Redes Sociais

Coreia do Norte

Coronavírus chega à Coreia do Norte

Thaís Garcia

Publicado

em

Coronavírus chega à Coreia do Norte 14
Imagem: Reprodução

O coronavírus também chegou à Coreia do Norte. Mas o regime comunista de Kim Jong-un ainda não quis confirmar isso oficialmente.

Segundo a tradição comunista, a Coreia do Norte libera pouco ou nada de informações sobre possíveis contaminações, surtos e epidemias. Segundo a mídia estatal norte-coreana, o governo estaria fazendo todos os esforços para manter o vírus corona fora do país.

Se a ditadura de Kim Jong-un foi realmente bem-sucedida nisso é altamente duvidoso. Relatos de que pelo menos 1 mulher na capital Pyongyang morreu e 5 pessoas na cidade de Sinuiju, perto da fronteira com a China, ainda não foram confirmadas oficialmente. A Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda não recebeu um relatório do país.

Fronteira fechada

Não há dúvida de que a Coreia do Norte está totalmente envolvida e mobilizada para combater o vírus no país. 30.000 trabalhadores teriam sido mobilizados para combater o coronavírus.

A mídia sul-coreana – com boas fontes de informações no norte – disse que, apesar do rápido fechamento da fronteira terrestre de quase 1.500 quilômetros com a China, o vírus também se espalha pelo norte da Coreia do Norte. Pelo menos 150 casos de infecção foram confirmados no lado chinês da fronteira. Dados os contatos muito intensos (contrabando) entre a China e a Coreia do Norte, há uma boa chance de que pessoas infectadas possam estar caminhando para o norte da fronteira.

O Comitê das Nações Unidas que lida com sanções contra o país já anunciou que a assistência médica de organizações humanitárias é agora, a título excepcional, permitida. Há uma grande escassez de máscaras bucais e desinfetantes.

No último sábado (8), um desfile clássico na capital Pyongyang foi cancelado. Na semana passada, o jornal do partido Rodong Sinmun também não mencionou as habituais viagens de inspeção de propaganda de Kim Jong-un ao país. Ele também não teve tempo para uma grande conversa sobre a “nova arma estratégica” sobre a qual havia prometido detalhes.

Pânico

Há uma possibilidade de que os norte-coreanos tenham fechado a fronteira tarde demais e a situação agora fique fora de controle. Se isso ocorrer, o regime poderá ter dificuldades porque não há boa infraestrutura médica no país.

Além da falta de infraestrutura, trata-se de um país comunista, como a China. Se a epidemia de corona tivesse ocorrido em um país livre, teria sido possível uma melhor prevenção e gerenciamento do surto, além de uma maior transparência na divulgação dos dados reais de contaminações e mortes, que ainda levantam dúvidas na comunidade internacional.

A desvantagem de como a China lida com a epidemia é que as pessoas não sabem o que lhes acontecerá se tiverem ou não a doença. Portanto, elas não vão se reportar ou admitir que estão contaminadas, com medo de repressões ou até medidas piores. Isso facilita a propagação do vírus.

Lula

Há cerca de 6 passagens oficiais de fronteira com a China e uma com a Rússia, que tem uma fronteira de 17 quilômetros com a Coreia do Norte. Sabe-se que muita coisa é contrabandeada para lá. Quanghe (China) tem uma conexão com a zona econômica especial norte-coreana de Rason, com o porto de Rajin, onde os pescadores pescam muitas lulas para exportação diária para o nordeste da China, tudo isso ilegalmente. Na cidade fronteiriça norte-coreana / chinesa de Sinuiju, onde a grande maioria dos produtos chineses entra no país – apesar das sanções da ONU -, os preços aumentaram dramaticamente para alimentos, como óleo de cozinha, açúcar e farinha.

O regime norte-coreano tem um histórico ruim quando se trata de transparência em epidemias anteriores. E se forem admitidos, o número real de vítimas raramente é relatado para evitar críticas à abordagem do regime comunista à crise.

Será difícil a comunidade internacional saber o que está realmente acontecendo na Coreia do Norte. O único fato é que eles fecharam as fronteiras.

Acompanhe a cronologia da expansão do novo vírus corona aqui

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites