Redes Sociais

Japão

Primeiro-ministro japonês deixa clara sua oposição à visita de Xi Jinping ao Japão: está quase cancelada

Thaís Garcia

Publicado

em

Em abril deste ano, o ditador chinês Xi Jinping deveria ir a Tóquio em uma visita oficial ao Japão, para manter conversações sobre uma série de questões, incluindo disputas de fronteira, comércio, investimento e segurança da região. No entanto, antes que Xi pudesse pôr os pés em na capital japonesa, o coronavírus chinês fez com que a visita fosse adiada.

Agora, com o relaxamento das restrições na China e no Japão, o ditador chinês está procurando uma nova data para sua visita oficial ao Japão. No entanto, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, não parece tão interessado em receber o líder comunista.

Desde o surto de coronavírus chinês, a ordem internacional mudou drasticamente. Antes da pandemia, a China era a segunda nação mais poderosa, com muitos aliados e simpatizantes em todo o mundo. Mas, quando os países se conscientizaram do fato de o governo comunista chinês ser cúmplice em trazer a pior crise de saúde pública em séculos, e com consequências desastrosas às economias mundiais, a China ficou com poucos amigos e aliados.

De fato, o relacionamento da China com os países vizinhos está piorando devido à sua atitude expansionista em meio à pandemia. O ditador Xi Jinping agora é intocável para qualquer chefe de Estado, dada a revolta das pessoas comuns contra o governo comunista chinês.

Além disso, qualquer país que seja visto como aliado ou simpatizante à China corre o risco de enfrentar a ira dos EUA e seus aliados, como é visto no caso da Alemanha. O Governo Trump cancelou 25% das tropas americanas estacionadas na Alemanha, um importante aliado da OTAN, pois a chanceler alemã Angela Merkel foi vista como “aliada” de Xi Jinping.

Portanto, Abe, que enfrentará as eleições parlamentares no próximo ano, quer evitar ser visto no palco com Xi Jinping. Parece que, para garantir que Xi Jinping cancele a visita, o governo de Abe está fazendo de tudo para se distanciar da China. O Japão começou com um plano de US $ 2,2 bilhões para pagar às empresas japonesas sediadas na China para se mudarem.

O último passo para o distanciamento da China foi a mensagem de Abe de que o Japão assumirá a liderança entre os países do G7 (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Canadá, Alemanha, Japão e Itália) na elaboração do plano da China de impor a lei de Segurança Nacional em Hong Kong. “O Japão quer liderar os países do G7 ao emitir uma declaração [conjunta] baseada na premissa do princípio ‘um país, dois sistemas'”, disse Abe ao parlamento.

Com uma postura agressiva contra a China, Abe está tentando “matar dois coelhos com uma cajadada só”. A postura contra a China forçaria Xi Jinping a cancelar sua visita ao Japão e impedir Abe de ser visto no palco com o ditador comunista chinês. Dada a rivalidade Japão-China, que só aumentou após a eclosão da pandemia, uma postura agressiva contra o dragão ajudaria Abe nas eleições parlamentares no próximo ano.

E, o mais importante, Abe e o Japão seriam vistos com bons olhos por Donald Trump, que já criticou o Japão por não pagar a conta da segurança e ter um superávit comercial.

Abe destacou os valores compartilhados do grupo G7 como liberdade, democracia. O G7, que “agrupa países que compartilham valores universais como liberdade, democracia e estado de direito, tem a missão de liderar a opinião pública global”, afirmou ele em discurso ao parlamento.

De acordo com uma reportagem do South China Morning Post, o principal jornal inglês de Hong Kong, a visita de Xi Jinping ao Japão ‘dificilmente será realizada’, pois o clima se agrava com a China.

“Desenvolvimentos recentes em Hong Kong, o surto de Covid-19, a diplomacia chinesa e a questão de longa data das [disputadas] Ilhas Senkaku, tudo isso contribuiu para a opinião muito negativa do público japonês em relação à China. Não é um bom momento para recebermos a visita de Xi “, citou um diplomata japonês.

O Ministério das Relações Exteriores da China já expressou “grave preocupação” com a declaração de Abe. E uma vez que o Japão divulgasse uma declaração forte sobre o plano da China de impor a Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, Pequim provavelmente cancelaria a visita de Estado de Xi Jinping a Tóquio, e Shinzo Abe alcançaria todos os objetivos de uma só vez.

 

alan correa criação de sites