Redes Sociais

Mundo

Trump põe fim a “sonho otomano” de Erdoğan

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: AFP

A Turquia islâmica de Recep Tayyip Erdoğan está alimentando conflitos em regiões já instáveis ​​do sul do Cáucaso, onde o Azerbaidjão e a Armênia entraram em guerra, e também no Golfo e Mediterrâneo Oriental. Mas os Estados Unidos não permitirão que o sonho do ditador turco de estabelecer um “novo império otomano” se concretize.

O Governo Trump está punindo as ações condenáveis do líder turco por meio de medidas diplomáticas, implantações militares e restrições à exportação de defesa.

No que parece ser uma ofensiva americana contra o regime de Erdoğan, o governo marroquino aprovou uma emenda ao Acordo de Livre Comércio (TLC) Marrocos-Turquia. Esta alteração não é menos do que uma punição imposta à Turquia. O Marrocos aumentou as tarifas de 12.000 produtos turcos em até 90%. Essas tarifas mais altas foram impostas poucos dias depois que o Secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, assinou um acordo militar com o país do norte da África.

A última oferta americana para exercer mais influência no Norte da África, portanto, trouxe custos significativos para a conturbada economia da Turquia. Mas essa não é a única medida tomada pela Casa Branca para reduzir a influência de Erdoğan. Os EUA estão silenciosamente penalizando a Turquia por cada agressão do Sul do Cáucaso ao Mediterrâneo Oriental.

Recentemente, os senadores americanos pediram a imposição de sanções à Turquia, após relatos locais gregos afirmando que a Turquia ativou seu Sistema de Defesa Aérea S-400 de fabricação russa e rastreou aeronaves F-16 gregas retornando do exercício multilateral em 27 de agosto.

Os EUA têm usado constantemente o uso turco do Sistema de Defesa Aérea Russo para punir Ancara. Recentemente, também foi relatado que quatro membros do Congresso dos EUA bloquearam, individual ou coletivamente, qualquer venda de defesa para Ancara nos últimos dois anos. Laços amargurados levaram a Turquia a ser expulsa do programa de caça de ataque conjunto F-35. O pretexto de bloquear as vendas de defesa americana para a Turquia estava novamente pressionando Ancara a desistir do Sistema de Defesa Aérea fabricado na Rússia.

Mas a ofensiva americana contra a Turquia não se limita apenas às exportações de defesa. No Mediterrâneo Oriental, os EUA estão apoiando seus aliados – Chipre e Grécia, ambos sendo intimidados pela Turquia de Erdoğan.

No mês passado, Washington decidiu suspender parcialmente o embargo de armas de décadas ao Chipre, uma das maiores vítimas do expansionismo turco e beligerância no Mediterrâneo Oriental. Ancara, que dividiu violentamente Chipre em 1974, é responsável pela maioria das desgraças do país insular hoje.

Quanto à Grécia, o Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse no dia 6 de outubro que os EUA enviarão o navio da Marinha, o Hershel “Woody” Williams para uma base grega-americana, a apenas 965 Km da costa da Turquia. A implantação que foi anunciada durante a visita de Mike Pompeo à Grécia tinha como alvo direto a Turquia, que está travada em um impasse com a Grécia no Mediterrâneo Oriental.

Os EUA têm observado que a Turquia sempre abre uma nova frente. Como ocorreu recentemente no conflito Azerbaidjão-Armênia, na disputada região de Nagorno-Karabakh. A Turquia tem apoiado o Azerbaidjão com jihadistas sírios e refugiados na ofensiva em curso contra a Armênia, mas os EUA estão assumindo uma posição clara contra a Turquia.

Pompeo dirigiu duras críticas à Turquia por causa das alegações de jihadistas sírios enviados ao Azerbaidjão. O principal diplomata americano disse: “Nós vimos que combatentes sírios estão sendo levados dos campos de batalha na Síria para a Líbia”. Ele também disse que isso “criou mais instabilidade, mais turbulência, mais conflito, mais luta, menos paz”. Sem mencionar a Turquia, Pompeo também pediu a “terceiros” que fiquem fora do conflito de Nagorno-Karabakh.

Os EUA são claros em sua abordagem de não permitir que o líder turco faça o que quer com a beligerância islâmica. Depois de Ancara converter a antiga Basílica de Santa Sofia em uma mesquita, Pompeo havia dito: “Os Estados Unidos veem uma mudança no status da Santa Sofia como uma diminuição do legado deste edifício notável e sua capacidade insuperável – tão rara no mundo moderno – de servir à humanidade como uma ponte muito necessária entre aqueles de diferentes tradições religiosas e culturas”.

Os Estados Unidos estão deixando cada vez mais claro que não hesitam em punir o regime de Erdoğan por seus crimes. Ancara começou a guerrear em várias frentes e está sendo punida em cada uma delas por Washington.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites