Redes Sociais

Mundo

Recado à China: Austrália e Índia buscam estreitar os laços nas áreas de defesa, comércio e educação

Thaís Garcia

Publicado

em

O primeiro-ministro da Austrália Scott Morrison e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, se reúnem nesta quinta-feira (4) e devem assinar um acordo sobre acesso recíproco a bases militares.

O líderes buscarão estreitar os laços nas áreas de defesa, comércio e educação durante sua primeira “cúpula virtual”, em meio às crescentes tensões comerciais entre Austrália e China, e das disputas militares na fronteira com o Himalaia entre Índia e China.

Espera-se que os dois países assinem um acordo que conceda acesso recíproco às bases militares para apoio logístico e acordos para desenvolver novas cadeias de suprimentos em setores importantes, como terras raras e minerais, além de discutir cooperação no gerenciamento da pandemia de coronavírus chinês,, educação e recursos marítimos.

É provável também que o líder australiano reitere o desejo da Austrália de se juntar aos exercícios navais anuais de Malabar envolvendo os EUA e o Japão, aos quais a Índia até agora resistiu por consideração à China.

O primeiro-ministro australiano, que cancelou sua viagem inaugural à Índia em janeiro em meio à crise de incêndios em seu país, disse no domingo (31) que as duas “democracias com ideias semelhantes e parceiros estratégicos naturais acreditavam que laços fortes são a chave para um Indo-Pacífico mais aberto e próspero”- considerando as suspeitas, compartilhadas pelos dois países, em relação às crescentes ambições marítimas chinesas.

Acordo

A assinatura do título do Acordo de Apoio Logístico Mútuo durante a cúpula “permitiria que navios australianos e indianos reabastecessem nos portos uns dos outros, facilitando exercícios conjuntos ou até patrulhas muito mais fáceis”, disse Ian Hall, um acadêmico da Universidade de Melbourne do Instituto Austrália-Índia.

“O acordo também sinaliza a Pequim que os aspectos de defesa e segurança da parceria estratégica bilateral ainda estão sendo reforçados.”

Retaliações e provocações chinesas

No início deste mês, a China estipulou uma tarifa de 80% na cevada australiana e suspendeu as importações de quatro matadouros australianos, em medidas amplamente vistas como retaliação ao esforço da Austrália por uma investigação internacional independente sobre as origens e a disseminação do coronavírus chinês.

As medidas foram tomadas depois que o embaixador chinês no país, Cheng Jingye, reclamou de um possível “boicote” às mercadorias e universidades australianas, onde os estudantes chineses compõem mais de 1 em cada 10 matrículas.

A China negou as acusações de retaliação econômica contra exportadores australianos, que enviam mais de um terço de seus produtos para o país, alegando que as medidas comerciais foram tomadas em resposta a “violações de quarentena e inspeção e práticas comerciais desleais”.

Além das tensões comerciais com a Austrália, a China e a Índia estão há semanas em um impasse geopolítico na fronteira. Fontes militares indianas acusaram a China de ocupar território indiano em meio a um grande aumento militar de ambos os lados. Pequim negou a acusação.

A Índia também se preocupa com as crescentes reivindicações expansivas chinesas no Mar da China Meridional.

O Mar da China Meridional faz parte do Oceano Pacífico e está situado ao sul da China, entre o Vietnã, a Malásia e as Filipinas.

Novo impulso

“As relações da Índia com a Austrália estão em alta e devem se fortalecer, com base na convergência de valores e interesses”, disse Hemant Krishan Singh, diretor geral do Delhi Policy Group e ex-embaixador indiano no Japão, Indonésia e Colômbia.

“A cúpula deve dar mais impulso aos esforços destinados a manter uma ordem baseada em regras no Indo-Pacífico e melhorar a cooperação de segurança no Oceano Índico”, disse Singh.

Quanto às relações comerciais, a Austrália gostaria que a Índia liberalizasse mais o comércio para dar aos produtores australianos maior acesso ao mercado indiano. De acordo com os últimos dados, o comércio bidirecional da Austrália com a Índia chegou a cerca de US $ 20 bilhões em 2019, uma fração do seu comércio de US $ 200 bilhões com a China.

O governo Modi parece estar disposto a avançar nessas liberações, e assim, estabelecer um longo jogo de tentar fazer o possível para impulsionar o comércio e o investimento entre os países.

 

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites