Redes Sociais

Mundo

Xi Jinping expõe plano econômico de comando socialista para substituir Hong Kong por Shenzhen

Thaís Garcia

Publicado

em

Reuters/ Getty Images

O secretário-geral governante do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, traçou nesta quarta-feira (14) planos para colocar a cidade chinesa de Shenzhen no centro de uma zona econômica integrada que incluirá as antigas cidades coloniais de Hong Kong e Macau.

Shenzhen fornecerá o “motor” para o desenvolvimento da área da Grande Baía, disse o líder chinês em um discurso que marca o 40º aniversário da fundação da cidade como uma zona econômica especial (SEZ).

Regulamentos e instituições em Hong Kong seriam “alinhados” com os das cidades chinesas vizinhas, disse Xi.

“Sendo Shenzhen um importante motor do seu desenvolvimento, devemos aproveitar as grandes oportunidades históricas no desenvolvimento da Grande Baía, promover o alinhamento das regras econômicas e das instituições de Cantão, Hong Kong e Macau”, disse.

“Devemos também continuar a encorajar e orientar os nossos compatriotas em Hong Kong, Macau e Taiwan, bem como os chineses estrangeiros, a desempenharem os seus papéis importantes no investimento, empreendedorismo e abertura nos dois sentidos”, disse Xi.

Ele disse que haveria um papel de liderança política para Shenzhen na promoção da marca pessoal de ideologia política do Partido Comunista Chinês (PCC) de Xi.

“Shenzhen também assumirá a liderança para realizar a modernização socialista, esta é a missão histórica de Shenzhen dada pelo Partido [PCC] em uma nova era”, disse o líder chinês, referindo-se ao “Pensamento de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas para uma nova era”.

O anúncio sugere que Hong Kong será posta de lado à medida que o foco de Pequim se volta para Shenzhen, que já forneceu uma base para os líderes chineses supervisionarem os acontecimentos na ex-colônia britânica, como os meses de protestos anti-extradição e manifestações pró-democracia.

Shenzhen teria um papel em relação a Hong Kong, disse Xi durante uma visita à cidade, mas não deu mais detalhes.

A presidente-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, anunciou na segunda-feira (12) que seu discurso anual sobre política seria adiado para que ela pudesse comparecer ao evento de aniversário em Shenzhen e “aprender sobre novos desenvolvimentos de política vindos de Pequim”.

Economia de comando socialista

O comentarista econômico chinês, Jin Shan, disse à Radio Free Asia (RFA) que Hong Kong e a ex-colônia portuguesa de Macau provavelmente serão incluídos nos planos de Xi de mudar para uma economia de comando socialista.

As ideias de Xi “combinam com as noções tradicionais de uma economia planejada”, disse Jin. “Na verdade, isso vai na direção oposta às reformas e à abertura [do falecido líder supremo Deng Xiaoping] e à economia de mercado”.

“A premissa da abertura é que a sociedade, o governo e os mercados estão sob o domínio da lei, como garantia para alcançar uma economia de mercado próspera”, disse ele.

O comentarista de assuntos atuais de Hong Kong, Liu Ruishao, concordou, dizendo que a política econômica da China se concentrará principalmente na economia doméstica de acordo com o plano de Xi.

“Eles querem desviar energia de Hong Kong e do centro da China continental”, disse Liu. “Quando eles acabarem de livrar Hong Kong de seu valor, Hong Kong terá uma morte natural.”

Law Ka-chung, ex-analista do Banco de Comunicações e professor de economia da ‘City University’ de Hong Kong, disse que Pequim vai conseguir isso com uma injeção maciça de fundos na indústria de alta tecnologia de Shenzhen.

“Shenzhen tem tudo a ver com o desenvolvimento de alta tecnologia, mas Hong Kong não pode se dar ao luxo de fazer isso porque teve uma reversão financeira de fortunas”, disse Law.

Law disse que a guerra comercial sino-americana levou a uma drenagem na liquidez em dólares de Hong Kong, que já foi um importante ponto de venda da cidade como centro financeiro.

“As reservas cambiais em dólares americanos da Autoridade Monetária de Hong Kong caíram de 46 ou 47% para 41 ou 42%”, disse Law. “Recentemente, houve uma queda acentuada, com uma proporção dos fundos sendo drenados.”

Law disse que Xi parece ter decidido desenvolver a própria moeda da China, o renminbi, como moeda de reserva internacional.

“Se eles querem construir seu próprio centro financeiro, então será Shenzhen”, disse ele.

A próxima ‘cidade mundial’

Terence Chong, professor associado de economia da Universidade Chinesa de Hong Kong (CUHK), concorda, dizendo que Xi parece destinado a substituir Hong Kong por Shenzhen como a próxima “cidade mundial” da China.

“O PIB de Shenzhen já ultrapassou o de Hong Kong”, disse Chong.

Ele disse que Shenzhen pode ter dificuldades com a livre circulação de capital de e para o renminbi, no entanto, em comparação com Hong Kong, com sua moeda livremente conversível e vinculada ao dólar americano.

“[Shenzhen] Também pode ter dificuldade em atrair talentos internacionais”, disse ele. “Quantos estrangeiros vão querer se mudar para Shenzhen? Eles podem cortar custos bancários e de comunicações?”

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites