Redes Sociais

Mundo

Pesquisadora neozelandesa recebe apoio internacional após ser perseguida por denunciar influência do Partido Comunista Chinês

Thaís Garcia

Publicado

em

NZME

Especialistas internacionais sobre a China escreveram uma Carta Aberta em apoio à cientista política neozelandesa, Anne-Marie Brady, que está sendo perseguida e pode perder seu emprego por ter denunciado como universidades, acadêmicos e empresas podem estar ajudando o Partido Comunista Chinês ao colaborar com agências chinesas em pesquisas de alta tecnologia.

Anne-Marie Sharon Brady, nascida em 1966, é uma cientista política da Nova Zelândia e professora titular da Universidade de Canterbury, especializada em política chinesa e suas políticas nas regiões polares. Um artigo crítico seu sobre as ligações das universidades da Nova Zelândia com a China atraiu reclamações de outras universidades e gerou uma investigação por seu próprio empregador.

Brady, cuja pesquisa sobre os esforços do governo chinês para influenciar as democracias ocidentais conquistou seu reconhecimento internacional, apresentou seu relatório no mês passado como uma submissão complementar ao Comitê Seleto de Justiça do Parlamento neozelandês. Seu artigo, de coautoria de Jichang Lulu e Sam Pheloung, também foi publicado no site de estudos do Wilson Center, com sede em Washington, nos EUA.

O artigo mostra como as universidades e empresas de alta tecnologia da Nova Zelândia estão vinculadas às universidades e empresas chinesas e como elas poderiam ajudar na transferência de tecnologia útil para os militares chineses. Brady diz que a China tem uma estratégia internacional de transferência de tecnologia que inclui intercâmbio acadêmico, investimento em empresas estrangeiras, espionagem e hacking.

Brady está preocupada com o fato de que as informações que uma empresa chinesa detém sobre neozelandeses proeminentes possam estar ligadas a tentativas de influenciar a política e os negócios da Nova Zelândia.

Os acadêmicos da Universidade de Canterbury mencionados no artigo e outros de universidades de outras partes da Nova Zelândia e de outros países reclamaram nos últimos dias das afirmações de Brady. Após as reclamações, a universidade iniciou uma investigação interna.

Investigação interna

Em nota, a universidade afirmou seu apoio “à liberdade de docentes e estudantes, dentro da lei, de questionar e testar a sabedoria recebida, de apresentar novas ideias e de expressar opiniões polêmicas ou impopulares”.

“A Universidade de Canterbury (UC) está respondendo a quatro queixas formais de professores de outras universidades e da UC, desafiando a veracidade das alegações em um artigo publicado pela professora Brady”, disse o documento.

“A UC está levando essas reclamações a sério e iniciou uma revisão acadêmica para testar a veracidade das alegações feitas no artigo publicado, já que a reputação dos acadêmicos está em questão.”

O advogado de Brady, Stephen Franks, está tentando fazer com que a Universidade de Canterbury explique como a investigação se encaixa em seus poderes legítimos.

Brady foi instruída a não fazer comentários públicos sobre a investigação, enquanto ela estiver em andamento.

Apoio internacional à Brady

Nesta semana, dez assessores da Aliança Interparlamentar na China escreveram uma Carta Aberta para expressar “profunda preocupação” com o tratamento à Brady. A aliança é um grupo internacional de parlamentares de países democráticos que estão preocupados com o histórico do PCC em violações de direitos humanos e práticas comerciais.

O artigo de Brady foi aclamado internacionalmente por expor as ligações entre universidades e instituições militares chinesas, disseram os conselheiros, que incluem acadêmicos e ativistas.

“Apesar disso, a professora Brady está sujeita a ameaças e assédio desde sua publicação. As universidades devem orgulhosamente defender o direito de seus acadêmicos de publicar livremente sobre questões controversas.”

Nenhum artigo acadêmico está imune a críticas e os críticos deveriam publicar seus comentários em vez de tentar silenciar o debate, disseram.

“As investigações devem ser abandonadas e um pedido de desculpas completo deve ser feito à Professora Brady. Fazer o contrário encorajaria aqueles que procuram usar bullying, ameaças e assédio para violar os valores da liberdade acadêmica que prezamos.”

Mais especialistas estrangeiros acrescentaram suas vozes aos apelos para que a Universidade de Canterbury se desculpe com sua especialista em China e pare a investigação sobre seu trabalho.

Outra Carta Aberta, pedindo ao empregador de Brady que interrompa a investigação, foi assinada no início deste mês por mais de 160 acadêmicos, muitos dos quais são especialistas em China.

Leia na íntegra a Carta Aberta assinada por mais de 160 especialistas internacionais:

SOBRE:
Esta Carta foi organizada em apoio à Professora Anne-Marie Brady, que está enfrentando uma investigação sobre seu trabalho pela Universidade de Canterbury na Nova Zelândia. Mais de 160 especialistas internacionais em assuntos relacionados à China assinaram esta Carta Pública. Esta ação de apoio foi organizada por Charles Burton, pesquisador sênior do Instituto Macdonald-Laurier &  Centro de Valores Europeus para Política de Segurança (Macdonald-Laurier Institute & European Values ​​Center for Security Policy).

A ação diz respeito ao seguinte relatório:

Relatório da Professora Anne-Marie Brady apresentado ao Comitê de Justiça do Parlamento da Nova Zelândia em julho de 2020: “Segurando uma caneta com uma mão, segurando uma arma na outra

CARTA PARA:
Professora Cheryl de la Rey
Vice-Chanceler
Universidade de Canterbury
Nova Zelândia

COPIA PARA:
Professor Ian Wright
Vice-Chanceler Adjunto de Pesquisa
Universidade de Canterbury
Nova Zelândia

Caro Professor de la Rey,

Somos colegas internacionais da Professora Anne-Marie Brady, que conhecemos como uma ilustre acadêmica da Universidade de Canterbury e membro da Royal Society da Nova Zelândia. Sua pesquisa inovadora sobre o trabalho da Frente Unida do Partido Comunista Chinês teve um profundo impacto com base internacional, pois é em pesquisas meticulosas e suas percepções analíticas ao longo de 20 anos de bolsa de estudos nesta área.

O trabalho da professora Anne-Marie Brady teve um impacto de longo alcance nas discussões públicas e políticas em todo o mundo, e é por isso que ficamos consternados ao ler o relatório de Martin Van Beynen no site Stuff, intitulado “Canterbury Uni ordena investigação sobre publicação pela especialista chinesa Anne-Marie Brady“. Todos nós estamos familiarizados com o excelente relatório da Professora Brady “Segurando uma caneta em uma mão, segurando uma arma na outra”, que foi apresentado ao Comitê de Justiça do Parlamento da Nova Zelândia em julho passado. Ficamos chocados ao ler que seu vice-chanceler adjunto, Professor Ian Wright, deu uma declaração à imprensa confirmando que a Universidade estava recebendo as queixas e dando-lhes continuidade ao explicar que alegam que o documento contém “erros manifestos de fato e distorções enganosas.”

Nós, que conhecemos esta área, não podemos ver nenhum erro manifesto ou distorções enganosas com base no material comprovado fornecido no relatório. O artigo não faz “distorções”. As pessoas que estudam podem fazer algumas, mas isso não significa que o artigo as fez, enganosas ou não. Uma vez que a professora Wright expressou publicamente as alegações, um grupo nosso, de colegas, novamente analisou a submissão parlamentar da professora Brady. Não encontramos nele nenhuma base para as alegações. Alguns dos links em sua fonte abrangente ficaram obsoletos desde que ela o publicou, mas todos esses URLs ainda funcionam se colocados no Wayback ou archive.today.

Estamos desapontados por não ver nenhum seguimento, explicação ou esclarecimento imediato da posição da Universidade em relação às alegações. A impressão deixada por aquele relatório publicado deveria ter sido corrigida para demonstrar que a Universidade não pretendia de forma alguma endossar, nem aprovar ou aceitar as reclamações à Universidade como forma adequada de criticar o trabalho acadêmico. O silêncio foi interpretado como uma colaboração em calúnia contra uma estudiosa muito ilustre, cujo trabalho tem sido consistentemente baseado em sólida metodologia científica social.

Esperávamos que defendessem sua universidade, o direito de qualquer um de seus membros de publicar suas pesquisas livremente, por mais contenciosa que fossem, e pela professora Brady como uma corajosa colega. Ela tem sido alvo de uma campanha de assédio e ameaças devido às sérias implicações de sua importante pesquisa.

Pedimos que emitam um pedido de desculpas imediato e completo à Professora Brady em nome da Universidade de Canterbury, por não rejeitar as reclamações contra a Professora Brady e, em vez disso, encaminhar os reclamantes à forma normal de discordar de um artigo – publicar suas críticas. O professor Wright deveria se desculpar publicamente por permitir que sua declaração dê crédito às queixas, quer ele pretendesse ou não.

Não conhecemos nenhuma base válida para qualquer “revisão” do trabalho da Professora Brady, exceto por seus pares e outros pesquisadores e comentaristas, como é normal para a pesquisa e publicação acadêmica. Isso incluirá e deve incluir críticas informadas, se e surgirem motivos. As publicações dela estão sujeitas a revisão por pares. Elas trouxeram grande crédito internacional para a sua universidade. Correm o risco de destruir esse crédito, por deixá-la sozinha.

ASSINADO:

  1. Aaron L. Friedberg, Professor de Política e Assuntos Internacionais, Princeton University, EUA
    Adrian Zenz, pesquisador sênior em Estudos da China, Victims of Communism Memorial Foundation, EUA
    Aki Tonami, Professora Associada, Universidade de Tsukuba, Japão
    Alexander Maxwell, professor sênior de história, Victoria University of Wellington, Nova Zelândia
    Amanda Black, Professora Associada, Lincoln University, NZ
    Anders Corr, Diretor, Corr Analytics, EUA
    Andre Laliberté, Professor, Universidade de Ottawa, Canadá
    Andréa Worden, bolseira de investigação não residente, Sinopsis, EUA
    Andreas Fulda, Professor Associado, University of Nottingham, Reino Unido
    Andrew Nathan, Professor, Columbia University, EUA
    Anita Chan, professora visitante aposentada, Australian National University, Austrália
    Anna Zádrapová, Analista do Programa Red Watch, European Values ​​Center for Security Policy, CZ
    Arthur Waldron, Professor Lauder de Relações Internacionais, Universidade da Pensilvânia
    Barbara Hartley, Pesquisadora Independente, Austrália
    Barrett L. McCormick, Marquette University, EUA
    Benedict Rogers, presidente-executivo e fundador do Hong Kong Watch e vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos do Partido Conservador do Reino Unido
    Bradley Thayer, Professor, University of Texas San Antonio, EUA
    Carla P. Freeman, China Studies, JHU SAIS, Washington DC
    Carolyn Cartier, Professora, University of Technology Sydney, Austrália
    Casper Wits, professor universitário de Estudos da Ásia Oriental, Universidade de Leiden, Holanda
    Catherine Churchman, conferencista, Victoria University of Wellington, NZ
    Clive Hamilton, Professor de Ética Pública, Charles Sturt University, Canberra, Austrália
    Consiglio Di Nino, ex-senador do Senado do Canadá, CA
    Daisy Lee, correspondente, Epoch Times, NZ e HK
    David Robinson, cofundador e CEO, Internet 2.0, Austrália
    David Shambaugh, Professor Gaston Sigur de Estudos Asiáticos, Ciência Política e Assuntos Internacionais, George Washington University, EUA
    David Shullman, Conselheiro Sênior, Instituto Republicano Internacional, EUA
    David Schak, campus Nathan, Griffith University, AU
    Dean Baxendale, presidente e editor da Optimum Publishing International, CA
    Demetrius Cox, Tenente Comandante, Marinha dos EUA (aposentado), EUA
    Didi Kirsten Tatlow, Senior Fellow no Asia Program at DGAP, Senior Fellow na Sinopsis, DE
    Ding Qiang, NZ Values ​​Alliance, NZ
    Donald Clarke, Professor, George Washington University, EUA
    Dong Luobin, NZ Values ​​Alliance, NZ
    Dorothy J. Solinger, Professora, Emerita, UC Irvine, EUA
    Edward Friedman, Professor Emérito, University of Wisconsin, EUA
    Edward Lucas, vice-presidente sênior, Center for European Policy Analaysis, Reino Unido
    Elizabeth Economy, bolsista sênior da Hoover Institution da Universidade de Stanford e bolsista sênior de estudos da China no Council on Foreign Relations, EUA
    Eske Møllgaard, Departamento de Filosofia, Universidade de Rhode Island, EUA
    Feng Chongyi, Professor Associado. University of Technology Sydney, Austrália
    Françoise Robin, Inalco, Paris, França
    Freeman Yu, Secretário-Geral, NZ Values ​​Alliance, NZ
    Frédéric Lasserre, Laval University, Quebec, CA
    Gardner Bovingdon, Professor Associado de Estudos Eurasianos Centrais e Estudos Internacionais, Universidade de Indiana, EUA
    Gary Chisholm, NZ
    Gérard Hervouet, professor emérito, Laval University, Québec, CA
    Geremie R. Barmé, Professora Emérito, Australian National University, Austrália
    Gerrit van der Wees, corpo docente adjunto, George Washington University, Elliott School of International Affairs, Estados Unidos
    Gerry Groot, professor sênior de estudos chineses, Departamento de Estudos Asiáticos, Escola de Ciências Sociais, Universidade de Adelaide, Austrália
    Gill H. Boehringer, Exmo. Bolsista de pesquisa sênior, Macquarie University Law School, Sydney, Austrália
    Glenn D. Tiffert, Hoover Institution, EUA
    Greg Newbold, Professor Emérito, University of Canterbury, Nova Zelândia
    Gregor Benton, Professor Emérito, Cardiff University, País de Gales, Reino Unido
    Harlan W. Jencks, Laboratório Nacional da Universidade da Califórnia / Lawrence Livermore (aposentado), EUA
    Harold Bockman, Professor Emérito, Universidade de Oslo, Noruega
    Charles Burton, membro sênior do Macdonald-Laurier Institute e European Values ​​Center for Security Policy, CA
    Charles Horner, companheiro sênior, Hudson Institute, Washington DC, EUA
    Charles Parton, Senior Associate Fellow, Royal United Services Institute, Reino Unido
    Chen Weijian, Editor e Correspondente, Beijing Spring, NZ
    Clare Curran, MP de Dunedin South, NZ
    Christopher Balding, Independent Scholar, EUA
    Christopher R Hughes, Professor, London School of Economics, Reino Unido
    Christopher Walker, Vice-presidente de Estudos e Análise, National Endowment for Democracy, EUA
    Isabelle Henrion-Dourcy, Université Laval, Canadá.
    J. Michael Cole, Senior Fellow, Macdonald-Laurier Institute e Senior Fellow, Global Taiwan Institute, CA
    James D. Seymour, Universidade Chinesa de Hong Kong
    James Leibold, Professor Associado e Chefe de Departamento, La Trobe University, Austrália
    Jamil Anderlini, Editor Asiático, Financial Times, Hong Kong
    Jane Verbitsky, Professora Associada, AUT, Nova Zelândia
    Jenny Chan, Professora Assistente de Sociologia, The Hong Kong Polytechnic University, Hong Kong
    Jeremy Goldkorn, Editor, EUA
    Jerome A. Cohen, Diretor Docente Emérito, Instituto de Direito dos EUA-Ásia, Escola de Direito da NYU, EUA
    Jiang Chaoyang, NZ Values ​​Alliance, NZ
    Joanne Smith Finley, leitora de estudos chineses, Newcastle University, Reino Unido
    Joey Siu, vice-presidente externo, União de Estudantes da City University of Hong Kong, Hong Kong
    John Dotson, Editor, China Brief, Jamestown Foundation, EUA
    John Fitzgerald, Swinburne University of Technology, Austrália
    John Hemmings, membro associado, Henry Jackson Society
    John Minford, professor emérito, Australian National University, Austrália
    Jonathan Hassid, Iowa State University, EUA
    Jonathan Mirsky, ex-editor, Times of London, Reino Unido
    Jonathan Unger, professor, Australian National University e editor, The China Journal
    Joseph Bosco, Ex-Diretor de País da China, Escritório do Secretário de Defesa, EUA
    Josephine Chiu-Duke, Professora, University of British Columbia, CA
    Joshua Eisenman, professor associado da Notre Dame, pesquisador sênior de Estudos da China no American Foreign Policy Council
    Julian Snelder, Diretor, Amiya Capital, NZ
    June Teufel Dreyer, Professor, Universidade de Miami, EUA
    Karin Kinzelbach, Professora, FAU Erlangen-Nürnberg, Alemanha
    Kate MacNamara, jornalista, New Zealand Herald
    Katerina Procházková, Sinopsis, CZ
    Katia Buffetrille, pesquisadora, École Pratique des Hautes Études, Paris
    Kerry Gershaneck, professor, National Chengchi University, Taiwan
    Kevin Carrico, professor sênior, Monash University, Austrália
    Kevin McCready, tradutor, ex-economista do governo australiano, Nova Zelândia
    Kimberley Kitching, senadora por Victoria, Senado australiano, Austrália
    Kingsley Edney, Professor de Política e Relações Internacionais da China, Universidade de Leeds, Reino Unido
    Larry Diamond, membro sênior, Hoover Institution, EUA
    Lee Jones, leitor de política internacional, Queen Mary University of London, Reino Unido
    Lesley Seebeck, CEO Cyber ​​Institute, ANU, Austrália
    Louisa Greve, Diretora de Defesa Global, Projeto de Direitos Humanos Uigur, Estados Unidos
    Louisa Wall, MP, NZ Parliament, NZ
    Lukáš Zádrapa, Chefe do Departamento de Sinologia, Charles University, República Tcheca
    Luke de Pulford, Coordenador da Aliança Interparlamentar na China, Reino Unido
    Magnus Fiskesjö, Professor Associado de Antropologia, Cornell University, EUA
    Mareike Ohlberg, membro sênior, German Marshall Fund, DE
    Margaret McCuaig-Johnston, pesquisadora sênior, China Institute, University of Alberta, CA
    Mark Selden, Pesquisador Associado Sênior, Programa da Ásia Oriental, Cornell University, Editor Executivo, The Asia-Pacific Journal, EUA
    Martien Lubberink, Victoria University of Wellington, NZ
    Martin Flaherty, professor visitante, Escola de Relações Públicas e Internacionais, Universidade de Princeton
    Martin Hála, Diretor, Sinopsis, CZ
    Mary Farquhar, professora emérito, Griffith University, Austrália
    Michael Barr, FAHA; Professor associado em relações internacionais (status acadêmico), Flinders University, Austrália
    Michael Dillon, especialista em China, Ex-Diretor, Centro de Estudos Chineses Contemporâneos, Universidade de Durham
    Michael Yahuda, Professor Emérito da London School of Economics and Political Science, atualmente Visiting Scholar da George Washington University, Washington DC, EUA
    Michelle Mood, Professora Assistente, Kenyon College, EUA
    Nicky Hager, jornalista e autor independente, NZ
    Olga Lomova, diretora do Centro Sinológico Internacional da Fundação Chiang Ching-kuo da Universidade Charles, em Praga
    Ondřej Klimeš, Academia Tcheca de Ciências, CZ
    Pamela Williamson, pesquisadora independente com mestrado em Estudos de Conflito e Terrorismo pela Universidade de Auckland, Nova Zelândia
    Peter Dahlin, Diretor, Defensores de Salvaguarda, Espanha / China
    Peter Harris, Colorado State University, EUA
    Peter Hartcher, Editor de Política e Internacional, The Sydney Morning Herald, Austrália
    Peter Humphrey, Afiliado de Pesquisa Externa, Harvard University Fairbank Center, Estados Unidos. Afiliado de pesquisa externa, King’s College London, Lau Institute, Reino Unido
    Peter Varnish, professor da Universidade de Coventry, Reino Unido
    Pitman B. Potter, Professor Emérito de Direito, Escola de Direito Peter A. Allard, Universidade de British Columbia, Canadá
    Richard Kraemer, Presidente do Conselho, Aliança EUA-Europa, EUA
    Richard Louis Edmonds, ex-editor, The China Quarterly, FR
    Robert Horvath, professor sênior, La Trobe University, Austrália
    Robert Porter, bolsista de segurança cibernética, CRS, Universidade Tama, Japão
    Roger Garside, ex-diplomata britânico, Reino Unido
    Ruan Ji, palestrante, AUT, NZ
    Sam Armstrong, Diretor de Comunicações, Henry Jackson Society, Reino Unido
    Sandrine Emmanuelle Catris, Professora Assistente de História, Augusta University, Estados Unidos
    Scott Simon, Universidade de Ottawa, CA
    Shannon Brandão, advogado americano, EUA
    Shaun O’Dwyer, Professor Associado, Faculdade de Línguas e Culturas, Universidade Kyushu, Japão
    Shelley Rigger, Professora Brown de Ciência Política, Davidson College
    Simon Chapple, Diretor, Instituto de Estudos de Governança e Política, Victoria University of Wellington, NZ
    Stephanie Hemelryk Donald, Professora, Lincoln University, Reino Unido
    Stephen Blank, companheiro sênior. Instituto de Pesquisa de Política Externa
    Steven I. Levine, Docente Pesquisador Associado, Universidade de Montana, EUA
    Steven W. Mosher, presidente, Instituto de Pesquisa Populacional, EUA
    Stuart Russell, Professor, Escola de Direito da Macquarie University, Austrália (aposentado)
    Susette Cooke, Associada Honorária, Escola de Línguas e Culturas, Universidade de Sydney, Austrália
    Teng Biao, Grove Human Rights Scholar, Hunter College, EUA
    Terence Russell, Acadêmico Sênior, Universidade de Manitoba, Canadá
    Thierry Kellner, professor, Université libre de Bruxelles, Bélgica
    Thomas G. Mahnken, Professor Pesquisador Sênior, Escola de Estudos Internacionais Avançados Johns Hopkins, EUA
    Thomas Gold, Universidade da Califórnia, Berkeley, EUA
    Thomas Chase, professor, Monash University, Austrália
    Toby Dalley, Independent Scholar, NZ
    Tom Grunfeld, Professor Emérito Emérito, SUNY, EUA
    Tom Sear, companheiro, UNSW Canberra Cyber, UNSW na Australian Defense Force Academy
    Valerie Niquet, Pesquisador Sênior, Fondation pour le RéchercheStratégique, França
    Vanessa Frangville, Professora, Université libre de Bruxelles, Bélgica
    Victor H. Mair, professor de Língua e Literatura Chinesa, Escola de Artes e Ciências da Universidade da Pensilvânia
    Victoria Tin-bor Hui, Professora Associada, University of Notre Dame, EUA
    Wesley T. Chen, estudante da Universidade de Tecnologia de Auckland, Auckland, Nova Zelândia
    William A. Callahan, London School of Economics, Reino Unido
    Wolfgang Behr, Universidade de Zurique, Suíça
    Yaxue Cao, fundador e editor, China Change, Estados Unidos
    Yuan-kang Wang, Western Michigan University, EUA

Se quiser assinar esta carta, envie-nos um e-mail com seu nome, afiliação e país para: [email protected]

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites