Redes Sociais

Mundo

NBC News sob fogo por pressionar o Google para remover sites conservadores da plataforma de anúncios

“Trabalhar para desmonetizar sites que você não gosta, pelo Google, não é jornalismo, é ativismo”

Thaís Garcia

Publicado

em

Alex Tai/SOPA Images/LightRocket via Getty Images, Montagem

A NBC News está enfrentando intensa reação por influenciar o Google a punir dois sites de notícias conservadores sobre a falsa acusação de “cobertura ofensiva dos protestos de George Floyd”, informou a FOX News. O Google tomou as medidas contra os sites conservadores, depois de receber as “denúncias” da NBC News.

Em uma matéria publicada na tarde de terça-feira (16), a NBC News afirmou que o Google “baniu” o site ‘The Federalist’ e o ‘ZeroHedge’ do Google Ads por “apresentar alegações sem fundamento” sobre o movimento Black Lives Matter. Mais tarde, o Google recuou, alegando que o The Federalist “nunca foi desmonetizado” e acrescentando: “Trabalhamos com eles para resolver problemas em seu site relacionados à seção de comentários”.

“Temos políticas estritas de editores que administram os anúncios de conteúdo que podem ser executados e proíbem explicitamente monetizar conteúdo depreciativo que promova ódio, intolerância, violência ou discriminação com base na raça”, disse um porta-voz do Google inicialmente à NBC News.

A NBC, no entanto, não se vinculou ao “conteúdo depreciativo” do The Federalist ou do ZeroHedge. Além disso, parece que foi a investigação da NBC News sobre o assunto que levou às ações do Google em primeiro lugar.

“A proibição dos sites pelo Google ocorre depois que a empresa foi notificada de uma pesquisa conduzida pelo Center for Countering Digital Hate, uma organização sem fins lucrativos britânica que combate o ódio e a desinformação on-line. Eles descobriram que 10 sites nos EUA publicaram o que dizem ser artigos racistas sobre os protestos e projetou que os sites ganhariam milhões de dólares através do Google Ads”, informou a NBC News.

A matéria também diz: “O Google bloqueou o The Federalist de sua plataforma de publicidade depois que a Unidade de Verificação de Notícias da NBC chamou sua atenção. O ZeroHedge já havia sido desmonetizado antes do inquérito da NBC News”, afirmou o Google.

Adele-Momoko Fraser, jornalista da NBC News, com sede em Londres e por trás da matéria, pareceu comemorar os resultados de sua reportagem agradecendo aos dois grupos “pelo trabalho árduo e colaboração”. Ela também usou a hashtag Black Lives Matter. Ela rapidamente excluiu o tweet e o compartilhou novamente, mas sem a hashtag ativista.

O produtor executivo da unidade de “verificação” e “checagem de fatos” da NBC News, Ruaridh Arrow, de maneira semelhante, excluiu um tweet que incluía a hashtag #BlackLivesMatter. Mais tarde, Arrow esclareceu que a hashtag foi incluída em seu tweet “porque a história dizia respeito a esse movimento” e que “não era uma indicação de apoio a ele e agora foi excluída por questão de clareza”.

Na tarde de terça-feira (16), o repórter da Adweek, Scott Nover, disse que, segundo um porta-voz do Google, a NBC News entendeu “errado” e que o The Federalist “poderia ser desmonetizado”, mas não o fez. O porta-voz do Google também sugeriu à Nover que a “seção de comentários” do site viola as políticas do Google, mas não seus artigos.

O Google mais tarde abordou a controvérsia e pareceu desmascarar algumas das matérias da NBC News.

“O The Federalist nunca foi desmonetizado”, twittou o Google. “Trabalhamos com eles para resolver problemas no site relacionados à seção de comentários. Nossas políticas não permitem a exibição de anúncios contra conteúdo perigoso ou depreciativo, que inclui comentários em sites, e oferecemos orientações e práticas recomendadas aos editores sobre como cumprir”.

Um porta-voz do Google reiterou à Fox News: “Para ser claro, o The Federalist não está desmonetizado no momento. Temos políticas estritas de editores que administram o conteúdo em que os anúncios podem ser executados, o que inclui comentários no site. Essa é uma política de longa data”.

Mais tarde, o Google twittou sobre o The Federalist: “Como a seção de comentários foi removida, consideramos esse assunto resolvido e nenhuma ação será tomada”.

Ativismo

A NBC News foi criticada nas mídias sociais pelo que foi descrito como “ativismo”, além do que parecia ter sido uma matéria falsa.

“Trabalhar para desmonetizar sites que você não gosta, pelo Google, não é jornalismo, é ativismo”, twittou o editor da CNN Kyle Feldscher.

“Se você tem um problema com o ZeroHedge e / ou o The Federalist, escreva um artigo sobre o que eles fizeram errado e por que isso importa. Isso seria um ato de jornalismo. Em vez disso, a NBC monta uma campanha de pressão no Google para sufocar opiniões que a NBC não gosta”, reagiu o editor do Daily Caller, Vince Coglianese.

“É de partir o coração que jornalistas, de todas as pessoas, estejam liderando a acusação de deformar meios de comunicação que eles não gostam. Além de minar os princípios básicos de nossa profissão, isso voltará a nos morder. Cancela o jornalismo informante”, tuitou o colunista do Bloomberg, Eli Lake.

“No momento em que os conservadores (e os democratas!) estão planejando tirar a proteção de responsabilidade da Big Tech, não me parece tático o argumento do Google de argumentar que o The Federalist deve ser responsabilizado por sua seção de comentários”, disse o editor sênior da Reason, Robby Soave.

Os críticos também apontaram que a NBC News mudou sua matéria, que acrescentou: “O Google notificou o The Federalist, na terça-feira, de violações de políticas. Agora, ele tem três dias para remover as violações antes que a proibição entre em vigor”. No entanto, a citação do porta-voz do Google indicando que o The Federalist e o ZeroHedge já haviam sido “banidos” da plataforma de anúncios ainda permaneciam no artigo.

Em outra atualização, a NBC News mudou sua manchete para refletir apenas o caso do ZeroHedge e acusou o Google de “voltar atrás” de sua declaração original para a emissora. A matéria também removeu a alegação de que os “artigos” dos sites violavam as políticas do Google, e não as seções de comentários de seus artigos.

A NBC News não respondeu imediatamente ao pedido de comentário da Fox News. A Fox News também tentou entrar em contato diretamente com o Centro de veirficação de fatos da NBC News.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites