Redes Sociais

Inglaterra

Número de bebês abortados com fissura labial e a fenda palatina aumenta 150% na Inglaterra e no País de Gales

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Os abortos realizados em bebês com fissura labial e a fenda palatina aumentaram significativamente na Inglaterra e no País de Gales desde 2011.

O Parlamento do Reino Unido divulgou dados mostrando os últimos números com um aumento de 150%.

O número de abortos aumentou de 10 em 2011 para 25 em 2018, no entanto, nem sempre são relatados e é provável que esses números sejam mais altos.

O Eurocat rastreia irregularidades congênitas em 23 países e descobriu que 157 bebês com fissura labial e fenda palatina foram abortados na Inglaterra e no País de Gales entre 2006 e 2010, de acordo com o Right to Life UK (Direto a Vida do Reino Unido).

Em um relatório de 2014, o Departamento de Saúde registrou 14 abortos durante esse período – depois admitiu que algumas interrupções por incapacidade foram registradas incorretamente.

A coordenadora nacional do Eurocat, Joan Morris, determinou que o número de bebês abortados em 2010 com Síndrome de Down dobrou de 482 para 886.

Morris disse: “Os bebês são abortados por Down e ainda não o mencionam no formulário de aborto; portanto, se não fazem o registro por Down, por que colocariam o lábio leporino?”

Na Inglaterra, País de Gales e Escócia, as mulheres podem fazer um aborto até o nascimento, se o bebê tiver uma deficiência. Isso inclui Síndrome de Down, lábio leporino e pé torto.

Mães de crianças nascidas com fissura labial e fenda palatina estão se manifestando chocadas com as medidas extremas de aborto que o governo está considerando na Irlanda do Norte, que permitirá que a gravidez de bebês com essas condições seja interrompida até o nascimento.

Terri Thomas disse à Right To Life UK que “ler que algumas pessoas na Irlanda do Norte agora podem considerar um término simplesmente por causa de uma fenda no lábio ou palato é tão perturbador”.

O Comitê das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Deficiência, do Reino Unido, Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, sugeriu uma emenda à lei do aborto sobre “deficiência” para que ela não separe os bebês com deficiência.

A Comissão de Igualdade e Direitos Humanos disse que esse elemento da Lei do Aborto “é ofensivo para muitas pessoas; reforça estereótipos negativos de incapacidade e é incompatível com a avaliação de incapacidade e não-incapacidade igualmente”.

 

alan correa criação de sites