Redes Sociais

Últimas

Procurador preso pela Lava Jato defendeu jatinho para Pezão voar sem ser xingado

Marcos Rocha

Publicado

em

José Lucena | Estadão Conteúdo

Identificado no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht como “gordinho”, o procurador Renan Miguel Saad foi citado pela primeira vez na Lava Jato no final de março de 2017, quando foi deflagrada Operação Quinto do Ouro , que mandou prender cinco dos sete conselheiros do Tribubal de Contas do Estado (TCE-RJ), acusados de terem recebido 1% de propina sobre o valor dos contratos de obras para não incomodar as empreiteiras.

O procurador, preso nesta segunda-feira, foi delatado pelo ex-diretor de contratos da Odebrecht Marcos Vidigal do Amaral, que o acusou de ter recebido R$ 300 mil para dar parecer em dezembro de 2009/2010 sobre a Linha 4.

Na época, Saad afirmou que iria processar o delator e solicitou à Corregedoria a abertura de procedimento administrativo, alegando que seus atos obedeceram a “padrões éticos e regimentais”.

Como procurador do Estado, Saad atuou em defesa do ex-governador Luiz Fernando Pezão , também preso pela Lava-Jato, em 2018, no pedido do ex-governador para que fosse realizada uma licitação de R$ 2,5 milhões para que Pezão se locomovesse em um jatinho particular para “evitar episódios de hostilidade” dirigidos a ele, além de “assegurar a sua integridade física”.

O TCE-RJ rejeitou o pedido por três vezes e considerou que os casos citados pelo Estado constituem situações de “desconforto”, e que não justificam o aval para a licitação.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

FALE COMIGO: [email protected] | Editor-chefe do Conexão Política | Residente e natural de Campo Grande/MS

alan correa criação de sites