlamento. O partido conservador nacional terá agora 3 anos e alguns meses para governar a Polônia sem nenhuma interferência eleitoral ao longo do caminho. É hora de consolidar o poder …

Antes da eleição parlamentar vitoriosa de 2015, o líder do partido, Jaroslaw Kaczynski, afirmou que “é hora de Budapeste em Varsóvia”, sinalizando que ele pretendia trazer a Polônia para o caminho anteriormente trilhado por Viktor Orbán, na Hungria, que chegou ao poder após o vazamento de gravações em 2008, que mostrou que o partido socialista e pós-comunista então no poder era completamente corrupto.

Orbán obteve maioria qualificada no parlamento, o que lhe permitiu mudar a constituição do país e consolidar o poder, mantendo-o como Primeiro-ministro por mais de 10 anos.

Plano de ação até 2023

Declarações feitas por representantes do partido Lei e Justiça parecem indicar que eles estão planejando usar toda a extensão dos poderes que lhes são conferidos pelos eleitores e o quadro jurídico em vigor para colocar o partido em uma excelente posição antes das eleições parlamentares, que terá lugar no outono (europeu) de 2023.

Há planos de redesenhar o mapa eleitoral, criando mais regiões eleitorais o que, segundo especialistas, significaria que se o partido Lei e Justiça conseguisse replicar o resultado eleitoral em 43,5% da eleição anterior também na eleição de 2023, o partido receberia cerca de 270 dos 460 assentos no parlamento, em vez dos pouco mais de 230 que recebeu em 2019.

Outro plano é a “repolonização” do setor de mídia polonês, copiando a legislação que já está em vigor na Alemanha.

Os conservadores poloneses apontam para o problema de que cerca de 70% da mídia polonesa é propriedade de capital estrangeiro, principalmente da Alemanha. Colocando um limite em quantos por cento dos meios de comunicação podem ser propriedade de estrangeiros, o partido Lei e Justiça espera poder romper o estrangulamento que as empresas alemãs têm no processo de formação de opinião na Polônia.

Atualmente, as estações de serviço público favorecem o governo, mas praticamente todas as grandes empresas privadas de mídia apoiam a oposição socialista e cultural marxista.

Em maio, o movimento conservador ligado ao governo conquistou o controle da Suprema Corte pela primeira vez desde a queda do comunismo, em 1989; um sucesso que descrevi em meu artigo anteriorDitadura da Toga”. O processo de limpeza do judiciário das influências pós-comunistas provavelmente continuará e se acelerará nos 3 anos que antecedem as próximas eleições.

Leia também: Ditadura da Toga: uma arma globalista usada no Brasil, Polônia e Itália

Universidades e cultura pop para jovens, áreas que precisam de mais atenção

No entanto, há áreas em que o governo poderia ter consolidado o poder, mas não foi capaz de fazê-lo. Não percebeu a importância dessa área ou temeu uma reação da UE (o próximo orçamento de 7 anos da UE ainda não foi ratificado, espera-se que aconteça em alguns meses) se for tentar reformar essas áreas políticas.

Um exemplo são as universidades que têm cada vez mais se inclinado contra a esquerda moderna, ocidental e cultural marxista, em vez de como anteriormente eram controladas pelos comunistas tradicionais que governaram a Polônia como uma ditadura até 1989, mas mais tarde pensaram que seria mais benéfico para eles, eles seriam rebatizados de social-democratas ou liberais.

Outra esfera é a da cultura popular e da “cultura jovem” em particular. Os jovens são influenciados hoje principalmente pelas redes sociais e pelas celebridades nessas plataformas dos EUA, das quais quase todos são os chamados “liberais de Hollywood” que se concentram no feminismo, acesso ao aborto legal, movimentos no estilo Black Lives Matter (BLM) e “mudanças climáticas” .

Se o partido Lei e Justiça quiser vencer uma terceira eleição parlamentar consecutiva, essas duas áreas serão fundamentais.

No entanto, é um processo que necessariamente precisaria de mais de 3 anos para ser implementado, por isso, seria útil para eles perceberem que precisam de um parceiro de coalizão.

 Tornando-se um grande movimento conservador, consolidando o voto conservador

O novo partido Confederação Liberdade e Independência (em Polonês, “Konfederacja”), uma aliança de nacionalistas com libertários conservadores tem cerca de 8-10% nas pesquisas de opinião, mas é apoiado por 20-25% dos eleitores com idade entre 18-24 (bem mais de 30% entre os eleitores do sexo masculino com idade entre 18-24 )

Até agora, o partido Lei e Justiça tem relutado a essa pesquisa extra de votos em potencial, em vez de combater o crescimento do partido. É compreensível que esses dois partidos, que lutam pelo mesmo eleitorado (de eleitores conservadores), se considerem rivais até as eleições de 2023, mas devem se abster de se atacar com muita força, pois isso dificultaria que seus apoiadores mais tarde aceitassem um governo de coalizão.

O partido Lei e Justiça tem 3 anos para apresentar uma estratégia eleitoral para ganhar uma terceira eleição parlamentar consecutiva, algo que nunca aconteceu até agora na política polonesa.

Uma terceira vitória consecutiva em 2023, seguida por uma terceira eleição presidencial consecutiva em 2024, finalmente permitiria que o “cenário de Budapeste em Varsóvia” se tornasse realidade. Isso também daria à Polônia tempo suficiente para reverter as mudanças culturais, transportadas para a juventude polonesa pelas mídias sociais e celebridades de Hollywood.

Aproveitando o quadro jurídico existente (já que atualmente não é possível alterar a constituição com menos de 2/3 dos assentos no parlamento) e fazendo pleno uso do mandato democrático que lhes foi dado pelos eleitores, o partido Lei e Justiça pode derrotar a oposição de esquerda mais uma vez.

Se uma coalizão com a aliança Confederação Liberdade e Independência após 2023 for necessária para cumprir objetivos de longo prazo, que seja.


Nota: A conta do Twitter do colunista polonês Adam Starski, o @BasedPoland , foi censurada e suspensa neste último fim de semana. Você ainda pode segui-lo nas redes sociais Parler e Instagram, basta procurar por “BasedPoland“.

 

alan correa criação de sites