Redes Sociais

Mundo

Trump: Sudão vai se juntar aos Emirados Árabes Unidos e Bahrein nas normalizações dos laços com Israel

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na sexta-feira (23) que o Sudão vai começar a normalizar os laços com Israel, tornando-se o terceiro Estado árabe a fazê-lo como parte dos acordos de normalização negociados pelos EUA.

O acordo, que aprofundará o envolvimento do Sudão com o Ocidente, segue o acordo condicional de Trump esta semana para remover a nação norte-africana da lista de patrocinadores do terrorismo se pagar indenização às vítimas americanas de ataques terroristas.

Esta é mais uma conquista da política externa do Governo Trump. Recentemente, os Estados Unidos intermediaram pactos diplomáticos entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e  o Bahrein. A Jordânia reconheceu Israel na década de 1990.

Trump convidou repórteres para o Salão Oval enquanto falava ao telefone com os líderes de Israel e do Sudão. Trump disse que o Sudão demonstrou um compromisso com o combate ao terrorismo.

“Este é um dos grandes dias da história do Sudão”, disse Trump, acrescentando que Israel e o Sudão estão em estado de guerra há décadas.

“É um novo mundo”, disse Netanyahu ao telefone. “Estamos cooperando com todos. Construindo um futuro melhor para todos nós.”

Netanyahu tornou uma prioridade estabelecer laços com países anteriormente hostis na África e no mundo árabe, na ausência de qualquer progresso com os palestinos durante sua mais de uma década no cargo. O acordo também visa unificar os países árabes contra seu adversário comum, o Irã.

Esses recentes reconhecimentos de Israel minaram o consenso árabe tradicional de que não pode haver normalização com Israel antes do estabelecimento de um Estado palestino independente. Os palestinos dizem que os reconhecimentos equivalem a uma traição, enquanto Israel diz que os palestinos perderam o que consideram seu “veto” sobre os esforços regionais de paz.

O acordo com o Sudão incluirá ajuda e investimento de Israel, particularmente em tecnologia e agricultura, e também mais alívio da dívida. Ele chega enquanto o Sudão e seu governo de transição estão à beira do abismo. Milhares de pessoas protestaram na capital do país, Cartum, e em outras regiões nos últimos dias, por causa das péssimas condições econômicas.

O anúncio de Trump, na manhã seguinte ao debate presidencial final com o esquerdista Joe Biden, veio depois que o Sudão cumpriu sua promessa de entregar US $ 335 milhões para compensar as vítimas americanas de ataques terroristas anteriores e suas famílias. O dinheiro é destinado às vítimas dos atentados de 1998 nas embaixadas dos Estados Unidos no Quênia e na Tanzânia pela rede Al Qaeda, quando seu líder, Osama bin Laden, vivia no Sudão. Trump disse na terça-feira (20) que assim que os fundos fossem transferidos, ele retiraria o Sudão da lista.

A remoção da designação de terror abre a porta para o Sudão obter empréstimos internacionais e a ajuda necessária para reviver sua economia prejudicada e resgatar a transição do país para a democracia.

O Sudão está em um caminho frágil para a democracia depois que uma revolta popular no ano passado levou os militares a derrubar o autocrata de longa data, Omar al-Bashir. Um governo militar-civil governa o país, com eleições possíveis no final de 2022.

O Primeiro-ministro sudanês, Abdalla Hamdok, agradeceu a Trump por assinar a ordem executiva para remover o Sudão da lista de terrorismo e disse em um comunicado que espera concluir o processo “em tempo hábil”.

O acordo de normalização estava em andamento há algum tempo, mas foi finalizado quando a equipe de paz de Trump no Oriente Médio, liderada por Jared Kushner e Avi Berkowitz, visitou a região no início desta semana para marcar o primeiro voo comercial entre Israel e Bahrein e depois foi para o Emirados Árabes Unidos, segundo autoridades americanas.

Ao contrário do Bahrein e dos Emirados Árabes Unidos, existe um estado de hostilidades entre o Sudão e Israel, mesmo que eles não tenham estado em conflito direto.

A chave para o acordo foi o depósito do Sudão de US $ 335 milhões em uma conta de custódia para pagar indenização às vítimas dos atentados de 1998 às embaixadas dos EUA no Quênia e na Tanzânia. Um alto funcionário dos EUA disse que o Sudão havia emprestado o dinheiro necessário para pagar essa quantia.

O que não foi mencionado na declaração conjunta foi que o Sudão concordou, de acordo com o alto funcionário dos EUA, em listar o movimento Hezbollah do Líbano como uma organização terrorista, algo que Israel há muito busca de seus vizinhos e de outros membros da comunidade internacional.

Kushner disse que outros acordos de normalização entre Israel e as nações árabes estão em andamento, mas não prevê quais países ou quando esses negócios poderão ser concluídos.

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites