Redes Sociais

Brasil

Polícia Federal troca superintendente do Amazonas, que pediu investigação de Salles

Saraiva enviou à Corte uma notícia-crime contra o ministro do Meio Ambiente.

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Marcelo Camargo | Agência Brasil

A Polícia Federal confirmou, por meio de uma nota, a troca do superintendente da corporação no Amazonas.

O texto, veiculado nesta quinta-feira (15), informa que o delegado Alexandre Saraiva deixará o cargo. Desta forma, o novo substituto será o delegado Leandro Almada.

A alteração ocorre um dia após Saraiva ter apresentado notícia-crime contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Na nota divulgada, a PF comunica que que o então superintendente foi informado da substituição na tarde de hoje.

“Em especial, no tocante à alteração da chefia da Superintendência Regional do estado do Amazonas, cumpre esclarecer que o Delegado de Polícia Federal Alexandre da Silva Saraiva, que permaneceu durante três anos e meio à frente da Superintendência, foi comunicado da substituição no decorrer da tarde de ontem (14/04)”, diz o texto.

Entenda o caso

Conforme registrou o Conexão Política nesta última quarta-feira (14), o chefe da Polícia Federal (PF) no estado do Amazonas, Alexandre Saraiva, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

No documento, de 38 páginas, o delegado aponta a possibilidade de ocorrência dos crimes de advocacia administrativa, organização criminosa e o crime de “obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais.”

Para ele, Salles e o senador Telmário Mota (Pros-RR), que também está incluso como alvo da petição, tiveram uma parceria com o setor madeireiro “no intento de causar obstáculos à investigação de crimes ambientais e de buscar patrocínio de interesses privados e ilegítimos perante a Administração Pública.”

Saraiva, inclusive, apontou algumas publicações nas redes sociais de ambos, citando reuniões de Salles.

Já em torno das menções relacionadas ao senador, é evidenciado que o parlamentar faz acusações diretas ao delegado.

Salles e Telmário possuem foro privilegiado. Por esse motivo, a notícia-crime foi enviada ao Ministério Público Federal (MPF) para posterior encaminhamento à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Jornalista, professor e comentarista político. Cobre os bastidores de Brasília no Conexão Política.