Redes Sociais

Últimas

Vizinho de cela de Adélio afirma que descobriu oferta de 500 mil reais para “matar o Dr. Jair”

Marcos Rocha

Publicado

em

Reprodução

A revista Crusoé conseguiu acesso ao depoimento de Farhad Marvizi, o vizinho de cela de Adélio Bispo de Oliveira – autor da tentativa de assassinato ao então candidato à Presidência Jair Bolsonaro, ocorrido em setembro de 2018.

Ao delegado que investiga o atentado, Marvizi contou que teria se aproximado de Adélio em março deste ano.

O iraniano afirma ter descoberto que Adélio seria ligado a uma facção criminosa e que, além disso, lhe teria revelado o nome do mandante do crime e o nome de uma outra pessoa que supostamente o informou sobre a presença de Bolsonaro em um ato de campanha em Juiz de Fora. Os dois seriam políticos, segundo o relato.

O preso afirma que conhece os dois apenas “da televisão”.

“São pessoas da alta sociedade, não pertencentes a facções e que possuem muita influência, pois são políticos”, afirmou.

O ataque de Adélio, segundo o detento, só teria ocorrido após uma promessa de pagamento de R$ 500 mil reais para matar quem ele chamou de “Dr. Jair”. 

Para completar, Marvizi disse que várias pessoas da mesma facção à qual Adélio seria ligado foram a Juiz de Fora e deram cobertura para o atentado, informando inclusive a hora em que Bolsonaro estaria exposto.

No início de outubro, o presidente Jair Bolsonaro afirmou ter recebido uma carta de um “vizinho de cela” de Adélio com o nome do mandante do atentado.

“Chegou ao meu conhecimento uma correspondência do vizinho de cela contando por alto quem poderia ser o mandante do crime. Eu não quero falar o nome do cara porque podem vir me questionar, vão falar que eu que forjei essa carta para criticar o João da Silva de tal partido”, disse o presidente na ocasião.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Editor-chefe do Conexão Política; residente e natural de Campo Grande/MS | FALE COMIGO: [email protected]

alan correa criação de sites