Redes Sociais

Estados Unidos

Lockheed Martin busca parcerias comerciais para trabalho com tecnologia 5G e inteligência artificial

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Parcerias comerciais serão fundamentais enquanto a Lockheed Martin busca ajudar as forças armadas dos EUA e aliadas a mudar para a rede 5G – e diversificar suas ofertas além de caças e mísseis, disse seu CEO, Jim (James) Taiclet, em uma entrevista na semana passada.

“Acho que é imperativo que nós, Lockheed Martin e, francamente, a base industrial de defesa, façamos parceria com [a] indústria comercial para acelerar os benefícios do que chamo de tecnologias do século 21 na base de defesa [industrial] e em nossa defesa nacional”, disse Jim Taiclet em uma entrevista em 20 de outubro.

Taiclet assumiu a liderança da maior empreiteira de defesa do mundo em junho em meio a uma pressão cada vez maior dos líderes do Pentágono para conectar melhor as armas dos militares, independentemente do fabricante, para que eles possam compartilhar informações mais rapidamente no campo de batalha. A Força Aérea dos EUA planeja gastar pelo menos US $ 9 bilhões nos próximos cinco anos conectando suas armas por meio de uma iniciativa conhecida como Comando e Controle Combinados de Todos os Domínios (Combined Joint All Domain Command and Control – JADC2).  O JADC2 é uma iniciativa para substituir o domínio atual e sistemas de controle por um que conecta os sensores e atiradores existentes e distribui os dados disponíveis para todos os domínios (marítimo, aéreo, terrestre, cibernético e espacial) e as forças que fazem parte das forças armadas dos EUA. O objetivo é passar para um sistema que conecte todos os sensores e atiradores, fornecendo os dados necessários para responder às ameaças da melhor maneira.

O Pentágono está conduzindo experimentos cada vez mais ambiciosos com a tecnologia 5G, que promete conectar armas com taxas de transferência de dados tão altas que os comandantes militares poderão tomar decisões mais rapidamente e com mais informações.

“Estamos interessados ​​em operacionalizar as capacidades técnicas das formas de onda 5G e software e hardware de tecnologia para melhorar nossos produtos de defesa e o desempenho de nossos produtos de defesa de uma forma inter-relacionada”, disse Taiclet na terça-feira (10), em uma teleconferência da empresa com analistas de Wall Street.

O Pentágono tem abraçado cada vez mais empresas comerciais como Amazon Web Services e Microsoft à medida que as forças armadas mudam para o sistema em nuvem.

Taiclet disse que a empresa buscará parcerias não apenas em 5G, mas também em inteligência artificial, computação de ponta, autonomia e manufatura aditiva. Ele levantou a perspectiva de formar alianças ou licenciar tecnologia comercial de empresas de telecomunicações como Qualcomm, NextCom ou Nokia. Ele também disse que a empresa poderia formar joint ventures com empresas comerciais de tecnologia.

Na teleconferência, Taiclet também sugeriu que a Lockheed Martin poderia oferecer a rede como um serviço, como um modelo de assinatura aos militares.

“Fazemos as atualizações e a parte de comunicação e nos certificamos de reunir tudo, assim como você tem na assinatura do pacote do seu celular”, disse ele. “Portanto, todas as manhãs, quando você o liga, ele funciona e funciona com os aplicativos mais recentes e com a tecnologia mais recente.”

“Esses são os tipos de coisas que vamos explorar”, disse ele. “Vai demorar um pouco mais para chegar lá, mas estamos nos posicionando para fazer isso também.”

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites