Redes Sociais

China

Papa Francisco não pode mais ficar em silêncio sobre o genocídio na China

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

O artigo abaixo foi publicado pela UCAN, por Benedict Rogers*

O papa Francisco não pode mais ficar em silêncio sobre o genocídio uigur

Em 8 de agosto, cerca de 76 líderes religiosos de todo o mundo emitiram uma poderosa declaração pedindo ação para impedir as atrocidades contra os uigures e outros muçulmanos na China, que eles descrevem como “uma das tragédias humanas mais flagrantes desde o Holocausto”.

O cardeal Charles Maung Bo, de Mianmar, presidente da Federação das Conferências Episcopais da Ásia, e o cardeal Ignatius Suharyo, da Indonésia, estavam entre as figuras importantes que pediram uma investigação sobre as graves violações dos direitos humanos contra os uigures.

Outros signatários incluem o ex-arcebispo de Canterbury, Rowan Williams; sete bispos anglicanos; o arcebispo copta-ortodoxo de Londres, arcebispo Angaelos; o ex-mestre dos dominicanos, padre Timothy Radcliffe; alguns dos rabinos mais antigos da Grã-Bretanha; Líderes religiosos muçulmanos, incluindo o principal organizador do Centro Islâmico de Mianmar, Al-Haj U Aye Lwin; o representante do Dalai Lama na Europa; um importante humanista; a Conferência dos Bispos Católicos da Inglaterra; O bispo líder de Gales para assuntos internacionais, Bispo Declan Lang de Clifton; e vários padres católicos.

Embora os uigures tenham enfrentado repressão por muitos anos, uma campanha de perseguição se intensificou nos últimos anos, com evidências sugerindo que o regime do Partido Comunista Chinês tem como objetivo erradicar a identidade cultural e religiosa dos uigures.

Pelo menos um milhão – talvez até três milhões – de uigures estão encarcerados em campos de prisioneiros, onde enfrentam tortura sistemática e severa, violência sexual e trabalho escravo. Fora dos campos, o regime chinês estabeleceu um estado de vigilância orwelliano, com inteligência artificial, tecnologia de reconhecimento facial, câmeras em cada quarteirão e agentes chineses vivendo com famílias uigur para monitorá-los 24 horas por dia.

Nos últimos meses, surgiram mais evidências da transferência de uigures pela China para trabalho escravo e esterilização forçada de mulheres uigures. Como os líderes religiosos observam em sua declaração, “uma pesquisa recente revela uma campanha de esterilização forçada e prevenção de partos dirigida a pelo menos 80% das mulheres uigures em idade reprodutiva nas quatro prefeituras populosas de uigures – uma ação que, de acordo com a Convenção de Genocídio de 1948, poderia elevar isso ao nível de genocídio.”

A prática religiosa tem sido um alvo particular, com a destruição de mesquitas e cemitérios muçulmanos. Homens com barbas de um certo comprimento ou mulheres com lenço na cabeça podem acabar em um campo de prisioneiros. Atos religiosos, como jejuar durante o Ramadã, ou orar, são punidos e há relatos de uigures sendo forçados a comer carne de porco e beber álcool.

A mídia estatal da China declarou que o objetivo dessa repressão aos uigures é “quebrar sua linhagem, quebrar suas raízes, quebrar suas conexões e quebrar suas origens.”

Como o The Washington Post colocou em um editorial: “É difícil interpretar isso como outra coisa que não uma declaração de intenção genocida”. Documentos do governo chinês vazados no ano passado falam de “absolutamente nenhuma misericórdia”.

A declaração dos 76 líderes religiosos não é a primeira vez que os líderes religiosos se pronunciam, mas é a primeira vez que tantos o fazem com tanta unidade, urgência e em grande número nas comunidades religiosas.

“Temos visto muitas perseguições e atrocidades em massa. Eles precisam de nossa atenção. Mas há um que, se permitido continuar impunemente, questiona seriamente a vontade da comunidade internacional de defender os direitos humanos universais para todos – a situação dos uigures”, escrevem eles.

“Depois do Holocausto, o mundo disse: ‘Nunca mais’. Hoje, repetimos essas palavras ‘Nunca mais’. Fazemos um simples apelo por justiça, para investigar esses crimes, responsabilizar os responsáveis ​​e estabelecer um caminho para a restauração da dignidade humana.”

Comparações com o Holocausto

A declaração segue uma carta no mês passado da presidente do Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos, Marie van der Zyl, ao embaixador chinês em Londres, Liu Xiaoming, e uma mensagem do ex-rabino-chefe Lord Sacks, ambos os quais levaram a rara etapa de comparação entre o Holocausto e os crimes cometidos contra os uigures.

De acordo com van der Zyl, ninguém pode ver as evidências e deixar de notar o que ela descreve como “semelhanças entre o que supostamente está acontecendo na ‘República Popular’ da China hoje e o que aconteceu na Alemanha nazista 75 anos atrás: Pessoas sendo carregadas à força para trens; barbas de religiosos sendo aparadas; mulheres sendo esterilizadas; e o espectro sombrio dos campos de concentração.”

O rabino Lord Sacks escreveu um tópico no Twitter dizendo: “Como judeu, conhecendo nossa história, a visão de pessoas sendo raspadas, alinhadas, embarcadas em trens e enviadas para campos de concentração é particularmente angustiante. O fato de pessoas no século 21 estarem sendo assassinadas, aterrorizadas, vitimizadas, intimidadas e roubadas de suas liberdades por causa da maneira como adoram seu deus é um ultraje moral, um escândalo político e uma profanação da própria fé.”

Maajid Nawaz, um proeminente ativista muçulmano contra o extremismo no Reino Unido, entrou em greve de fome no mês passado para mobilizar apoio a uma petição para garantir um debate no parlamento britânico sobre a crise uigur e um apelo à imposição de sanções aos perpetradores de atrocidades.

“Sérias alegações de extração de órgãos, meio milhão de crianças desaparecidas, 13 toneladas de cabelo sendo encontradas e, a propósito, essas 13 toneladas de cabelo sendo retiradas de outro meio milhão de seres humanos uigures”, disse ele. “Com tudo isso exposto e agora conhecido, a verdadeira questão é que as pessoas tinham medo de falar sobre isso antes, por quê?”

O genocídio, acrescentou ele, “não deixa espaço para a neutralidade … porque o genocídio é fundamentalmente uma guerra contra a humanidade”.

No final de julho, o bispo anglicano James Langstaff, de Rochester, apelou na Câmara dos Lordes por sanções contra a China em resposta a “graves abusos dos direitos humanos”.

E o cardeal Bo escreveu em uma declaração recente sobre liberdade de religião ou crença para todos no contexto da controvérsia sobre a basílica de Santa Sofia na Turquia: “Na China, os muçulmanos uigures estão enfrentando o que equivale a algumas das piores atrocidades em massa do mundo contemporâneo e eu exorto a comunidade internacional a investigar. ”

Existem, no entanto, dois grandes líderes religiosos mundiais cujas vozes carregam significativa influência moral que ainda não falaram: o Papa Francisco e o arcebispo de Canterbury, Justin Welby.

Talvez eles tenham seus motivos para aguardar até agora. No entanto, agora que muitos de seus próprios clérigos estão se manifestando, o mundo estará olhando para esses dois líderes espirituais em busca de uma resposta.

E sua resposta não precisa ser complicada. Não precisa ser política. Uma simples expressão de oração e solidariedade seria suficiente. Mas o silêncio não é mais aceitável.

Quando se trata de genocídio, crimes contra a humanidade e atrocidades em massa, o mundo espera que os líderes religiosos tomem uma posição. Como disse o teólogo Dietrich Bonhoeffer: “O silêncio diante do mal é em si um mal. Não falar é falar. Não agir é agir.”

Santo Padre e Arcebispo Welby, o mundo está esperando para ouvi-lo.

* Benedict Rogers é líder da equipe do Leste Asiático na organização internacional de direitos humanos CSW e membro da Campanha Pare o Genocídio Uigur (Stop the Uyghur Genocide). As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a posição editorial oficial do Conexão Política.

alan correa criação de sites