Redes Sociais

Estados Unidos

Mais de 5.000 cédulas não contadas foram encontradas em 3 condados da Geórgia durante recontagem no estado, diz campanha de Trump

Thaís Garcia

Publicado

em

Swarajya Magazine

A campanha do republicano Donald Trump voltou a dizer que autoridades eleitorais descobriram milhares de cédulas anteriormente não contadas em três lotes separados durante a recontagem do estado da Geórgia, e a maioria delas com votos para o atual presidente dos EUA.. Além disso, segundo eles, uma ‘falha’ significativa foi evitada durante a recontagem.

Ainda de acordo  com a campanha de Trump, uma recontagem manual de quase 5 milhões de votos decorreu de uma auditoria exigida por uma nova lei estadual e deve ser feita antes do prazo de sexta-feira (20) para a certificação estadual. A contagem manual visa garantir que as novas máquinas eleitorais do estado contabilizem com precisão os votos.

Os funcionários eleitorais do condado teriam descoberto várias ‘falhas’ significativas durante a recontagem. David Shafer, o presidente do Partido Republicano da Geórgia, tuitou na manhã de quarta-feira (18) sobre uma ‘falha’ de votação no condado de DeKalb.

“Um de nossos monitores descobriu um erro de 9.626 votos na contagem manual do condado de DeKalb”, escreveu Shafer.

“Um lote considerou 10.707 votos para Biden e 13 para Trump – uma margem improvável mesmo para os padrões de DeKalb. A contagem real para o lote foi 1.081 para Biden e 13 para Trump”, escreveu David Shaferno Twitter.

“Estávamos limitados a 1 monitor para cada 10 tabelas de contagem e mantidos a alguma distância das tabelas. Não há como dizer o que perdemos sob essas restrições irracionais. O lote contado incorretamente foi assinado por dois contadores oficiais”, disse Shafer .

Também no condado de Floyd, na Geórgia, teriam sido encontradas cerca de 2.600 cédulas não contadas durante sua auditoria. Trump teria recebido 800 votos deste lote de cédulas.

O gabinete do secretário de Estado, Brad Raffensperger, citou ‘falha’ humana e ‘negligência grosseira’ nos 2.600 votos perdidos no condado de Floyd.

Agora, dois outros condados estão relatando que encontraram mais votos não contados.

A WSB-TV em Atlanta relatou que os funcionários eleitorais do condado de Fayette deixaram de somar 2.755 votos à contagem inicial. Um funcionário do gabinete do Secretário de Estado da Geórgia disse à WSB-TV que as cédulas foram digitalizadas para um cartão de memória, mas esses votos nunca foram enviados para serem incluídos na contagem final.

Justin Gray, um repórter investigativo da WSB-TV de Atlanta, tuitou: “Um cartão de memória foi encontrado durante a auditoria no condado de Fayette com 2.755 votos. Diminuiu a liderança de Biden em todo o estado em 449. A nova margem total em todo o estado na Geórgia é de 12.929 para Biden.”

Além disso, o condado de Walton encontrou mais votos não contados. A Walton Tribune relatou que as autoridades eleitorais do condado encontraram 284 cédulas perdidas, com 176 votos para Trump.

Lori Wood, presidente do Conselho Eleitoral, disse à Walton Tribune que o distrito em questão tinha dois escâneres e, “Um deles foi carregado e o outro não.”

O RedState.com questionou a frequência com que ocorreram essas ‘falhas’: “Uma vez, pode-se argumentar, é um acidente. Duas vezes é indicativo de um problema. Então, quantos condados isso envolve?”.

A campanha de Trump levantou também objeções às regras de recontagem de votos, mas o gabinete do secretário de Estado da Geórgia não deu nenhum sinal de que mudaria os procedimentos. Segundo a equipe jurídica de Trump, outra importante ‘falha’ na revisão dos votos é que não está ocorrendo um processo de verificação de assinatura das cédulas por correspondência, que podem ter sido aprovadas mesmo sendo assinadas por outra pessoa.

O Atlanta Journal-Constitution informou que o gabinete do Secretário de Estado da Geórgia divulgará os números auditados de todos os 159 condados de uma vez, provavelmente nesta quinta-feira (19), em um site que incluirá tabulações eletrônicas, imagens digitalizadas de folhas de contagem e outros documentos de apoio.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites