Redes Sociais

Mundo

Número de mortes pelo coronavírus aumentou para mais de 1.000 e infecções ultrapassam 43.000

Thaís Garcia

Publicado

em

"Wuhan:huMan" by mockba1_1999 (William Sutherland) is marked with CC PDM 1.0

O número de mortes pelo novo coronavírus aumentou para mais de 1.000 nos últimos dias e o número de infecções no mundo ultrapassou os 43.000, a maioria na China.

Você pode acompanhar todos os desenvolvimentos relacionados ao vírus neste link abaixo – atualizado diariamente – que mostra a cronologia da expansão do novo vírus corona.

Acompanhe a cronologia da expansão do novo vírus corona

Tailândia

A Tailândia recusou receber o desembarque dos passageiros do navio de cruzeiro Westerdam, que navega sob bandeira holandesa. Ontem(10) ficou claro que o navio, que esperava por dias após o Japão proibir a atracação, zarparia para a Tailândia e chegaria na quinta-feira à cidade portuária de Laem Chabang. Os passageiros poderiam deixar o navio lá. Mas o governo tailandês voltou atrás e o desembarque não será permitido.

“A permissão para desembarcar foi negada”, disse o ministro da Saúde da Tailândia, Anutin Charnvirakul, em mensagem no Facebook.

Segundo a companhia de navegação Holland-America Line, o medo do vírus é infundado. Nenhuma pessoa a bordo foi infectada.

“O navio não está em quarentena e não temos motivos para acreditar que haja casos de coronavírus a bordo, apesar dos relatos da mídia”, afirmou a transportadora.

Rússia

Um blogueiro tadjique, que no metrô de Moscou fingiu estar infectado com o novo vírus corona e causou grande pânico, foi preso. Ele ficará detido por pelo menos 1 mês, relatou a emissora estatal russa RT.

No vídeo publicado nas mídias sociais, você pode ver como Karomatullo Dzhaborov cai no chão do metrô com uma máscara facial. Quando os companheiros de viagem querem ajudá-lo, ele começa a dar voltas e chutes descontroladamente. Os passageiros não sabem a rapidez com que precisam se afastar, se amontoam em frente às portas de entrada e fogem para fora assim que o metrô pára. Há gritos e alguém aparentemente liga para os serviços de emergência em pânico. Só mais tarde descobriu-se que era uma “brincadeira” de Dzhaborov e seus amigos.

Hong Kong

Em Hong Kong, 1.193 pessoas foram postas em quarentena por 14 dias, depois de terem estado na China continental. A maioria está em suas próprias casas, 35 pessoas estão em hotéis e outras 20 foram enviadas para instalações do governo. Em Hong Kong, 49 pessoas estão infectadas com o vírus e uma delas morreu.

A polícia de Hong Kong está procurando duas pessoas que se retiraram da quarentena em que foram colocadas sem permissão. Eles tiveram que ficar em instalações do governo para impedir a disseminação do novo vírus da coroa, relatou o jornal South China Morning Post.

O ministro da Saúde disse que um total de 9 pessoas de Hong Kong deixaram sua área de quarentena designada, 2 das quais ainda não foram localizadas.

“Lembro a essas pessoas que quebrar a ordem de quarentena é uma ofensa criminal”, disse o ministro. Qualquer pessoa que não seguir as ordens poderá arriscar uma multa máxima de 25.000 dólares de Hong Kong (cerca de US $ 3.000) e 6 meses de prisão.

 Mais de 100 pessoas foram evacuadas ontem à noite (10) de uma torre residencial em Hong Kong. A evacuação é uma precaução devido à descoberta de um segundo caso de infecção em um apartamento em um andar diferente.

A nova infecção foi diagnosticada em uma mulher de 62 anos, no terceiro andar do Hong Mei House. Ela mora exatamente 10 andares abaixo do apartamento de um homem que foi o primeiro no complexo a ser diagnosticado com o vírus.

O homem foi o 12º caso de infecção em Hong Kong, a mulher agora é o 42º caso.

“Não sabemos como o vírus se espalhou por 10 andares”, disse Wong Ka-hing, do Centro de Proteção à Saúde.

Possivelmente o contágio aconteceu através de gotículas nos canos do banheiro ou no ralo. Foi assim que o vírus SARS se espalhou em Hong Kong, 17 anos atrás. O vírus entrou em uma torre residencial através de um homem com diarreia que visitava seu irmão.

Como precaução, os moradores de todos os apartamentos da torre foram evacuados exatamente acima e abaixo dos do homem e da mulher. Eles terão que ficar em quarentena por 14 dias.

Grã-Bretanha

Um homem britânico infectou pelo menos 11 outros com o vírus corona. Tudo começou cerca de 3 semanas atrás, com uma viagem de trabalho a Cingapura. Juntamente a outras 109 pessoas, o homem, um britânico de meia-idade, participou de uma conferência. Dos 109 participantes, 94 pessoas vieram de fora de Cingapura. Um visitante era de Wuhan.

Após a conferência, os britânicos viajaram de volta à Europa, à estação de esqui francesa de Les Contamines-Montjoie. Ele ficou lá por 4 dias, antes de voltar para a cidade inglesa de Hove. Uma vez chegado, ele visitou o pub local The Grenadier. Naquele momento, o homem não mostrava sintomas. Somente quando soube que outro visitante da conferência havia contraído o vírus, ele decidiu se reportar ao serviço de saúde local.

O homem acabou por estar infectado – exatamente como um grande grupo de pessoas com quem o britânico esteve em contato. 5 na França, 4 na Inglaterra e 1 na Espanha. O último estava na mesma estação de esqui. Os outros, incluindo 5 do pub, foram testados ou ainda estão em quarentena. O serviço de saúde britânico ainda está investigando se ainda há mais pessoas que entraram em contato com ele.

Amazon

A gigante americana de lojas virtuais Amazon está trabalhando para reabastecer seus estoques de produtos fabricados na China. A empresa quer impedir que em breve seja incapaz de entregar produtos aos clientes, porque o fluxo de mercadorias da China está acabando, devido ao novo vírus corona. Portanto, a Amazon fez os pedidos de última hora necessários, informou o Business Insider com base nos e-mails enviados pela Amazon.

Empresas na China

Em grandes partes da China, a vida pública foi proibida para impedir a propagação do vírus. Muitas empresas também mantêm as portas fechadas, o que dificulta as exportações para outros países. As empresas estão fechando as portas em toda a China, especialmente na região de Hubei, onde o vírus apareceu pela primeira vez. As marcas Dunkin, McDonald’s e Starbucks, por exemplo, fecharam várias lojas.

A rede de ‘fast food’ Burger King fechou metade de todos os seus restaurantes na China para conter a disseminação do novo vírus corona. A cadeia originalmente americana possui cerca de 1.300 locais na China. O Burger King é de propriedade da Restaurant Brands International, que também inclui redes como Popeyes e Tim Horton. A controladora disse que está de olho na situação na China.

A China é um importante mercado em crescimento para o negócio de restaurantes. Atualmente, existem cerca de 30 filiais da fórmula do café Tim Hortons na China. A cadeia de frango Popeyes ainda não está ativa na China.

Os fechamentos temporários dos restaurantes Burger King costumam ser o resultado de regulamentos locais para impedir a propagação do vírus. Em alguns casos, os shopping centers estão fechados. Segundo a empresa, ainda é cedo para estimar o impacto do vírus nos resultados.

Desaparecido

O jornalista e cidadão chinês, Chen Qiushi, está desaparecido. A última notícia sobre sua localização é de que estava nas últimas semanas em Wuhan, o local onde o vírus corona eclodiu.

Companhias áreas

A companhia aérea British Airways cancelou todos os voos de e para a China até o final de março. A empresa tomou a decisão por causa do surto do novo vírus corona. Antes, os britânicos disseram que não voariam de e para a China até pelo menos o começo de março.

A empresa possui conexões diretas com as cidades chinesas de Pequim e Xangai e está seguindo os conselhos de viagem do governo britânico. A Grã-Bretanha ainda aconselha seus cidadãos a não viajarem para a China se isso não for absolutamente necessário. Os voos de e para Hong Kong estão continuarão conforme o programado.

A holandesa KLM disse que não voará de e para a China até 15 de março. Várias outras companhias aéreas também estão evitando os aeroportos chineses por enquanto.

 

 

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.