Redes Sociais

Coreia do Norte

Secretário de Defesa dos EUA chama programa de mísseis nucleares da Coreia do Norte de “séria ameaça”

Thaís Garcia

Publicado

em

KCNA via KNS/AFP

Pyongyang revelou recentemente mísseis balísticos intercontinentais nunca vistos, o que levou o Secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, a qualificar os programas nucleares e de mísseis da Coreia do Norte como uma potencial ameaça global.

“Concordamos que os programas nucleares e de mísseis balísticos da Coreia do Norte continuam sendo uma séria ameaça à segurança e à estabilidade da região e do mundo”, afirmou Esper durante uma reunião em 14 de outubro com o ministro da Defesa sul-coreano, Suh Wook, conforme relatado pela Reuters.

Durante o desfile militar da Coreia do Norte em 10 de outubro, o regime apresentou um novo míssil balístico intercontinental (ICBM), levantando preocupações para vários observadores ocidentais. Autoridades sul-coreanas também estavam bastante preocupadas com os novos sistemas de foguetes de lançamento múltiplo (MLRS) desenvolvidos pelo regime norte-coreano, bem como com mísseis de curto alcance manobráveis ​​que atingiriam facilmente alvos sul-coreanos.

Contrastando com as preocupações de Esper, o Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse a repórteres na semana passada que os ICBMs são considerados de risco reduzido até que os testes em Pyongyang verifiquem se o míssil está funcionando. Pompeo também creditou a política de engajamento do presidente americano Donald Trump pelo risco reduzido.

“Os norte-coreanos, no ano passado, fizeram exatamente zero testes de mísseis balísticos intercontinentais”, disse Pompeo aos repórteres. “O mesmo aconteceu no ano anterior. Portanto, o acordo com a Coreia do Norte, os entendimentos, embora não tenham alcançado o objetivo final, certamente levaram a uma redução dos riscos para os Estados Unidos em comparação com o que seria se tivéssemos seguido o caminho do governo anterior”, disse Pompeo.

Esper também disse que os Estados Unidos e a Coreia do Sul precisam fazer um trabalho melhor para dividir os custos de defesa da República da Coreia para que “não recaia de forma desigual sobre os contribuintes americanos”.

“Os Estados Unidos continuam comprometidos com a segurança da República da Coreia”, acrescentou Esper.

Os comentários de Esper ecoaram as repetidas declarações do Presidente Donald Trump de que Seul deveria arcar com mais do ônus financeiro do custo das tropas americanas estacionadas na Coreia do Sul.

“A Coreia do Sul é uma nação muito rica. Eles fazem nossos aparelhos de televisão, fazem navios, fazem tudo. E eu dou a eles grande crédito. Nós os defendemos há muitas e muitas décadas”, disse Trump durante uma coletiva de imprensa em abril. “Já os procurei no passado. No ano passado fui até eles, agora eles estão pagando um bilhão de dólares por ano, e eu fui até eles novamente e disse: ‘Olha, eu voltarei porque isso é apenas uma fração.’ ”

“Novamente, o relacionamento é ótimo, mas simplesmente não é um relacionamento justo”, disse Trump na época.

Quase 30.000 soldados americanos estão estacionados na Coreia do Sul. A presença militar é vista como um aviso para Pyongyang, bem como um sinal para a China sobre a influência dos Estados Unidos na região.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites