Redes Sociais

Artigo

COLUNA | Ditadura da Toga: uma arma globalista usada no Brasil, Polônia e Itália

Adam Starski

Publicado

em

Enfrentando uma ameaça crescente – que Steve Bannon, antigo estrategista-chefe da Casa Branca de Donald Trump, chamou de ascensão do populismo nacionalista – o movimento globalista e neomarxista mundial (os dois estão entrelaçados) decidiu que não pode mais confiar nas eleições democráticas para manter seu poder intacto.

A busca por alternativas se acelerou após os eventos de 2015-2016, quando as forças antiglobalistas seguiram uma onda de populismo para derrotar as forças neomarxistas e sociais liberais nas eleições democráticas e referendos na Polônia (Kaczynski), nos EUA (Trump) e Grã-Bretanha (Brexit).

Globalismo contra o controle democrático

A resposta do establishment foi remover o máximo de poder possível para estruturas que estão além do controle democrático. Uma solução foi atacar a mídia livre ou a chamada mídia alternativa. A iniciativa dos gigantes da mídia de criar a nova palavra da moda, a “fake news”, veio em conexão com a eleição presidencial dos EUA em 2016.

Ao chamar a mídia alternativa e independente de “fake news”, as maiores empresas de mídia do mundo esperavam manter a concorrência afastada, com a ajuda dos Estados que adotam leis destinadas a chamar as fontes de mídia retratadas como propagadoras de “fake news”, que na verdade eram apenas notícias prejudiciais para o establishment.

Ao considerar ‘fake news’ uma ameaça, a mídia tradicional também conseguiu garantir subsídios estatais e financiamento extra. Na Suécia, por exemplo, o papel da mídia tradicional foi redefinido nos últimos anos, e agora é classificado como “de importância crucial para a preservação de uma sociedade democrática”. Esse status significa que milhões de dólares são transferidos pelo Estado de contribuintes suecos para a mídia mainstream leal aos globalistas. Isso impede que a mídia alternativa seja capaz de competir com a mídia convencional em termos iguais e distorce o mercado livre.

Outra fonte de ajuda viria dos gigantes da tecnologia social, como Google, YouTube e Facebook, que agora introduziram algoritmos para manter as notícias da grande mídia, como CNN ou BBC, no topo dos resultados de pesquisa e das páginas de mídia social, enquanto populares fontes alternativas de mídia são empurradas para a obscuridade.

Uma segunda maneira de ocultar o poder das crescentes massas nacionalistas-populistas é agrupar estruturas administrativas e burocráticas com o máximo possível de gerentes que tenham sido ideologicamente convertidos ao neomarxismo e ao globalismo, através das universidades. Esses gerentes devem servir como atrito, interrompendo ou retardando qualquer tentativa de reforma do sistema por populistas nacionalistas democraticamente eleitos.

Essa classe de gerentes, fora do controle democrático, foi predita pelo autor conservador James Burnham em seu livro clássico de 1941 “A Revolução Gerencial”, que inspirou críticos posteriores do chamado “Estado Gerencial”, como Paul Gottfrid e Samuel T. Francis , que argumentaram que esse tipo de democracia processual permite que um regime globalista permaneça no poder, independentemente de qual partido político detenha a maioria no país a qualquer momento.

Outra solução para a elite política corrupta escapar do controle democrático é transferir o máximo de poder possível do poder legislativo e executivo para o judiciário, onde o controle democrático é menor e, em alguns Estados, praticamente inexistente.

O tribunal então começa a atuar em “Ultra vires“, um termo legal em latim que significa “além dos poderes”. A tendência de os tribunais começarem a tomar decisões e iniciar processos que não estão dentro do escopo de seus mandatos e poderes pode ser vista em todo o mundo.

Casos de todo o mundo

Nos EUA, é mais visível no Tribunal de Apelações dos Estados Unidos para o 9º Circuito, um tribunal federal de apelações responsável pela parte ocidental do país. Com suas decisões Ultra vires, conseguiu retardar ou interromper partes significativas da política de imigração do Presidente Trump e a construção do muro de fronteira com o México.

Um exemplo semelhante pode ser encontrado na Itália, onde o sistema judicial atuou recentemente no Ultra vires em duas ocasiões, tentando processar Matteo Salvini por “sequestro”, pois ele não permitiu que supostos requerentes de asilo da África e do Oriente Médio desembarcassem na Itália.

A Polônia se viu em uma situação difícil, pois seu sistema judicial não foi adequadamente reformado após a queda do comunismo em 1989. A maioria dos juízes nomeados pelo comunista permaneceu em suas posições, e como o sistema na Polônia foi criado de tal maneira que é um órgão dos juízes que apontam e promovem juízes para cargos mais altos, o sistema poderia se replicar também com juízes mais jovens, que são tão corruptos, comunistas e globalistas quanto a antiga elite judicial.

A função desses juízes não é dar justiça às pessoas, mas proteger seus próprios poderes e interesses. Um desses juízes declarou durante uma conferência para juízes que “juízes pertencem a uma casta especial de pessoas”. Desde então, muitos poloneses amantes da liberdade chamam nosso sistema judicial de “casta especial”.

Quebrando o sistema

Depois que o partido polonês nacional-conservador ‘Partido Lei e Justiça’ chegou ao poder em 2015, foi decidido dividir essa casta e iniciar a reforma que era necessária desde 1989.

Usando o fato de que a constituição polonesa de 1997 é vaga em certos pontos, o líder do Partido Lei e Justiça, Jaroslaw Kaczynski, decidiu lançar um ataque legislativo completo ao sistema judicial.

As novas reformas fizeram com que os juízes não pudessem mais nomear novos juízes e promovê-los a altos escalões completamente sem a supervisão de políticos eleitos democraticamente.

Kaczynski também decidiu tentar substituir antigos juízes na Suprema Corte, diminuindo a idade da aposentadoria. Esse método foi interrompido pelos tribunais da UE, mas Kaczynski não cedeu e decidiu expandir o número de juízes no Supremo Tribunal criando novas câmaras, incluindo uma nova Câmara Disciplinar que emitirá veredictos nos casos em que os juízes são acusados ​​de violar a lei ou agir de maneira que não esteja dentro das normas e princípios judiciais.

Em 25 de maio, Kaczynski alcançou um grande avanço quando o mandato de seis anos do Chefe da Suprema Corte terminou e a Suprema Corte (cheia de juízes que, graças às reformas, foram nomeadas pelo parlamento controlado pelo Partido Lei e Justiça) conseguiu nomear 5 candidatos ao presidente polonês Andrzej Duda, para que ele escolhesse um novo chefe da Suprema Corte.

O presidente Duda escolheu Malgorzata Manowska, especialista judiciária conservadora, que agora servirá como o primeiro chefe conservador da Suprema Corte, desde a queda do comunismo em 1989.

Um caminho a seguir no Brasil

A situação com a Suprema Corte no Brasil é mais complicada para os apoiadores do Presidente Jair Bolsonaro, pois ele, diferentemente do Partido Lei e Justiça na Polônia, carece de apoio leal da maioria no Congresso.

No entanto, fica claro que o Supremo Tribunal também começou a agir em Ultra vires, exemplificado por suas decisões de deixar o ex-presidente Lula ser libertado da prisão muitos anos antes (junto com milhares de outros prisioneiros) e, mais recentemente, a decisão ilegal do tribunal de iniciar uma “investigação de fake news” sobre o Presidente Bolsonaro, jornalistas, comediantes e membros do parlamento que apoiam o Presidente e se opõem às decisões da Suprema Corte.

Nos últimos dias, o tribunal assinou os documentos necessários para a Polícia Federal invadir as casas dessas pessoas e confiscar seus computadores e telefones na tentativa de silenciar os críticos. É um exemplo de superação judicial e corrupção judicial raramente vista, mas a mídia internacional globalista permanece em silêncio.

O Poder Judiciário tem sido visto como sagrado e intocável para os políticos. No entanto, à luz da tomada globalista do sistema judicial e de sua estratégia para usar medidas ilegais do Ultra vires, os políticos nacionalistas-populistas terão que enfrentar essa superarma globalista.

Como mostra a experiência polonesa, render-se não é uma opção e há muitos truques legislativos que podem ser usados ​​na batalha contra juízes corruptos.

No entanto, os políticos antiglobalistas terão que explicar suas ações, muitas vezes controversas, contra os tribunais com muito cuidado às massas, para evitar acusações de “ditadura”.

O fato de os tribunais de Ultra vires poderem ser contestados foi demonstrado no início deste ano pelo Tribunal Constitucional Federal alemão, que declarou a decisão do Tribunal de Justiça Europeu, de permitir que o Banco Central Europeu continuasse imprimindo dinheiro, como uma decisão de “Ultra vires” que o tribunal alemão se recusaria a seguir.

Inspirados pelo Tribunal Constitucional Federal da Alemanha, políticos nacionalistas-populistas nos EUA, Itália, Polônia e Brasil devem continuar desafiando a crescente Ditadura da Toga. Como Andrew Breitbart, o fundador da revista conservadora americana “Breitbart” declarou: “Isto é guerra”.

É hora de começar a agir de uma maneira apropriada às circunstâncias.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites