Redes Sociais

Coronavírus

Revista Nature publica pesquisa de cientistas holandeses que descobriram anticorpo que bloqueia coronavírus nas células

“47D11” é o primeiro anticorpo que consegue bloquear a infecção

Thaís Garcia

Publicado

em

Dr. Frank Grosveld e Dr. Berend Jan Bosch.

Cientistas holandeses da Universidade de Utrecht, do Erasmus Medical Center e do Harbor BioMed (HBM) relataram que identificaram um anticorpo monoclonal totalmente humano, o “47D11”, que impede o vírus da SARS-CoV-2 de infectar células cultivadas.

A descoberta publicada online nesta segunda-feira (4) na Nature Communications, é um passo inicial para o desenvolvimento de um anticorpo totalmente humano para tratar ou prevenir a doença respiratória COVID-19, causada pelo coronavírus chinês SARS-CoV-2.

A pesquisa do Prof. Frank Grosveld (Universidade Erasmus) e do Dr. Berend Jan Bosch (Universidade de Utrecht) já estava online no BioRxiv desde 12 de março, como noticiado pelo Conexão Política, mas agora foi realmente publicada pela renomada revista científica Nature. Os dois principais pesquisadores holandeses trabalharam com uma equipe de cientistas internacionais.

O anticorpo “47D11” pode ajudar a detectar e prevenir a infecção por coronavírus chinês. O anticorpo ativo é o primeiro do mundo contra o coronavírus chinês SARS-CoV-2, segundo o professor Grosveld.

Projeto que levou à descoberta

Em parceria com o Departamento de Virologia da Erasmus MC e o departamento de Medicina Veterinária de Virologia da Universidade de Utrecht, o professor Grosveld desenvolveu um projeto europeu: o ZAPI (Iniciativa de Antecipação e Preparação para o Zoonosex). O objetivo era desenvolver anticorpos contra MERS, SARS e outro coronavírus de Hong Kong (OC-43). Nesse projeto, eles encontraram anticorpos que reagiram de maneira cruzada com esses três vírus diferentes e impediram a infecção.

“Há quinze anos, iniciei um projeto como ‘hobby’ para ver se poderíamos produzir anticorpos humanos (proteínas produzidas em resposta a antígenos como vírus) em camundongos. O projeto deu certo e acabou levando ao estabelecimento de uma empresa na Universidade Erasmus MC: a Harbor Antibodies BV. Agora, temos escritórios em Xangai, Boston e Roterdã, onde está localizada a filial de inovação. Eles desenvolvem principalmente anticorpos para curar tumores”, disse Grosveld.

“Mas esses vírus já foram contidos, agora estamos lidando com um vírus corona diferente. No estudo anterior, ainda tínhamos anticorpos não testados no refrigerador que não reagiram com as três mutações, mas com SARS1. Quando a crise atual – do SARS2 – eclodiu, testamos imediatamente se os anticorpos que reagiram com o SARS1 também respondem ao SARS2. Então, encontramos o anticorpo agora publicado!”, explica Grosveld.

O anticorpo “47D11” combate o coronavírus atual. Segundo Grosveld, o 47D11 ataca as proteínas do lado de fora do vírus, com as quais o coronavírus chinês normalmente entra nas células humanas – o que não é mais possível.

Potencial medicamento

A descoberta decorre de um bom trabalho preliminar, mas também tem a ver com uma parte da sorte, admite o professor Grosveld. No entanto, ele está orgulhoso.

“Este é o primeiro anticorpo que consegue bloquear a infecção. Encontrar algo assim acontece raramente. Durante minha carreira, trabalhei muito na regulação de genes: como os genes são ligados e desligados, qual é a estrutura do nosso genoma. Felizmente, também pude fazer várias descobertas, e tive a sensação de que agora estamos realmente um passo adiante. Mas essa pesquisa era principalmente sobre insight e era de interesse científico. Este anticorpo tem uma aplicação concreta”, disse Grosveld.

Por enquanto, apenas os primeiros testes foram concluídos. Acredita-se que o anticorpo 47D11 torne o coronavírus chinês inofensivo em humanos, é esperado, mas ainda não está claro se ele realmente se trata de um medicamento. Todos os tipos de novos testes seguirão. Grosveld está otimista.

“Mas é claro que prevenir é melhor do que remediar. Uma solução real é, portanto, uma vacina, outros estão trabalhando nisso”, disse Grosveld.

Pesquisas adicionais

Segundo Grosveld, essa descoberta fornece uma base sólida para pesquisas adicionais para caracterizar o anticorpo “47D11” e iniciar o desenvolvimento como um potencial tratamento para a covid-19.

“O anticorpo usado neste trabalho é ‘totalmente humano’, permitindo que o desenvolvimento prossiga mais rapidamente e reduzindo o potencial de efeitos colaterais relacionados ao sistema imunológico. Os anticorpos terapêuticos convencionais são desenvolvidos primeiro em outras espécies e, em seguida, devem ser submetidos a trabalho adicional para ‘humanizá-los'”, explicou Grosveld..

O anticorpo 47D11 foi gerado usando a tecnologia de mouse transgênico H2L2 da Harbor BioMed.

“Esta é uma pesquisa inovadora. No entanto, ainda é necessário muito mais trabalho para avaliar se esse anticorpo pode proteger ou reduzir a gravidade da doença em humanos.

A equipe de cientistas espera avançar no desenvolvimento do anticorpo com os parceiros. Eles acreditam que a sua descoberta pode contribuir para atender à necessidade de saúde pública mais urgente e continuam buscando várias outras vias de pesquisa.

“Agora estamos tentando obter um produto farmacêutico – que parece bom, a propósito – que pode produzir o anticorpo em larga escala como medicamento”, acrescentou Grosveld.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites