Lula diz que intervenção federal é forma de Temer atrair eleitores de Bolsonaro, Governo rebate

Autor: 1 comentário Compartilhar:
Imagem: Cristiane Mattos/Reuters

A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro é uma “pirotecnia” criada pelo governo do presidente Michel Temer para tentar reelegê-lo, acusou nesta quarta-feira, 21, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista à rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, o petista afirmou ainda que não descarta alianças com o MDB nos Estados, uma vez que o partido seria uma “federação de grupos regionais”.

“Acho que o Temer está encontrando um jeito de ser candidato à Presidência da República. E acho que ele achou que a segurança pública pode ser uma coisa muito importante para ele pegar um nicho de eleitores do Bolsonaro”, afirmou Lula, que está na capital mineira para um evento de comemoração dos 38 anos de fundação do Partido dos Trabalhadores. “O Temer sabe que o que tirou a reforma (da Previdência) da pauta não foi ele nem a intervenção, mas pesquisas mostrando que os deputados não iam votá-la. (Então) eles pensaram: vamos criar outro espetáculo, e criaram a intervenção no Rio para passar para a sociedade a ideia que iam acabar os problemas”, disse..

Em resposta a Lula, o presidente Michel Temer convocou o porta-voz, Alexandre Parola, para afirmar que a decisão não teve viés eleitoral. “A agenda eleitoral não é, nem nunca o será, causa das ações do presidente. Assim o comprovam as reformas propostas na Ponte para o Futuro e que têm sido implementadas desde o primeiro dia da administração”, disse Parola.

O porta-voz afirmou que o Temer “reitera que toda e qualquer decisão de governo é regida exclusivamente pelas reais necessidades de encontrar soluções para os problemas do povo brasileiro”. “O presidente da República não se influenciou por nenhum outro fator, a não ser atender a uma demanda da sociedade. É essa a única lógica que motivou a intervenção federal na área de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro.”

Quem também saiu em defesa do presidente Temer foi ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB). Ele tratou o atual ocupante do Palácio do Planalto como ‘elegível’, mas garantiu que atualmente Temer não cogita disputar as eleições.

“Veja bem, o presidente é elegível, não é inelegível. É claro que, se ele vier no futuro a cogitar da possibilidade de disputar a eleição, ele tem condições de fazê-lo, mas hoje a posição do presidente é clara no sentido de não disputar as eleições”, declarou Marun em entrevista na Câmara.

Nos últimos dias, lideranças da base aliada passaram a dar como certa a candidatura de Temer à reeleição. A avaliação é de que o presidente deu uma sinalização forte nesse sentido ao autorizar intervenção na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, em uma tentativa de adotar uma pauta popular.

Post anterior

Ministro da Educação acionará MPF contra disciplina da UnB sobre “golpe de 2016”

Próximo post

TRE-RJ mantém Eduardo Paes e Pedro Paulo inelegíveis

Você pode gostar também:

1 comentário

  1. Os eleitores de Bolsonaro são os mais escolarizados. … não acreditam que intervenção do exército em favelas vå funcionar , mesmo porque o partido do narcotráfico e os chefões do tráfico estarão fora do alcance da polícia, exército e principalmente da justiça…. os eleitores de Bolsonaro jamais votaram e nem votarão no pmdb .

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.