Redes Sociais

Coronavírus

Pesquisa com mais de 6.000 médicos em 30 países diz que hidroxicloroquina é o tratamento mais eficaz para coronavírus

Thaís Garcia

Publicado

em

Uma pesquisa internacional com mais de 6.000 médicos em 30 países, divulgada na quinta-feira (2), revelou que o medicamento antimalárico hidroxicloroquina é o tratamento mais bem avaliado para o coronavírus chinês.

Os 30 países pesquisados ​​incluíam países da Europa, Ásia, América do Norte e América do Sul, além da Austrália. Nenhum incentivo foi fornecido para participar da pesquisa, realizada de 25 a 27 de março, de acordo com a empresa de pesquisa em saúde Sermo.

A empresa de pesquisa publicou o relatório no Twitter.

Para criar uma base de conhecimento dinâmica e centralizada, publicamos os resultados de nosso estudo COVID-19, no qual mais de 6.200 médicos em 30 países participaram”, escreveu a Sermo no Twitter, em 2 de abril de 2020.

A pesquisa realizada pela Sermo, com 6.227 médicos em 30 países, constatou que a hidroxicloroquina foi escolhida como a terapia mais eficaz entre os tratadores de COVID-19 de uma lista de 15 opções (37% dos tratadores COVID-19).

Dos médicos pesquisados, 3.308 disseram que solicitaram o teste COVID-19 ou estiveram envolvidos no tratamento de um paciente com coronavírus, e 2.171 deles responderam à pergunta de quais medicamentos eram mais eficazes.

A pesquisa também revelou que os tratamentos mais comumente prescritos são analgésicos (56%), azitromicina (41%) e hidroxicloroquina (33%).

O uso de hidroxicloroquina entre os médicos é de 72% na Espanha, 49% na Itália, 41% no Brasil, 39% no México, 28% na França, 23% nos EUA, 17% na Alemanha, 16% no Canadá, 13 % no Reino Unido e 7% no Japão.

Segundo a Sermo, os dois regimes de tratamento mais comuns para a hidroxicloroquina foram:

(38%) 400 mg duas vezes ao dia no primeiro dia; 400 mg por dia durante cinco dias, e
(26%) 400 mg duas vezes ao dia no primeiro dia; 200mg duas vezes ao dia por quatro dias

Fora dos EUA, a hidroxicloroquina foi usada igualmente para pacientes diagnosticados com sintomas leves a graves, enquanto nos EUA foi mais usada para pacientes diagnosticados com alto risco.

Globalmente, 19% dos médicos prescreveram ou viram a hidroxicloroquina profilaticamente usada em pacientes de alto risco e 8% para pacientes de baixo risco.

Segunda onda de surto

A pesquisa revela que um segundo surto global é previsto por 83% dos médicos globais, 90% dos médicos dos EUA, mas apenas 50% dos médicos chineses.

Tempo médio de teste

De acordo com a pesquisa, em média, os testes nos EUA levam de 4 a 5 dias e, em 10% dos casos, a espera é superior a 7 dias.

14% dos médicos dos EUA e mais de 50% em toda a Europa e Japão relatam obter resultados de testes em 24 horas; na China, 73% dos médicos fazem testes em 24 horas, enquanto 8% fazem testes em uma hora.

Priorizando o tratamento se houver falta de ventilação

Segundo a pesquisa, em todos os países, exceto na China, o principal critério para decidir quem deveria receber um ventilador primeiro foram os pacientes com maior chance de recuperação (47%), seguidos pelos mais doentes e com maior risco de morte (21%), depois os socorristas (15%).

Na China, as prioridades foram revertidas, pois o maior e mais alto risco de morte recebeu ventiladores.

Os socorristas foram mais importantes nos EUA.

França, Japão e Itália priorizaram a idade.

Brasil e Rússia priorizaram pacientes de maior risco.

Tempo e Restrições de Pico

Nos EUA, 63% dos médicos recomendam que as restrições sejam levantadas em 6 ou mais semanas e 66% acreditam que o pico está a pelo menos 3-4 semanas, de acordo com a pesquisa.

Eficácia do governo

A grande maioria dos médicos que participaram da pesquisa acredita que as ações do governo são muito eficazes.

A maioria dos médicos acredita que estado e governo estão avaliando adequadamente as preocupações públicas e econômicas.

As três principais necessidades de equipamentos

Segundo os médicos, as três principais necessidades globalmente são Equipamentos de proteção individual (EPI), seguidos por kits rápidos de testes COVID-19 e, em seguida, ventiladores.

As três principais necessidades de informação

Os médicos precisam saber quando os testes rápidos estarão disponíveis, quando novos tratamentos estarão disponíveis e a eficácia dos medicamentos existentes no tratamento do coronavírus chinês.

Preocupações com o COVID-19

A maioria dos médicos está muito preocupada em transmiti-lo para os membros da família e cerca de 50% está preocupada em ser infectado pelo COVID-19 nos próximos dois meses.

81% dos médicos tomaram precauções especiais em casa, incluindo trocar de roupa e tomar banho antes de ingressar na família; alguns até ficam isolados.

Quase um quarto dos médicos e mais de um terço dos pacientes relatam estresse extremo.

 

 

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites