Redes Sociais

Destaque da semana

Esquerdistas ameaçam comunidades pobres e as forçam a participar de motins socialistas contra o novo governo da Bolívia

Thaís Garcia

Publicado

em

Esquerdistas ameaçam comunidades pobres e as forçam a participar de motins socialistas contra o novo governo da Bolívia 20
Imagem: © REUTERS

Moradores de comunidades pobres de El Alto, na Bolívia, estão enfrentando ameaças de violência e multas – que não podem pagar – se não se unirem a motins socialistas contra o governo conservador interino que substituiu o ex-presidente Evo Morales, informaram os jornais bolivianos Página Siete e El Deber na sexta-feira (15).

O Página Siete publicou mensagens anônimas de pessoas das comunidades pobres nos arredores de El Alto, uma fortaleza socialista, na qual os moradores reclamam que seus vizinhos estão ameaçando queimar bairros inteiros.

Outro jornal boliviano, o El Deber, informou que as quadrilhas criminosas estão indo de porta em porta cobrando “multas” de famílias que não saíssem às ruas para saquear casas e empresas.

O ex-presidente Evo Morales, do partido Movimento ao Socialismo (MAS), renunciou ao cargo e fugiu para o México, após a publicação de evidências compiladas pela Organização dos Estados Americanos (OEA) de fraude nas eleições presidenciais de 20 de outubro.

Morales disputou e “venceu” um quarto mandato inconstitucional, depois que os servidores que contaram os votos encerrados desviaram a contagem para um servidor privado desconhecido, segundo a OEA.

Jeanine Áñez, uma senadora conservadora, substituiu Morales como presidente interina, após o abandono de dezenas de políticos do MAS, incluindo aqueles acima de Áñez na ordem de comando do país.

Em resposta, socialistas organizaram tumultos violentos, muitos marchando de El Alto para a cidade vizinha de La Paz, a sede executiva do governo, nesta semana.

O jornal El Deber encontrou evidências de que a multidão que incendiou e saqueou pelo menos cinco delegacias de polícia em sua marcha para La Paz, não eram de indígenas apoiadores de Morales, mas sim de comunidades pobres de El Alto que foram forçadas por esquerdistas a realizar as manifestações com violência.

Segundo o jornal boliviano, a polícia contestou a alegação de que esses manifestantes eram indígenas apoiadores de Morales com uma série de prisões efetuadas de cubanos, venezuelanos e outros que construíram explosivos e forçaram bolivianos de comunidades pobres a participar dos motins.

A mídia boliviana ouviu testemunhos das vítimas desses agentes socialistas. Elas disseram que não queriam participar dos tumultos, mas não tiveram escolha.

“Amigos, não aguento mais essa situação. Aqui em El Alto, estamos sofrendo demais com as ameaças de nossos próprios irmãos de El Alto porque não apoiamos a ‘luta que supostamente é para todos nós’. Com a desculpa dos Wiphala, eles querem invadir nosso bairro … estamos passando por um momento muito ruim”, dizia uma mensagem de texto do grupo de vizinhos do WhatsApp publicada pela Página Siete.

O Wiphala é uma bandeira legal do país da Bolívia que representa suas 36 comunidades indígenas.

Nesta semana, um vídeo circulou nas mídias sociais mostrando pessoas não identificadas queimando a bandeira, o que muitos consideraram um ato de racismo. Membros dos grupos socialistas que marchavam em La Paz disseram aos repórteres que estão fazendo isso para vingar os Wiphala.

“Agentes estrangeiros”

O jornal Página Siete relatou que os manifestantes estão cometendo atos de terror com a ajuda de “agentes estrangeiros” para intimidar as comunidades pobres de El Alto a se juntarem aos tumultos. Entre os “atos de terror” cometidos em La Paz estavam a queima de várias residências particulares de funcionários da oposição local e a destruição de um terço da frota do serviço público de ônibus.

Os apoiadores do MAS também tentaram destruir a sede de vários serviços públicos e redes de transmissão. No último caso, manifestantes tentaram destruir as estações a cabo para interromper as transmissões de TV, segundo o jornal.

O Página Siete também citou um especialista em segurança que disse que os socialistas contrataram camponeses peruanos para treinar os bolivianos em como causar destruição.

O jornal boliviano El Deber relatou que alguns simpatizantes do MAS não ameaçavam os pobres de El Alto apenas com violência, mas com ainda mais pobreza, impondo “multas” às famílias que não participassem dos protestos.

Segundo o jornal, as autoridades ameaçaram dificultar a compra de alimentos e outros bens básicos para as famílias e os ameaçaram com uma multa de 100-150 bolivianos (US $ 14,46 a US $ 21,69).

O El Deber citou conversas com oito moradores de El Alto que preferiram permanecer anônimos por medo de represálias de socialistas. Segundo os moradores, a Federação de Conselhos de Bairro de El Alto está sendo usada para fazer pedidos, de quarteirão a quarteirão, para levar as pessoas a protestar.

De acordo com o jornal, no bairro de Ventilla, por exemplo, eles foram informados de que há três áreas em que o governo construiu moradias públicas. Para as famílias que moram lá, os socialistas disseram que o novo governo tomaria suas casas e os deixaria sem nada. Dessa forma, esses moradores foram incitados a participar das manifestações.

Em outro bairro de classe baixa, as autoridades locais esquerdistas que apoiavam Morales se recusaram a oferecer serviços básicos de infraestrutura como a água e alegaram que como Morales havia renunciado, não haveria mais serviços, informou o El Deber.

Outro relato indicou que os esquerdistas estavam tentando fechar todo o acesso à gasolina.

Na sexta-feira (15), a polícia alertou que os líderes do MAS estão fortemente armados e possuem gás lacrimogêneo e uma série de armas de fogo usadas por atiradores treinados em Yapacaní.

As autoridades da Bolívia prenderam quase 10 estrangeiros que organizaram manifestações violentos no país. Entre os primeiros identificados, estava Facundo Molares Schoenfeld, um membro argentino do grupo terrorista comunista das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Autoridades policiais disseram a repórteres que tinham motivos para acreditar que Schoenfeld foi contratado por socialistas do país para armar e treinar bolivianos locais para cometer atos de terror. Schoenfeld estava desaparecido desde 2017, após o “acordo de paz” entre as FARC e o governo da Colômbia.

As autoridades bolivianas também revelaram as prisões de quatro cidadãos cubanos que transportam milhares de dólares em dinheiro, presos depois que grupos de vigilância do bairro disseram à polícia que estavam entregando dinheiro a pessoas, em troca de cometer atos de violência. Vários dos presos alegaram ter recebido dinheiro para pagar médicos escravos que operam no sistema médico cubano na Bolívia.

Na quinta-feira (14), o novo ministro das Relações Exteriores da Bolívia anunciou que retiraria mais de 700 agentes cubanos que trabalhavam no país.

Segundo o jornal Jornada, desde que os protestos começaram após as eleições de 20 de outubro, dez pessoas morreram nos confrontos.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites