Redes Sociais

Mundo

Últimos fins de semana com série de agressões sexuais cometidas por estrangeiros na Alemanha

Thaís Garcia

Publicado

em

Polícia procura estuprador de aparência árabe que abusou de garota de 14 anos na Alemanha
Imagem: Reprodução / Shutterstock

Nestes últimos dois fins de semana ocorreu uma série de agressões sexuais na Alemanha. Em todos os casos, as vítimas relataram que os abusadores tinham uma aparência estrangeira. E nos casos em que a polícia conseguiu encontrar os abusadores, foram presos imigrantes muçulmanos.

Caso de Neuötting
Na cidade bávara de Neuötting, a polícia está à procura de dois homens jovens de pele escura que são suspeitos de terem estuprado uma mulher, no início desta manhã de domingo (18).

Segundo a polícia, a vítima de 52 anos estava a caminho de casa, quando foi arrastada por dois estranhos para um gramado ao lado da estrada. Lá, os dois homens a violentaram.

Um motorista a encontrou um pouco mais tarde e a levou para casa, de onde ela contatou a polícia. Traumatizada, a mulher foi levada para um hospital para exames.

Caso de Bremen
Também neste domingo (18) pela manhã, dois homens no centro de Bremen violentaram uma mulher jovem. Segundo a polícia, ela estava de bicicleta, quando os dois homens a atacaram e um deles a estuprou. Posteriormente, os abusadores fugiram.

O principal culpado foi descrito como tendo baixa estatura e cabelos curtos. O porta-voz da polícia de Bremen informou que os estupradores ainda não foram encontrados.

Hannover
Nesta última segunda-feira (12), a polícia de Hannover informou que uma mulher de 38 anos foi estuprada no domingo (11), depois que ela foi capturada por dois homens, quando voltava para casa da lavanderia, no distrito de Linden-Mitte.

“Um dos dois falou com ela e exigiu relações sexuais, o que a mulher recusou”, disse a polícia local.

Então, um dos homens a perseguiu, a empurrou contra uma cerca e, em seguida, a estuprou. A mulher conseguiu escapar do homem, depois que ele a deixou sozinha por um tempo curto. Após chegar em segurança em seu apartamento, ela entrou em contato com a polícia.

Com a denúncia e as descrições dos suspeitos feitas pela vítima, a polícia alemã conseguiu chegar a dois homens estrangeiros, que foram posteriormente presos perto da cena do crime. De acordo com o jornal Junge Freiheit, uma porta-voz da polícia informou que ambos são imigrantes do Afeganistão.

Baden Eppelheim

No mesmo domingo (11) à noite, em Baden Eppelheim, aconteceu mais uma tentativa de estupro. A polícia local está à procura de um homem de cabelos escuros, que abusou sexualmente de uma jovem de 18 anos que caminhava na rua. O homem tentou agressivamente agarrar suas partes íntimas. A jovem conseguiu se defender e o agressor fugiu.

A vítima descreveu o suspeito como um homem magro de 20 anos de idade, com uma pele escura e com 1,70 a 1,75 metros de altura. O homem vestia uma camiseta verde e uma calça de moletom preta comprida.

Heidelburg
Também no mesmo domingo (11), em Heidelburg, uma jovem de 21 anos foi sexualmente abusada por um homem que a abordou pela manhã em um restaurante.

A polícia disse que o homem a abordou “com clara intenção sexual”. Após a mulher discordar, o homem agarrou agressivamente seus seios e nádegas. Quando a mulher saiu mais tarde do restaurante, ela foi perseguida pelo homem e seu amigo.

“Um dos homens, em seguida, agarrou-a pelo braço, enquanto o outro homem socou seu rosto e a fez entender que ele não aceitou um ‘não’ de uma mulher”, disse a polícia.

A vítima descreveu um dos abusadores como moreno, magro, cabelos escuros e cacheados e cerca de 1,75 metros de altura.

Outros casos em anos recentes

Em 30 de junho a polícia de Bad Vilbel, anunciou que estava à procura de um suspeito que estuprou uma menina de 14 anos em um banco de parque. A polícia disse que a vítima descreveu o agressor como tendo uma aparência árabe, 1,70 a 1,75 metro de altura, com cabelos pretos e curtos.

Em outubro de 2016, um refugiado afegão de 17 anos foi preso em Freiburg por estupro e assassinato da estudante de 19 anos, Maria Ladenburg, filha de um alto funcionário da UE. Este refugiado também é suspeito do estupro e assassinato de outra jovem em Freiburg.

Em dezembro de 2016, duas estudantes chinesas foram estupradas por um refugiado iraquiano em Bochum.

Em outubro de 2018, uma adolescente alemã sofreu um estupro coletivo por sete sírios em Freiburg.

Em julho de 2019, cinco adolescentes de nacionalidade búlgara, de 12 a 14 anos foram presos por estuprar uma jovem no centro da cidade de Mülheim an der Ruhr.

Outro caso de junho de 2018, em Velbert, oito adolescentes, também búlgaros, foram condenados por estuprar uma menina de 13 anos. Os perpetradores receberam penas de até quatro anos e nove meses de prisão.

Assalto e abuso em massa
Em 2015, cerca de mil pessoas se reuniram na véspera de Ano Novo na praça ao lado da Igreja Dom, em Colônia. Durante o barulho dos fogos de artifício, mulheres foram cercadas, assediadas e roubadas. A polícia recebeu 1.049 denúncias, das quais 821 tinham a ver com roubo e 359 com agressão e abusos sexuais.

Na época, declarações semelhantes também foram feitas em outras cidades alemãs, embora em um número muito menor. O número de denúncias em Hamburgo foi de 133 e 15 foram recebidas em Frankfurt am Main.

Em Colônia, a polícia capturou pelo menos 30 suspeitos e prendeu um. Todos tinham uma identidade norte-africana. Os perpetradores eram em sua maioria tunisianos e marroquinos, 15 deles refugiados, e 2 menores de idade. O homem preso é era um argelino de 26 anos que havia pedido asilo na Alemanha.

Dados
De acordo com dados estatísticos do Estado publicados em 2018, a maioria esmagadora de estupros foi cometido por estrangeiros na Alemanha.

67,1% dos “estupros de gangues súbitos” (estupros de gangues não planejados) foram cometidos por estrangeiros em 2017.

Em 2016, esse número foi ainda maior, com 67,8% dos estrangeiros cometendo esse tipo de crime sexual.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites