Redes Sociais

Coronavírus

Médicos de hospital em Israel identificam causa de coágulos sanguíneos fatais em pacientes com covid-19

Thaís Garcia

Publicado

em

Uma equipe de pesquisa do Centro Médico da Universidade Hadassah, em Ein Kerem, Jerusalém, descobriu o que faz com que os pacientes com coronavírus chinês fiquem gravemente doentes, levando muitas vezes à morte, informou o The Jerusalem Post.

Eles também dizem que há uma maneira de tratar a causa antes que seja tarde demais. Ao menos 30% dos pacientes com coronavírus chinês desenvolvem coágulos sanguíneos que bloqueiam o fluxo sanguíneo para os rins, coração e cérebro, além dos pulmões, de acordo com pesquisas internacionais.

Os pesquisadores do Hadassah descobriram que os pacientes que formam esses coágulos fatais têm um nível aumentado de proteína alfa-defensina no sangue, explicou o Dr. Abd Alrauf Higavi, que dirige um laboratório no Hadassah e estuda coágulos há 30 anos.

“Pacientes com sintomas leves têm uma baixa concentração de alfa-defensina”, disse ele. “Pacientes com fortes sintomas da doença têm altos níveis. As pessoas que morrem têm níveis muito altos.”

A equipe do Hadassah estudou mais de 700 amostras de sangue de 80 pacientes que foram admitidos no centro médico durante o primeiro pico do surto de coronavírus chinês em Israel. Os resultados mostram que a alfa-defensina acelera a formação de coágulos sanguíneos, o que pode causar embolia pulmonar, ataques cardíacos e derrames.

Além disso, quando coágulos sanguíneos se formam nos alvéolos, cuja função é trocar moléculas de oxigênio e dióxido de carbono de e para a corrente sanguínea, isso pode levar a problemas respiratórios e, eventualmente, à intubação.

Vários estudos mostraram que cerca de 80% dos pacientes com coronavírus chinês que foram intubados morreram.

Higavi disse que sua equipe está a caminho de uma solução: administrar a droga colchicina a pacientes com coronavírus chinês.

A colchicina é um medicamento aprovado usado na prevenção e tratamento de ataques de gota, causado por excesso de ácido úrico no sangue.

Higavi disse que concluiu o teste da colchicina em ratos e descobriu que ela inibiu com sucesso a liberação de alfa defensina. Agora, eles estão aguardando as aprovações necessárias para testá-la em pacientes com coronavírus chinês.

O pesquisador disse que os ensaios clínicos analisariam o uso da droga em casos graves e a administração a pacientes com sintomas leves ou moderados para ver se isso ajudaria a diminuir as chances de desenvolver um caso grave da doença.

“Os medicamentos disponíveis hoje no mercado de afinadores de sangue não atendem totalmente a essa coagulação, pois seu mecanismo difere dos mecanismos pelos quais esses medicamentos existem atualmente”, disse Higavi. “Os recursos devem ser desviados para encontrar um medicamento adequado para pacientes com coronavírus”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites