Redes Sociais

Europa

Rebeliões e caos em prisões na Itália por causa de medidas para conter o coronavírus

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: © AFP/Getty Images

Neste domingo (8), prisioneiros em quatro prisões italianas iniciaram uma rebelião contra as novas regras introduzidas para conter o surto do vírus corona, como a proibição de visitas de familiares. Seis detentos foram mortos, guardas foram feitos reféns e feridos, segundo a agência de notícias italiana ANSA.

Os prisioneiros iniciaram rebeliões em prisões em Nápoles, no sul, Modena, no norte, Frosinone ao centro e em Alexandria, no noroeste do país.

O governo da Itália impôs um bloqueio em grande parte de suas ricas regiões do norte, no epicentro do contágio, em um esforço para conter um vírus que no domingo havia matado 366 pessoas.

Em uma entrevista na TV, o chefe da administração penitenciária da Itália, Francesco Basentini, disse que 3 presos morreram dentro de uma prisão na cidade de Modena, no norte, e outros 3 morreram depois de serem transferidos para longe da prisão.

“Houve uma série de rebeliões em todo o país”, disse Basentini.

O Ministério da Justiça disse que incêndios foram realizados em várias prisões, causando danos graves.

O sindicato dos guardas prisionais Sappe disse que dois guardas foram feitos reféns na cidade de Pavia, no norte, e foram libertados após uma batida policial.

Em um decreto de emergência no domingo (8), o governo impôs limites ao contato direto entre os presos e suas famílias. Os presos poderão entrar em contato com os visitantes por telefone ou outros métodos remotos sob as medidas, vigentes até 22 de março.

Modena e Pavia estão dentro da zona vermelha que o governo estabeleceu para limitar o contágio do coronavírus.

Em Modena, perto de Bolonha, 2 guardas da prisão foram feridos e cerca de 20 funcionários foram forçados a deixar a prisão após o tumulto dos prisioneiros. A prisão agora é guardada por policiais, segundo a agência de notícias ANSA. Não houve fugas.

Fontes do Ministério da Justiça disseram que as duas mortes em Modena foram causadas por uma overdose de drogas encontradas nas enfermarias da prisão, enquanto um terceiro prisioneiro foi encontrado morto, mas a causa da morte ainda não está clara.

A polícia de choque respondeu aos tumultos em Nápoles. (Foto: Backgrid)

 

Em Frosinone, ao sul de Roma, a polícia teve que restaurar a ordem, depois que cerca de 100 prisioneiros se amontoaram atrás de barricadas em parte da prisão.

Parentes de alguns dos prisioneiros de Poggioreale, um subúrbio de Nápoles, se reuniram do lado de fora da prisão para apoiá-los.

O líder de direita da Liga, Matteo Salvini, disse: “Os portões das prisões não devem ser abertos com a desculpa das revoltas”.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites