Redes Sociais

Mundo

Presidente do Líbano nomeia o embaixador Mustapha Adib como primeiro-ministro

Thaís Garcia

Publicado

em

O Presidente do Líbano nomeou seu embaixador na Alemanha, Mustapha Adib, como primeiro-ministro. Após sua nomeação, ele imediatamente pediu a formação de um novo governo e reformas.

Mustapha Adib se comprometeu a acelerar a investigação da explosão de Beirute que matou pelo menos 190 pessoas e feriu 6.000. Ele visitou uma área fortemente atingida e conversou com os residentes.

O governo libanês renunciou menos de uma semana após a explosão de 4 de agosto, que foi causada pela ignição de quase 3.000 toneladas de nitrato de amônio armazenadas em um armazém portuário por mais de seis anos.

Adib, 48, disse que implementaria reformas depois de obter 90 votos no parlamento de 128 membros.

Após a votação, Adib visitou o bairro histórico de Gemmayzeh, uma das áreas mais afetadas pela explosão, e conversou com os residentes – algo que nenhum outro político libanês fez.

A reação foi mista, com alguns gritos de “revolução” e exigindo saber como ele pode ser um primeiro-ministro independente quando foi escolhido por partidos políticos.

A informação de sua nomeação veio horas antes de o presidente francês, Emmanuel Macron, chegar para uma visita de dois dias, na qual ele deverá pressionar as autoridades libanesas a formular um novo pacto político para tirar o país de suas múltiplas crises.

Adib disse que formará um gabinete de especialistas e trabalhará com o parlamento para “colocar o país no caminho certo para acabar com a perigosa drenagem financeira, econômica e social”.

“A oportunidade diante de nosso país é limitada, e a missão que aceitei é baseada em todos os grupos políticos perceberem isso”, disse ele.

“As reformas devem ser feitas imediatamente por meio de um acordo com o Fundo Monetário Internacional.”

Macron e outros líderes mundiais, bem como o Fundo Monetário Internacional, recusaram-se a dar assistência ao Líbano antes que ele promulgasse grandes reformas.

A rápida votação para nomear Adib – sinalizou um senso de urgência por parte dos políticos tradicionais do Líbano para tentar conter o rápido agravamento da crise econômica e financeira e mostrar movimento antes da visita de Macron.

O ex-primeiro-ministro Saad Hariri disse que seu bloco de 18 membros deu seu apoio a Adib.

Hariri pediu a formação de um governo de especialistas “que implementem reformas destinadas a restaurar a confiança do mundo em nossa economia para que possamos começar a emergir desta crise”.

Adib, que retornou da Alemanha ao Líbano no sábado (29), foi o único nome a emergir como favorito para o cargo de primeiro-ministro, que, de acordo com o sistema sectário de divisão de poder do Líbano, deve ser um muçulmano sunita.

Adib foi nomeado por quatro ex-primeiros-ministros, incluindo Hariri, na véspera das consultas de segunda-feira (31).

Ele serviu como conselheiro de um dos ex-primeiros-ministros do Líbano, Najib Mikati, e participou do comitê encarregado de redigir a nova lei eleitoral do Líbano em 2005 e 2006, e atuou como chefe do Gabinete em 2011.

Com informações, AP.

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites