Redes Sociais

Mundo

França proíbe a classificação de brinquedos para “meninos” e “meninas”

Thaís Garcia

Publicado

em

França proíbe a classificação de brinquedos para “meninos” e “meninas” 21
Imagem: Colagem/iStock

Há anos, os brinquedos são classificados por sexo. Bonecas de princesa são para meninas e oficinas de reparação de automóveis são para meninos, seguindo as habilidades e interesses naturais de cada sexo. No entanto, na França, a sociedade vem caminhando a passos globalistas. Nada de brinquedos para meninas ou para meninos. Os brinquedos no país se tornarão “neutros”.

A maneira de brincar varia frequentemente entre meninos e meninas. As meninas gostam de inventar histórias nas quais os personagens sejam amorosos ou carinhosos. Elas podem desfrutar tranquilamente da brincadeira por horas. A maioria dos garotos gosta de velocidade, luta e competição, muita coisa voa pelo ar e sua reprodução é frequentemente acompanhada de muito barulho. É claro que a maneira como uma criança brinca não tem a ver apenas com o sexo, mas também com o caráter dela. Algumas crianças são um pouco mais criativas ou mas aventureiras do que outras.

Mas na França, isso agora vai mudar. Nas lojas de brinquedos, a classificação ‘meninos’ e ‘meninas’ deixará de existir no próximo ano. Portanto, não será mais possível anunciar por sexo nas propagandas comerciais, nem nos catálogos de brinquedos ou vestimentas.

Os funcionários de lojas infantis não poderão mais perguntar aos pais: “é para menino ou menina?”

“Vamos treinar nossa equipe para perguntar o que a criança quer”, disse Romain Mulliez, diretor da FCJPE, a Federação Francesa de Lojas de Brinquedos.

Ativismo disfarçado de “luta contra o preconceito”

A FCJPE assinou uma carta nacional com o governo francês e com produtores e distribuidores de brinquedos. O objetivo: “lutar contra estereótipos e preconceitos”.

A comunidade empresarial vai desenvolver brinquedos que “não discriminam”. O serviço de brinquedos não dirá mais “faça como a mamãe”, mas “faça como seus pais”. De acordo com a FCJPE, um conjunto de escova de cabelo também deve ser para meninos.

O governo francês está convencido de que o uso de brinquedos influencia o papel de um adulto na sociedade.

Linha de boneca neutra

Um dos signatários da carta é a multinacional Mattel, que fabrica Barbie, entre outras coisas. Nos últimos anos, essa empresa já decidiu mudar de rumo de forma independente. A multinacional de brinquedos também criou uma linha de bonecas neutra. Uma boneca neutra pode ser vestida com cabelos longos ou curtos e com calças ou uma saia, com roupas femininas ou masculinas.

Natal

O governo francês está apresentando sua carta de brinquedos neutros antes do Natal. As compras de final de ano estão quase chegando. Natal é tradicionalmente o momento em que as crianças mais recebem presentes na França.

Holanda

Na Holanda, a ministra da Emancipação, Ingrid van Engelshoven, também pediu para que o país se livre de brinquedos “sexistas”. A ministra pediu aos fabricantes de brinquedos que “examinem” os brinquedos que confirmam o papel em sua coleção. Ela também discutirá sobre “estereótipos” com os editores de livros didáticos.

De acordo com o jornal AD, a ministra fez seu apelo à Holanda, depois que foi anunciado que nas lojas de brinquedos francesas, no próximo ano, a classificação de “meninos” e “meninas” chegará ao fim.

Brinquedos de menino ou menina? Qual é a verdade?

Os meninos adoram carros e as meninas adoram bonecas. Parece um clichê, mas frequentemente é verdadeiro. Coloque uma boneca e um carro em cima da mesa e pergunte a um menino e a uma menina quais brinquedos eles mais gostam e a resposta é previsível. Mas, o porquê as meninas costumam escolher ‘bonecas e rosa’ e os meninos ‘carros e cores primárias’ tem sido objeto de discussão há séculos. Teriam as escolhas uma influência da natureza da criação? As diferenças científicas entre meninos e meninas existem e foram comprovadas.

Segundo a Academia Americana de Pediatria (AAP), pesquisas mostram que certas diferenças de sexo são congênitas. O médico e psicólogo americano Leonard Sax, o terapeuta Michael Gurian e a psiquiatra Louann Brizendine, afirmam que cérebros masculinos e femininos são conectados para serem diferentes.

Desde o primeiro dia após o nascimento, os meninos olham mais para os objetos e as meninas para os rostos. Suas preferências por brinquedos também variam. As meninas costumam optar por bichos de pelúcia macios e de cor clara, os meninos preferem brinquedos mais duros e coloridos. Essas diferenças têm a ver com o equilíbrio hormonal: testosterona nos meninos e progesterona nas meninas. E, portanto, há mais preferências, mas também há comportamentos que geralmente é mais visto em meninos, do que em meninas.

Em seguida, algumas dessas diferenças comportamentais.

Discussão: verbal x física

As meninas são naturalmente melhores em falar e, portanto, mais verbalmente agressivas. Não é à toa que as meninas costumam ser mais maliciosas do que os meninos. Em relação à agressão física, os meninos “vencem”. As brigas entre meninos e meninas não podem, portanto, ser comparadas.

Para os meninos, as brigas geralmente são previsíveis e fáceis de seguir: Um começa, depois o outro reage e depois a briga acontece. Para as meninas, as brigas são mais complicadas. Se você iniciar uma conversa com elas, elas geralmente dão uma imagem distorcida do incidente. Enquanto isso, elas estão – o mais sutilmente possível- tentando se posicionar favoravelmente em relação à outra. Tudo isso, porque elas querem ser apreciadas.

As meninas geralmente podem ter mais empatia com as outras do que os meninos. Um recurso interessante, mas também significa que elas podem manipular, mentir e enganar a outra melhor.

Desenvolvimento motor

Os meninos se comunicam principalmente com seus corpos. No que diz respeito à comunicação física, as meninas têm uma “deficiência de linguagem”. Os meninos desenvolvem mais conhecimento material enquanto conversam. Se você lhes der algo em suas mãos, eles investigarão isso em detalhes. Muitas vezes, parece que eles estão demolindo, mas essa não é a intenção. Eles investigam e aprendem muito com isso.

O conhecimento de materiais nunca é testado, mas o desenvolvimento da linguagem e do motor é. As meninas pontuam melhor nessas áreas desde muito cedo. Por um lado, esse é o comportamento preferido dos meninos e, por outro, porque eles estão mais inclinados a fazer o que os pais querem.

Agitado x calma

Os meninos expressam fisicamente problemas e estresse, mas também prazer. E sim, às vezes, isso faz parecer com que eles estejam muito agitados. As meninas preferem conversar e isso faz elas parecem ser mais calmas. Na escola primária, problemas comportamentais são as queixas mais comuns entre os meninos.

Um garoto, que está agitado com todo tipo de coisa em sua cabeça, não pode ficar parado. Ele deve expressar isso fisicamente e se tornar (hiper) ativo. Para o professor, isso pode ser perturbador, mas na verdade o comportamento dele é muito sensível. Dessa forma, ele se expressa melhor e pode se concentrar melhor.

Se as meninas não estão se sentindo bem, elas começam a se preocupar com mais frequência. Como resultado, elas podem sofrer de dores abdominais. Esse é o problema mais comum em meninas de idade escolar.

Oradores x Praticantes manuais

As meninas usam muito mais palavras do que os meninos, que são mais das práticas manuais. Mas, as meninas não são apenas falantes: elas se tornam praticantes manuais, quando alguém precisa de ajuda.

Concentração

Na escola, a criança precisa ficar parada por muito tempo, e os meninos não são feitos para isso. Eles gostam de se movimentar e, se não podem, ficam inquietos. As meninas podem se concentrar mais no trabalho, ouvir melhor a explicação do professor e anotar melhor a lição de casa.

Isso também ocorre porque as meninas costumam estar mais inclinadas a agradar aos outros. É por isso que elas fazem o seu melhor, da maneira que a outra pessoa espera delas. O fato de que as meninas frequentemente alcançam melhores resultados escolares, não tem nada a ver com a inteligência. Os meninos estão apenas ocupados com outras coisas.

Assertividade e liderança

Os meninos não têm medo de conflitos, ousam tomar atitude e assumir a liderança. Eles gostam de clareza: o chefe é o chefe. As meninas gostam de permanecer amigas e isso pode ser complicado dentro de uma hierarquia. Por exemplo, se você assumir a posição de chefe com muita clareza.

As meninas assumem a liderança de uma maneira mais sutil. Você nem sempre percebe que elas estão realmente no comando. Mas elas mesmos estão cientes disso. Elas trabalham até conseguirem o que querem. Em uma idade posterior, as meninas podem ser líderes muito agradáveis. Eles têm empatia e estão dispostas a se autojulgarem. A falta de assertividade, geralmente, significa que elas nem sempre desenvolvem suas qualidades de liderança. É por isso que a maioria das empresas tem um homem no comando.

Competição e classificação

Os meninos usam formas físicas para determinar o ranking. Eles brincam, querem saber quem é o mais forte, quem pode fazer xixi mais longe, quem tem o arroto e o pum mais poderoso e quem pode correr mais rápido. Se um novo garoto entra na sala de aula, tudo isso deve ser resolvido.

Essa competição ainda existe quando são adultos, mas é sobre o maior carro e o maior salário. Saber quem é “o chefe” dá descanso aos meninos. Se eles sabem onde estão, geralmente podem surpreendentemente aceitar a hierarquia que foi estabelecida.

As meninas investigam de uma maneira diferente como um ranking é estruturado. Não brincando, mas trabalhando na popularidade. Elas querem ser aceitas pelas outras, e certamente pelos adultos.

O melhor x A mais doce

Os meninos não querem apenas ser os mais fortes, mas também os melhores, os mais inteligentes e os que têm mais brinquedos. As meninas querem ser as mais doces. Isso lhes oferece segurança. É por isso que as meninas são legais com os outros o dia todo.

Se o objetivo desse bom comportamento é puramente uma boa posição no grupo, as meninas geralmente são boas em escondê-lo sutilmente.

Processando emoções

Meninas choram mais rápido que meninos. Elas não podem controlar isso. Do ponto de vista técnico, é mais fácil para as meninas chorar. O cérebro delas difere dos meninos nessa área. Se algo ruim acontece, as meninas lidam com isso mais cedo chorando e os meninos fazendo alguma coisa. Os dois lados têm o mesmo efeito: deixa a cabeça lúcida e acalma novamente.

Ousado x Obediente

Dizem que as meninas são mais obedientes e os meninos são mais conhecidos como ousados. Isso ocorre porque as meninas geralmente querem ser amadas e, portanto, fazem que você peça que elas façam algo mais rápido. Os meninos são muito mais diretos e mais propensos a bater na mesa.

Esse comportamento é frequentemente visto como brutal ou estranho, mas isso não é totalmente justificado. Os meninos simplesmente não têm medo de defender seus interesses e entrar em conflito. Atualmente, as meninas estão sendo criadas de forma mais assertiva e o fazem com mais frequência.

Papel dos pais

Durante os dias da infância, as meninas brincam de casinha e os meninos saem e renovam tudo. Mas qual é o papel dos pais nesse sentido? Os pais estimulam esse comportamento específico do sexo? Claro que sim. Muitas vezes os pais gostam de dar aos meninos um capacete de cavaleiro e às meninas um vestido de princesa. E isso é bom. É um processo natural de identificar os interesses naturais de uma criança e querer saciá-los como pais.

É importante que um pai ou uma mãe veja seu filho ou filha assim, como foi criado (a), levando em consideração seus desejos biológicos naturais, sua autenticidade e interagindo com a criança. Não existe um menino ou uma menina padrão. Portanto, as crianças precisam de oportunidades suficientes para desenvolver suas preferências, de acordo com seus dons naturais.

O papel dos pais é descobrir o talento de seus filhos, mas sempre levando em consideração certas diferenças entre meninos e meninas. Dessa forma, os pais poderão incentivar, com segurança, as atividades típicas de meninos ou meninas.

O sexo da criança desempenha um papel fundamental na educação, mas também o exemplo que os pais dão. As mães têm um papel protetor com mais frequência, os pais estão mais inclinados a experimentar e desafiá-los a preparar seus filhos para mais tarde. Um pai joga seu filho no ar e a mãe grita: cuidado! Mas, uma mãe também pode ajudar seu filho a expressar seus sentimentos e um pai, ajudar sua filha a defender melhor seus interesses.

Educar um filho é desafiador. Principalmente em uma sociedade em que os valores da família têm sido frequentemente atacados. A agenda social e política LGBT tem estado cada vez mais presente e intensa e o seu principal alvo são as crianças.

Toda criança tem suas próprias características e não apenas a educação determina seu desenvolvimento, mas sua natureza biológica também. Por isso, o papel dos pais na criação é de grande importância. É um papel incentivador e protetor. As crianças precisam ser protegidas dessa doutrinação ideológica globalista. Mais uma vez, essa doutrinação de crianças precisa ser freada.

Os pais não têm controle sobre a composição genética dos filhos, ela é dada por Deus. Mas eles têm influência sobre o seu caráter. A natureza de um filho pode e deve ser respeitada e moldada pela criação dos pais.

A Bíblia diz: “Ensine a criança no caminho em que deve andar; e ainda quando for velho, não se desviará dele” (Provérbios 22: 6). E também diz: Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor. (Efésios 6: 4).

Fontes: Academia Americana de Pediatria (AAP), AD e a Bíblia.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites