Redes Sociais

Últimas

Trump declara guerra aos cartéis de drogas mexicanos

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: AFP

O presidente Donald Trump decidiu encurtar as rédeas. Os cartéis de drogas mexicanos em breve serão considerados uma organização terrorista pelos Estados Unidos.

Trump anunciou seus planos em uma conversa com o radialista conservador e ex-FOX News, Bill O’Reilly. Este último sugeriu ao presidente bombardear os cartéis de drogas com drones, assim como é feito com as organizações terroristas.

Trump respondeu que estava pensando na luta contra os cartéis há três meses.

“Perdemos 100.000 pessoas todos os anos por causa do que acontece no México e de onde vêm as drogas”, disse o presidente.

Trump disse que havia oferecido ao presidente mexicano, Andres Manual Lopez Obrador, o envio de tropas americanas “para limpar as coisas”. Essa oferta foi recusada.

Dezenas de milhares de mexicanos foram mortos por milícias antidrogas nos últimos anos.

Nos Estados Unidos, um grupo de americanos mórmons foi emboscado no estado de Sonora. Seis crianças e três mulheres foram brutalmente mortas.

Trump agora quer declarar guerra a cartéis notórios. Se eles receberem legalmente o status de organização terrorista, certamente terá consequências. Os americanos poderão decidir realizar ataques com drones no território mexicano. Os líderes dos cartéis poderão ser liquidados, como é o caso dos terroristas muçulmanos no Afeganistão.

As palavras de Trump não soaram bem ao México. O ministro das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, disse imediatamente que seu país nunca aceitará que a soberania mexicana seja afetada pela interferência americana. De acordo com o ministro, o próprio México estava na vanguarda da luta contra o crime organizado de drogas, e a cooperação com os americanos foi importante para isso.

“Nossos problemas serão resolvidos pelo próprio México, o país não quer interferência militar externa”, disse Ebrard.

A questão é se o México pode suportar a violência dos cartéis, que possuem equipamentos militares pesados.

Somente nesta semana, 13 policiais foram mortos no estado de Michoacán. Em outubro, centenas de membros de gangues do cartel de Sinaloa tomaram a cidade de Culiacán e forçaram as autoridades locais a libertar o traficante Ovidio Guzmán, filho de Joaquin Guzmán, o infame Él Chapo, chefe do cartel.

A guerra às drogas mexicana já dura 40 anos. Inúmeros livros foram escritos e filmes sobre o quanto os criminosos compraram o poder nas organizações estatais. Estima-se que pelo menos 3.200 policiais e soldados foram mortos. O número de vítimas civis é estimado em 35.000.

Os cartéis faturam bilhões com o contrabando de drogas para os Estados Unidos e Europa. Eles crescem subornando políticos, juízes e policiais. O mais conhecido é o Cartel de Sinaloa, fundado na década de 1980 e o principal fornecedor de cocaína, heroína e drogas leves para o mercado americano.

Joaquin Guzmán (Él Chapo), que finalmente foi condenado nos EUA este ano, era o grande chefe e, portanto, uma das pessoas mais ricas do mundo. Sob Guzmán, o cartel de Sinola travou guerras completas contra gangues rivais.

O cartel de Jalisco é uma organização extremamente agressiva e, por exemplo, possui mísseis antiaéreos com os quais um helicóptero do exército foi abatido. O Jalisco controla o mercado de exportação de drogas sintéticas. O líder é Ruben Oseguera, um ex-policial. Pela sua cabeça há uma recompensa de 10 milhões de dólares. Jalisco acumulou ativos de mais de 20 bilhões de dólares.

Além disso, o cartel de Tamaulipas está ativo ao longo da fronteira americana desde tempos imemoriais. Este cartel recrutou comandos no exército mexicano e coopera com gangues de drogas colombianas. O líder, Osiel Cardenas, está cumprindo uma longa sentença de prisão nos Estados Unidos.

A última grande organização é chamada Cartel Los Zetas e também tem muitos ex-soldados corruptos do exército mexicano em suas fileiras. Os zetas atuam no tráfico de drogas, armas e humano. Os membros da gangue são notórios por sua crueldade. Eles torturam, mutilam e decapitam suas vítimas.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites