Redes Sociais

Mundo

Conservadora Jeanine Áñez é a presidente interina que promete pacificar a Bolívia

Thaís Garcia

Publicado

em

Conservadora Jeanine Áñez é a presidente interina que promete pacificar a Bolívia 21
Imagem: APA/AFP/Raldes

Na terça-feira (12), em sessão extraordinária no Parlamento, a conservadora Jeanine Áñez se declarou presidente interina da Bolívia, após apontar indefinição na linha sucessória do esquerdista Evo Morales. A senadora e advogada de 52 anos é oriunda da região nordeste de Beni, na fronteira com o Brasil.

Cristã, a presidente interina imediatamente fez questão de se destacar de Morales, um socialista que havia eliminado os juramentos religiosos.

Áñez entrou no Palácio do Governo com uma Bíblia – encadernada em couro – na mão e a faixa presidencial no ombro. Levantando a Bíblia acima de sua cabeça e com um sorriso largo declarou: “Deus permitiu que a Bíblia voltasse ao palácio [presidencial]. Que Ele nos abençoe”.

Conservadora Jeanine Áñez é a presidente interina que promete pacificar a Bolívia 22

Foto Juan Karita/AP.

Jeanine Áñez foi escolhida pelo Parlamento por ter a capacidade de liderar o país fora da crise, provocada pelo socialismo de Morales, que fraudou sua reeleição no mês passado.

“De acordo com a ordem constitucional, é meu papel aceitar esse desafio com o único objetivo de convocar novas eleições. Estou comprometida em tomar todas as medidas necessárias para pacificar o país”, disse ela, em sua sessão de juramento.

Áñez tornou-se a 66º presidente da Bolívia e a segunda mulher a ocupar o cargo. A última mulher a servir como presidente da Bolívia foi Lidia Gueiler, que ocupou o cargo por menos de dois anos, antes de ser deposta em 1980.

Áñez prometeu realizar novas eleições “o mais rápido possível”.

“É um compromisso que assumimos com o país e, é claro, vamos cumpri-lo”, disse Jeanine Áñez.

Áñez serviu de 2006 a 2008 como membro de uma assembleia que redigiu a constituição atual. Ela é senadora desde 2010 e membro do partido político conservador Unidade Democrática. Ela foi nomeada segunda vice-líder do Senado, de acordo com a tradição de que todos os partidos estejam representados nos principais cargos.

A tomada de posse de Áñez foi aprovada pelo Tribunal Constitucional e provocou júbilo em sua cidade natal, Trinidad. O povo boliviano também comemorou em La Paz e outras grandes cidades.

Anez apoiou o uso da bandeira “wiphala” ao lado da bandeira nacional boliviana. O wiphala é um símbolo multicolorido dos povos indígenas andinos.

Referindo-se às acusações contra Morales, Áñez prometeu que “nunca mais uma eleição seria fraudada”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites