Redes Sociais

Últimas

República Tcheca rejeita fortemente a redistribuição de migrantes

Thaís Garcia

Publicado

em

República Tcheca rejeita fortemente a redistribuição de migrantes 21
Imagem: © REUTERS

O primeiro-ministro tcheco, Andrej Babis, reiterou mais uma vez que a República Tcheca rejeita fortemente a redistribuição de migrantes e recusará novas iniciativas para promulgar um sistema de cotas de migrantes para os estados membros da UE.

No início deste mês, a Alemanha propôs outro plano para reformar os procedimentos de asilo para os chamados “migrantes irregulares” que chegam à Europa. O plano permitirá que os migrantes sejam registrados e distribuídos entre os países membros da UE enquanto ainda estão fora das fronteiras do bloco, informou o jornal tcheco Lidovky.

“Rejeitamos fundamentalmente a redistribuição de migrantes, rejeitamos cotas de qualquer maneira”, disse Babis.

O chefe de Estado tcheco também enfatizou que o governo continuará colocando as necessidades do povo tcheco antes das necessidades dos imigrantes ilegais.

“Rejeitamos a migração ilegal por uma questão de princípio. Também rejeitamos que os contrabandistas decidam quem vai morar na Europa. Rejeitamos cotas. Não entendo por que há constantemente alguém trazendo esse tópico para a mesa de negociações. Espero que isso pare na nova Comissão Europeia ”, disse Babis.

Os sentimentos de Babis foram ecoados pelo ministro do Interior da República Tcheca e vice-primeiro-ministro, Jan Hamacek, que disse que seu país continuaria a exercer posições sobre migração ilegal que estão alinhadas com seus parceiros em Visegrad – Hungria, Polônia e Eslováquia.

“Ministros da Eslováquia, Polônia, Hungria e República Tcheca confirmaram sua abordagem comum no assunto na semana passada”, disse Jan Hamacek .

No ano passado, a Comissão Europeia processou a República Tcheca, a Hungria e a Polônia em um tribunal da União Europeia por se recusar a aderir a um sistema anterior de cotas de redistribuição de migrantes aprovado pelos Estados membros. Na opinião do advogado-geral do Tribunal, os países em causa violaram as suas obrigações nos termos do direito da UE.

A nova proposta da Alemanha para uma discussão mais ampla sobre o assunto deve ser entregue aos ministros do Interior da UE em Bruxelas nesta semana.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites