Redes Sociais

Coronavírus

Japão vai pagar para empresas saírem da China

Guilherme L. Campos

Publicado

em

Reprodução

O Japão anunciou que destinará US $ 2,2 bilhões do seu pacote de estímulo econômico para ajudar fabricantes japoneses a mudarem sua produção para fora da China.

Com os efeitos do coronavírus na economia, as cadeias de abastecimentos estão interrompidas entre os dois parceiros comerciais.

O orçamento extra, compilado para tentar compensar os efeitos devastadores da pandemia, inclui 220 bilhões de ienes (US $ 2 bilhões) para empresas que transferirem a produção de volta para o Japão e 23,5 bilhões de ienes para aqueles que transferirem a produção para outros países, de acordo com detalhes do plano publicado pelo governo japonês.

A China é o maior parceiro comercial do Japão em circunstâncias normais, mas as exportações da China para o Japão caíram quase pela metade em fevereiro quando a doença fechou diversas fábricas, por sua vez, deixando na mão os fabricantes japoneses.

A atual crise renovou as expectativas por menos dependência da economia chinesa pelo Japão. 7

Um painel do governo sobre investimentos futuros no mês passado discutiu a necessidade de que a fabricação de produtos de alto valor agregado seja transferida de volta ao Japão e a produção de outros bens seja diversificada em todo o sudeste asiático.

“Haverá algum tipo de mudança”, disse Shinichi Seki, economista do Instituto de Pesquisa do Japão, acrescentando que algumas empresas japonesas que fabricam produtos na China para exportação já estão considerando mudar.

“Ter isso no orçamento definitivamente dará um impulso”.

Entretanto, empresas como fabricantes de automóveis, que fabricam para o mercado doméstico chinês, provavelmente continuarão em atividade [na China], disse ele.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Católico, Conservador, Correspondente Internacional, Observador Político e criador do 'The Right Talking'. Atualmente vive no estado da Pensilvânia, Estados Unidos.

alan correa criação de sites