Redes Sociais

Coronavírus

Israel trata paciente de covid-19 com nova “vacina passiva” concentrada

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

O Centro Médico Hadassah em Jerusalém-Ein Kerem, tratou seu primeiro paciente com Covid-19 com uma nova “vacina passiva” concentrada. O medicamento foi desenvolvido em conjunto com a empresa biofarmacêutica israelense Kamada. Segundo o diretor do Hadassah, Zeev Rotstein, “a paciente respondeu positivamente ao tratamento”.

Ele acrescentou que “o fluxo sanguíneo dela começou a melhorar”. Rotstein espera que o tratamento dessa paciente seja bem-sucedido.

Embora ele não pudesse compartilhar detalhes sobre a paciente, ele a descreveu como uma jovem mulher que sofria de várias condições médicas subjacentes e que está no hospital há semanas. Ele disse que outros tratamentos não tiveram resultados.

O concentrado de anticorpos (imunoglobulina ou IgG) foi desenvolvido usando o plasma coletado, pelo Hadassah, de pacientes que tiveram o coronavírus chinês e desenvolveram a doença, e agora estão com resultados negativos para o vírus.

Aqueles que são infectados com um vírus, incluindo o coronavírus chinês, desenvolvem proteínas ou anticorpos antivírus especiais no plasma. Esses anticorpos podem ajudar pacientes doentes a derrotar o vírus.

A imunização passiva ocorre quando um paciente recebe os anticorpos pré-formados. Com uma vacina ativa, o paciente é injetado com uma versão morta ou enfraquecida de um vírus que faz com que o sistema imunológico produza anticorpos em si.

O Hadassah conseguiu coletar 40 litros de plasma, o suficiente para produzir um soro para 70 pacientes.

Rotstein disse que a “vacina”, que também pode ser chamada de medicamento, será usada em pacientes com covid-19 cuja situação está piorando e que precisam de um reforço para combater a doença. O medicamento também pode ser usado profilaticamente nos casos em que um paciente, em risco por outras condições, foi infectado pelo coronavírus chinês.

Embora este seja o primeiro concentrado de anticorpo a ser administrado a um paciente, vários pacientes israelenses foram transfundidos com plasma congelado.

Em abril, a situação de um paciente de covid-19 de Haredi, de 29 anos de idade, em tratamento no Hospital Universitário Samson Assuta Ashdod, melhorou de “grave” para “grave, mas estável”. Os pacientes também foram tratados no Centro Médico Yitzhak Shamir em Be’er Ya’acov, entre outros.

O Magen David Adom (MDA), ou Estrela de Davi Vermelha, coleta plasma há mais de 30 anos. O plasma de anticorpos foi usado para tratar pacientes com SARS durante o surto de 2002. Além disso, Israel ofereceu tratamento semelhante para pacientes com Febre do Nilo Ocidental (FNO).

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites