Redes Sociais

Coronavírus

Novo estudo fornecerá informações sobre o uso da hidroxicloroquina para a prevenção de COVID-19 em profissionais de saúde

Thaís Garcia

Publicado

em

Reprodução/ Twitter

O Sistema de Saúde Henry Ford, em Detroit, nos EUA, anunciou recentemente que está liderando o estudo WHIP COVID-19, que avaliará se a hidroxicloroquina (HCQ) irá prevenir ou impedir o COVID-19 em profissionais de saúde e socorristas.

Os pesquisadores pretendem inscrever 3.000 voluntários para o estudo randomizado, duplo-cego, e os resultados preliminares podem estar prontos em até 4 meses, de acordo com um comunicado de imprensa da instituição. O estudo é um dos muitos em andamento para entender melhor como tratar o COVID-19.

William W. O’Neill, diretor médico do Centro de Doenças Estruturais do Coração no Hospital Henry Ford em Detroit e um dos organizadores do estudo WHIP COVID-19, disse que na Itália e na China, até 15% dos pacientes com COVID-19 eram trabalhadores de hospitais.

“É evidente que existe um grande risco dos funcionários do hospital serem infectados”, disse O’Neill.

O medicamento HCQ já é utilizado há anos profilaticamente no combate à malária. O novo estudo será realizado para que possa ser avaliado cientificamente se a hidroxicloroquina, profilaticamente, preveniria ou impediria a infecção por coronavírus chinês. Por enquanto, não há literatura nem dados sobre a questão.

“Estávamos extremamente preocupados com os riscos do COVID-19 para nossos profissionais de saúde. Infelizmente, isso é a realidade; mais de 800 funcionários de Henry Ford foram infectados pelo novo coronavírus”, disse O’Neill.

O uso de equipamentos de proteção individual e outros equipamentos é útil, mas segundo O’Neill, seria melhor encontrar algo mais definitivo para a prevenção do COVID-19.

Estudo HERO HCQ

Nos EUA, há 60 locais de pesquisa que participam de outro estudo semelhante, o HERO HCQ, que avalia a resposta à exposição dos trabalhadores da saúde e resultados da hidroxicloroquina.

O Centro Médico da Universidade do Kansas é um dos locais que pediu aos profissionais de saúde que participem desse ensaio clínico para verificar se a HCQ pode ajudar a prevenir a infecção por coronavírus chinês.

A KU Med recrutará 500 participantes para o estudo, incluindo enfermeiros, terapeutas, médicos, equipes de emergência e aqueles que prestam serviços de alimentação e limpeza às unidades de saúde.

Os participantes selecionados aleatoriamente receberão hidroxicloroquina ou um placebo, segundo o Dr. Mario Castro, que é o principal pesquisador do estudo local.