Redes Sociais

EUA

No Texas: “Nossos professores estão armados e usarão toda a força necessária para proteger seus alunos”

Thaís Garcia

Publicado

em

No Texas: “Nossos professores estão armados e usarão toda a força necessária para proteger seus alunos” 15
Imagem: Reprodução

Enquanto parlamentares da esquerda dos EUA continuam seu lobby para desarmar a população deixando-a ainda mais vulnerável, o estado americano do Texas está treinando seus professores para se defenderem e a seus alunos.

Segundo a CBN News, em 2019, houve mais de 20 tiroteios em escolas em todo o país, do ensino fundamental ao universitário.

Tiroteios em massa marcaram as comunidades no estado. Fort Worth, Sutherland Springs, El Paso, Sante Fe, Odessa – o impacto é sentido na maneira como as pessoas praticam sua fé, atuam no comércio e até mesmo protegem suas salas de aula.

“Eu odeio ter que falar sobre como organizamos nossas salas de aula para que possamos barrar uma porta, em vez de ensinar aos professores como organizar suas salas de aula para criar um ótimo ambiente de aprendizado”, disse Jeremy Thompson, superintendente do Distrito Escolar Independente de Era.

“Agora temos câmeras de segurança em todo o edifício, temos monitores em vários locais onde o diretor ou alguém com autoridade pode chegar a ele, ligar câmeras e descobrir onde as pessoas estão, onde está o atirador”, disse Donald Metzler, Superintendente do Distrito Escolar Independente de Callisburg.

Precauções como essas agora são comuns em todo o país. Juntamente com detectores de metal, kits de trauma e exercícios de bloqueio. No Texas, um número crescente de escolas está dando um passo adiante.

Em frente à escola de ensino médio Callisburg High School há um aviso: “Nossos professores estão armados e usarão toda a força necessária para proteger seus alunos”.

No Texas: “Nossos professores estão armados e usarão toda a força necessária para proteger seus alunos” 16

Exemplo de aviso em frente a escolas texanas. Foto: Creede Newton, AP.

“Você sabe que minha principal preocupação é garantir que todos estejam seguros e que todos voltem para casa no final do dia”, disse o superintendente Metzler à CBN News.

Os funcionários do Distrito Escolar Independente de Era estão adotando a mesma abordagem.

“Meu objetivo é controlar os fatores que posso controlar e estar preparado para lidar com as coisas que não temos o controle”, disse o superintendente Thompson.

Lei

Em junho do ano passado, o governador do Texas, Greg Abbott, assinou uma lei que permite aos distritos escolares armar professores ou funcionários da escola como bem entenderem. Distritos rurais como Callisburg e Era começaram a armar seus professores anos atrás.

“Somos uma pequena cidade do norte do Texas. Não somos incorporados, por isso não temos uma polícia local que seja exclusiva da nossa comunidade. O departamento do xerife do condado nos serve muito, mas, na realidade, demora entre 15 e 20 minutos para uma resposta, muitas vezes, e a maioria das estatísticas dirá que os tiroteios nas escolas terminaram muito antes desse tempo. Então, realmente sentimos que precisávamos de algo para mitigar os danos nesse período interino enquanto aguardamos uma resposta” disse Thompson.

“Pensamos que a melhor maneira de proteger nossos filhos seria desenvolver uma equipe local de guardiões”, disse Metzler à CBN News.

Leia também: Leis de armas do Texas mudam para facilitar o porte de armas para autodefesa

Programa Guardião e Programa Marechal Escolar

O programa Guardião é uma das duas opções de treinamento para os distritos escolares do Texas que optam por armar funcionários. As escolas estabelecem as políticas ou regras em torno de seu programa, que são projetadas para proteger os alunos enquanto aguardam a chegada da aplicação da lei.

“Eles treinam todo verão, fazem o campo de tiro por um dia inteiro e passam o dia inteiro dentro de um prédio do campus passando por certos cenários”, disse Metzler.

A outra opção de treinamento disponível para os distritos escolares é chamada de Programa do Marechal Escolar. É supervisionado pela Comissão de Aplicação da Lei do Texas (TCOLE) e treina professores para iniciar um jogo de tiro ativo o mais rápido possível.

“Se o diretor da escola ou a pessoa armada no campus não parar o tiroteio, os professores pelo menos interrompem o progresso e isso muda a dinâmica de toda a situação”, disse Kim Vickers, diretor executivo do TCOLE.

Treinamento essenciais

Os candidatos devem passar por 80 horas de treinamento, conduzido por uma academia de aplicação da lei, que inclui um curso simulado por computador e exercícios ao vivo.

“Ao entrar, eles precisam entender que: ‘Há um passo aqui que eu posso dar que é assustador e pode ser algo que eu vou precisar atravessar, uma barreira que eu vou empurrar’, assim como um policial, tem que fazer a mesma coisa, e tentamos colocá-los em situações e cenários de treinamento que tentam deixá-los atingir esse limite”, disse Vickers à CBN News.

Vickers enfatiza que é a prevenção que ele acredita ainda ser a melhor solução para acabar com os tiroteios nas escolas.

“Em um mundo perfeito, conseguiríamos parar antes que acontecesse … Vi esses programas começarem no início do ensino fundamental, onde eles começaram a tentar identificar as crianças que estavam exibindo esses tipos de características e tendências do perfil de um atirador e tratá-las. Identificando no início, você pode evitar que chegue a esse ponto. Acho que essa é a resposta definitiva: abordá-las antes de começar, ajudando essas crianças que acabam virando nossos atiradores”, disse Vickers.

“Mas não há nenhuma maneira, eu acho, de que você consiga acabar completamente com atiradores. Então, você precisa ter algo para resolver isso … é aí que entra o Programa de Marechal Escolar”, continuou Vickers.

Segundo Vickers, exercícios de bloqueio, zonas de segurança e professores armados são, por enquanto, a realidade e as formas eficazes de proteger os alunos.

Leia também “A saúde mental e o ódio puxam o gatilho, não a arma”, diz Donald Trump

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites