Redes Sociais

Artigo

Os 100 anos da Batalha de Varsóvia, a história de como a Polônia salvou a Europa da revolução comunista em 1920

Redação

Publicado

em

Reprodução

A história da Batalha de Varsóvia é a história de uma das batalhas mais importantes da história – é a história de como a Polônia interrompeu a expansão do comunismo e salvou a Europa de uma das maiores ameaças ideológicas conhecidas pelo homem. Tudo aconteceu neste mesmo dia, 15 de agosto, há 100 anos.

Para muitos, a Polônia é um país com uma história trágica; e, claro, muito de sua história recente é brutal e dolorosa. No entanto, há muito mais na história da Polônia do que simplesmente ser vítima dos impérios austro-húngaro, prussiano e russo no século XIX, ou dos nazistas alemães e russos soviéticos no século XX.

A Polônia também tem uma longa e gloriosa história, que se estende por mil anos. O país manteve guarda na periferia da civilização ocidental por séculos, lutando contra inimigos que muitos na Europa nem sabiam que estavam batendo em nossos portões. Foi a Polônia que se levantou contra os mongóis, os tártaros e os otomanos.

Os hussardos poloneses, liderados pelo rei polonês Jan III Sobieski, impediram o avanço dos exércitos muçulmanos nos portões de Viena em 1683 – por esse feito, o papa o aclamou o salvador da cristandade ocidental.

No entanto, há outra vitória mais recente que merece tanto, senão mais, reconhecimento quanto a vitória em Viena; a Batalha de Varsóvia ou o Milagre no Vístula.

Em 1917, os comunistas derrubaram o czar na Rússia. Lênin ao retornar do exílio a São Petersburgo, imediatamente convocou uma revolução europeia em todo o continente. Nos meses seguintes, os bolcheviques consolidaram seu poder internamente, com Lenin enfatizando repetidamente a necessidade de terror e violência para derrubar a velha ordem e garantir o sucesso da revolução. Como ele disse, “precisamos organizar a violência no interesse do povo”. O Terror Vermelho varreu a Rússia Soviética enquanto a polícia secreta, o Cheka, realizava matanças em massa. Logo depois, os soviéticos estabeleceram campos de concentração administrados pelo Cheka, que viria a ser o Gulag.

A nova ordem revolucionária pretendia trazer igualdade e liberdade ao povo russo. Em vez disso, trouxe terror, assassinatos em massa, campos de trabalho escravo e fome. O país estava mergulhado em uma guerra civil, enquanto os pró-bolcheviques Reds lutavam contra os antibolcheviques “brancos”.

Em 1920, os brancos estavam quase derrotados, e Lenin sentiu sua chance de espalhar a Revolução para o resto da Europa. Ele achou que a fuga era iminente.

A Europa estava em um estado frágil, cansada pela Primeira Guerra Mundial e, em muitos lugares, a atmosfera estava madura para a revolução comunista.

No entanto, no caminho para a Europa estava a Polônia, que havia recuperado sua independência no Tratado de Versalhes após 123 anos de partições. Lênin acreditava que a invasão da Polônia levaria o proletariado polonês a se levantar e apoiar as tropas russas – aconteceu o contrário, pois todo o país se mobilizou para deter o avanço soviético. Talvez tenha sido a forte fé católica dos poloneses que os manteve protegidos das falsas promessas do comunismo, ou talvez o fato de parte de seu país ter sido ocupada por 123 anos pelos russos significasse que eles não sabiam de nada, exceto a miséria e a brutalidade que vêm do Oriente?

Os soviéticos avançaram com firmeza, liderados pelo brutal general Mikhail Tukhachevsky, que planejava cercar a capital polonesa. A propaganda bolchevique anunciava que a queda de Varsóvia era iminente e que as revoluções comunistas começariam na Alemanha e em outros países europeus.

Em uma ordem de 20 de julho, Tukhachevsky declarou: “Para o Oeste! Sobre o cadáver da Polônia está o caminho para a conflagração mundial. Avante para Berlin sobre o cadáver da Polônia!”

Nikolai Bukharin talvez tenha escrito com excessivo entusiasmo sobre levar a guerra “até Londres e Paris”. Uma coisa é certa: os bolcheviques acreditavam que invadiriam a Europa depois da queda da Polônia.

Os poloneses enfrentavam uma grande ameaça e continuação de sua existência dependia da liderança do general Pilsudski. Foi ele quem organizou a contraofensiva e, no dia 15 de agosto, com sucesso e talvez até milagrosamente deteve o avanço dos soviéticos na Polônia.

A vitória foi surpreendente para muitos, e como a batalha aconteceu no dia 15 de agosto, da Festa Católica da Assunção de Maria, a vitória foi chamada de “Milagre no Vístula”.

Pode não ser coincidência que uma parte da vitória polonesa tenha sido baseada no fato de que os decifradores poloneses tornaram um dos receptores de rádio soviéticos inúteis ao transmitir o Livro de Gênesis sem parar durante vários dias cruciais, interrompendo a comunicação crucial para partes do Exército russo.

Após a derrota, Lenin admitiu que esta foi uma “enorme derrota” para a Rússia Soviética, ele abandonou os planos de exportar a revolução comunista e se concentrou em consolidá-la internamente.

Quem sabe até onde os soviéticos teriam chegado se tivessem derrotado a Polônia. A Europa dilacerada pela guerra, no entanto, especialmente a Alemanha e a França, com seus fortes movimentos operários, poderiam muito bem ter sucumbido às tentações do comunismo e caído em sua armadilha totalitária.

No entanto, não é porque alcançamos o sucesso que podemos descansar sobre os louros. Há perigos tão graves quanto hordas invasoras; o inimigo muitas vezes pode ser encontrado em nossas próprias sociedades. Ameaças totalitárias são encontradas em várias ideologias e nem sempre são trazidas por exércitos conquistadores. Para salvaguardar e manter uma civilização exige trabalho, cuidado e vigilância constantes.

Como o Vice-Primeiro-Ministro polonês, Piotr Glinski, apontou recentemente, “a civilização ocidental já caiu uma vez. (…) O Império Romano entrou em colapso não só como resultado de uma invasão bárbara, mas também porque perdeu a autoconfiança. Hoje enfrentamos a mesma ameaça. O mundo ocidental, reduzido ao estilo de vida ocidental, tem a chance de pensar no que mais tem a oferecer ao mundo”.

Os polacos mantiveram-se firmes contra o perigo comunista, porque sabiam o valor do que tinham em 1920. Hoje, parece que os polacos se lembraram de quem são e o que defendem, e estão de guarda, defendendo a civilização ocidental.

Portanto, se você precisar tomar coragem diante do perigo ou se precisar de grandes feitos para inspirá-lo em suas lutas, pense no Rei Jan III Sobieski ou lembre-se dos feitos do General Pilsudski, o defensor da fé, que triunfou sobre o Bolcheviques e repeliu as hordas soviéticas no rio Vístula.

Assista ao vídeo sobre da batalha de Varsóvia (1920), produzido pelo Ministério da Cultura da Polônia e legendado em Português:

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

alan correa criação de sites