Redes Sociais

China

Mundo rejeita o “Made in China”, depois de defeitos constatados em máscaras e kits de teste

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: FT

O Partido Comunista da China (PCCh) pode ter antecipado a pandemia do coronavírus chinês como uma estratégia de ganhar dinheiro. No entanto, o regime ditatorial de Xi Jinping, na tentativa de mitigar o constrangimento internacional, começou a inundar nações europeias em dificuldades com “ajuda” e equipamentos médicos baratos, como parte de uma estratégia ofensiva de propaganda e “charme” diplomático. Mas a estratégia adotada pela China está saindo pela culatra rapidamente, já que os países estão devolvendo seus produtos médicos falsificados.

Os últimos a aderir ao movimento de países que rejeitaram os materiais “Made in China” são a Holanda, as Filipinas, a Ucrânia e a Turquia. Apenas para refrescar a memória dos leitores, a Espanha e a República Tcheca já haviam devolvido os kits de teste defeituosos adquiridos na China.

O governo holandês ordenou a retirada de cerca de 600.000 máscaras de um embarque de 1,3 milhão da China, depois de constatar que elas não cumpriam os padrões de qualidade. As máscaras defeituosas já haviam sido distribuídas a vários hospitais que atualmente enfrentam o surto do vírus chinês, segundo a agência de notícias AFP e a mídia holandesa. O Ministério da Saúde holandês manteve o restante da remessa em espera.

Uma inspeção revelou que as máscaras FFP2 não protegiam a face adequadamente ou tinham membranas de filtro com defeito. Os filtros finos impedem que o vírus entre na boca ou no nariz. As máscaras falharam em mais de uma inspeção. As máscaras foram entregues na Holanda por um fabricante chinês em 21 de março.

O Departamento de Saúde das Filipinas (DOH) disse que descartou alguns kits de teste de coronavírus chinês que vieram da China porque eram apenas 40% precisos. O DOH havia adquirido 1.000.000 kits de testes da China que chegaram ao país em 21 de março. As Filipinas registraram 3.018 casos confirmados de vírus chinês em 3 de abril, com 136 mortes, segundo o Worldometer.

O governo turco também descartou os kits de testes rápidos do vírus chinês, depois de confirmar que eles deram resultados imprecisos.

“Recebemos algumas amostras da empresa [chinesa], mas não as achamos viáveis”, informou uma autoridade turca.

O ministro da Saúde da Turquia, Fahrettin Koca, confirmou que a Turquia havia avaliado alguns testes rápidos de antígeno da China, mas as autoridades “não estavam felizes com os resultados”.

A Espanha e a República Tcheca haviam relatado anteriormente que os testes rápidos do vírus chinês que os seus respectivos países haviam recebido da China estavam com defeito e tinham uma alta taxa de erros. A Espanha descobriu que 6.400.000 kits de testes comprados da China não funcionavam com precisão, dos quais 58 mil já haviam sido devolvidos. Madri parou de usar o kit rápido de teste de coronavírus chinês fabricado pela empresa chinesa imediatamente e voltou ao teste de PCR, que leva até 4 horas para um diagnóstico, enquanto testes rápidos levam entre 10 a 15 minutos.

Na República Tcheca, até 80% dos 300.000 kits rápidos de teste de vírus chinês encomendados na China não estavam funcionando corretamente. Os kits de teste, no valor de 54 milhões de coroas (1,83 milhão de euros), mostraram resultados falsos positivos e negativos.

Enquanto isso, muitos países, como a Índia, chegaram a um acordo com a principal farmacêutica suíça Roche, que recebeu a Autorização de Uso de Emergência para seu novo teste de diagnóstico de coronavírus chinês da US Food and Drug Administration (FDA), em 12 de março. Um porta-voz da Roche disse que o kit de diagnóstico provavelmente será disponibilizado para testes de pacientes nas próximas semanas.

O governo dos EUA acelerou o processo de aprovação regulamentar, permitindo que os kits aprovados pelo FDA fossem utilizados ​​diretamente após a devida aprovação.

A Índia não pretende adquirir nenhum kit de teste da China. Os primeiros kits de teste de coronavírus fabricados no próprio país também chegaram ao mercado, aumentando as esperanças de um aumento na triagem de pacientes com sintomas de gripe para confirmar ou descartar a infecção pelo vírus chinês.

A Mylab Discovery, na cidade de Pune, no oeste do país, tornou-se a primeira empresa indiana a obter total aprovação para fabricar e vender kits de teste. A empresa indiana enviou a proposta do kit de testes ao FDA e à autoridade de controle de medicamentos CDSCO para aprovação comercial. A Mylab é a única empresa indiana a obter resultados de testes 100% precisos.

O laboratório enviou o primeiro um lote de 150 unidades para laboratórios de diagnóstico em Pune, Mumbai, Delhi, Goa e Bengaluru (Bangalore) na semana passada.

Devido à alta taxa de falhas dos kits de testes chineses, é uma decisão prudente de países não solicitar nenhum kit aos fabricantes chineses. Também será necessário testar cuidadosamente se outros equipamentos médicos vindos da China são realmente eficientes, caso algum país deseja importar da China, antes de empregá-los em campo.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites