Redes Sociais

Mundo

Rússia pede 6 anos de prisão para jornalista e a coloca na lista oficial de “terroristas e extremistas” do país

“A repressão está se desenvolvendo gradualmente”, disse Prokopyeva

Thaís Garcia

Publicado

em

Reprodução

Promotores russos exigiram nesta sexta-feira (3) que uma jornalista seja sentenciada a seis anos de prisão por supostamente publicar um artigo de opinião que “justificava o terrorismo”, em um caso que atraiu indignação de apoiadores e grupos de direitos humanos, informou a AFP.

Svetlana Prokopyeva, que mora na cidade de Pskov, no noroeste da Rússia, e trabalha para o RFE/RL como colaboradora freelancer, foi acusada de “justificar publicamente o terrorismo” depois de escrever um comentário sobre um ataque a bomba em 2018.

Em novembro de 2018, um anarquista de 17 anos se explodiu no saguão de um edifício do Serviço Federal de Segurança (FSB) em Arkhangelsk, no norte da Rússia, ferindo três membros do serviço. O FSB é um serviço militar, tal como as forças armadas, mas seus membros geralmente não usam uniformes militares.

No artigo de opinião de Prokopyeva, de 40 anos de idade, a jornalista ligou o atentado suicida do adolescente ao clima político do presidente russo Vladimir Putin.

Seis meses após a publicação de seus comentários, comandos policiais armados invadiram seu apartamento e apreenderam seu computador e uma quantia em dinheiro poupado durante uma busca.

Prokopyeva também foi colocada na lista oficial da Rússia de “terroristas e extremistas”.

A jornalista negou as acusações, chamando-as de punição por seu trabalho.

Falando do tribunal, Prokopyeva disse nesta sexta-feira (3) que a promotoria exigia que ela fosse sentenciada a seis anos de prisão e proibida de trabalhar como jornalista por quatro anos.

“Isso é vingança por críticas duras”, disse ela à AFP.

Durante sua última declaração, Prokopyeva disse que não tinha medo de criticar o Estado.

“O poder do Estado que acabou nas mãos de pessoas cínicas e cruéis se torna a ameaça mais séria à segurança das pessoas”, disse ela.

“Sem liberdade de expressão, uma repressão a vozes dissidentes pode piorar ainda mais”, acrescentou.

“A repressão está se desenvolvendo gradualmente”, disse Prokopyeva. “É impossível prever quando os limites de liberdade e perseguição de dissidentes se transformarão em campos de concentração e execuções”.

Na segunda-feira (6), o tribunal deve anunciar seu veredicto no julgamento extremamente controverso.

Precedente perigoso

A empregadora de Prokopyeva disse que a jornalista fez o oposto do que os promotores alegam.

“O comentário de Svetlana foi um esforço para explicar uma tragédia”, disse a presidente em exercício da RFE/RL, Daisy Sindelar, em um comunicado.

“O retrato de suas palavras como ‘promoção do terrorismo’ é uma distorção deliberada e politicamente motivada, que visa silenciar sua voz crítica, e lembra os piores julgamentos de um dos períodos mais sombrios da Rússia”, acrescentou Sindelar.

Os Repórteres Sem Fronteiras pediram à Rússia que rejeitasse o caso.

“Svetlana Prokopyeva só fez o seu trabalho”, disse Jeanne Cavelier, chefe da agência de vigilância da Europa Oriental e Ásia Central.

“Isso seria um precedente perigoso para todos os jornalistas russos”.

Em junho, a Human Rights Watch disse que, com as taxas de absolvição russas abaixo de 1%, “existe um risco real de que o tribunal possa condenar Prokopyeva”.

A jornalista e ativista Ilya Azar pediu aos apoiadores que protestassem contra “esse caso insano”, realizando protestos perto da sede de Moscou do serviço de segurança FSB na sexta-feira (3).

Nos últimos anos, as autoridades russas desencadearam uma ofensiva contra críticos, incluindo jornalistas cada vez mais pressionados por restrições à liberdade de expressão.

Nesta semana, Putin, que está no poder há duas décadas, supervisionou uma votação nacional controversa que lhe permite estender seu poder até 2036.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites