Redes Sociais

EUA

EUA: Antifa leva terror e destruição a quase todo o país durante fim de semana

Guilherme L. Campos

Publicado

em

Um número cada vez maior de grandes cidades americanas se torna vítima do ódio de grupos radicais de esquerda com os atos sem precedentes de violência e destruição. Departamentos de polícia locais não conseguem reprimir ataques e capacidade de resposta diminui no mesmo instante em que centenas de carros policiais são completamente destruídos, armas policiais são roubadas e instalações policiais são cercadas por criminosos. Não há sinais de trégua.

Já são milhares de pequenos, médios e grandes negócios no país completamente destruídos e saqueados por bandidos que justificam a ação como justiça pela morte de George Floyd, na sexta-feira passada, por um policial de Minneapolis que já foi preso e acusado oficialmente por dois crimes: assassinato e homicídio culposo.

Washington sob ataque; igreja é alvo de incêndio

A última noite em Washington D.C.  foi sem dúvida a mais violenta de sua história. Locais históricos como o Lafayette Park, atrás da Casa Branca, serviu de concentração para radicais que lançavam objetos como pedras, garrafas e disparavam fogos de artifício contra os policiais que tentavam, sem sucesso, conter os ânimos. Entre os policiais agredidos, agentes do Serviço Secreto responsáveis pela segurança da Casa Branca. Até o último balanço, 50 agentes do Serviço Secreto foram gravemente feridos pelos radicais, segundo informações oficiais.

Outro episódio gravíssimo foi o fogo ateado em parte da Igreja Episcopal de São João, local sagrado aos cristãos evangélicos que vivem na região e, portanto, alvo dos terroristas. O local é também um marco histórido do país.

A pedra fundamental da St. John’s foi estabelecida em 14 de setembro de 1815. O primeiro culto foi realizado em 27 de outubro de 1816, e a igreja foi consagrada em 27 de dezembro de 1816. Começando com James Madison — um dos Pais Fundadores da América, até o presente, toda pessoa que ocupou o cargo de Presidente dos Estados Unidos participou de ao menos um culto em St. John’s.  A igreja é conhecida como “a Igreja dos Presidentes” e é registrada como um marco histórico nacional. O Banco de número54 é o Banco do Presidente e é reservado para uso do Presidente quando estiver na igreja.

A Casa Paroquial adjacente à igreja foi construída em 1836. É um marco histórico nacional. Foi a residência em 1842 de Alexander Baring, Lord Ashburton, que negociou um tratado naquele ano com o Secretário de Estado dos EUA Daniel Webster. Esse tratado estabeleceu os limites finais entre o Canadá e os Estados Unidos, do Maine a Minnesota, e ajudou a evitar uma possível guerra entre a Grã-Bretanha e os Estados Unidos.

A Igreja Episcopal de St John é protegida por policiais após tentativa de radicais em destruí-la.

Um vídeo que viralizou nas redes sociais revela um cenário de guerra em Washington D.C., como se a capital do país tivesse acabado de sofrer sucessivos ataques aéreos.

Filadélfia

A cidade mais famosa da Pensilvânia e berço de fundação dos Estados Unidos — a cidade foi a primeira capital do país, logo após a independência, em 1776, também foi alvo de ataques pesados realizados por militantes extremistas do Antifa e Black Lives Matter. Inúmeros carros de polícia foram depredados e incendiados, o centro da cidade foi totalmente tomado por saques, depredação, e muita violência.

Em muitas das ações criminosas registradas na cidade durante o final de semana, simplesmente não era possível ver qualquer presença policial, o que acabou servindo como carta branca para saques, roubos e depredação.

Na madrugada desta segunda-feira, 1 de junho, soldados da Guarda Nacional chegaram na cidade após, finalmente, um pedido do governador democrata Tom Wolf por ajuda federal; a situação na cidade se degradou muito nos últimos dias sem que houvesse resposta suficiente por parte das forças policiais do estado e da cidade.

Los Angeles

Na cidade de Los Angeles, na Califórnia, não foi diferente, a onda de violência descomunal intimidou até mesmo policias, que em pânico, fugiam dos extremistas temendo serem capturados e agredidos por eles.

Capital do cinema e sede dos estúdios de Hollywood, as ruas de Los Angeles se transformaram em cenário de filme apocalíptico.

Saques contra o comércio tornaram-se a marca dos atos que tomam conta de cidades americanas nos últimos dias. Na Califórnia não foi diferente.

Diante do total descontrole da situação local, a Guarda Nacional também foi acionada em Los Angeles e soldados começam a chegar na região nesta segunda-feira, 1 de junho.

Em Long Beach, também no estado da Califórnia, prédios foram totalmente consumidos por fogo em incêdios causados por movimentos extremistas.

Nova York

A cidade de Nova York também tem vivido dias de terror com todo tipo de ato violento. Carros de polícia sendo queimados e lojas sendo saqueadas são o novo-normal da “cidade que nunca dorme”. E não dorme, mesmo. Durante o último final de semana, uma mulher aparentemente idosa foi violentamente agredida à pauladas por extremistas da Antifa enquanto tentava proteger seu estabelecimento comercial na região de Rochester. A polícia ainda tenta identificar os agressores.

O mesmo episódio pode ser visto sob outro ângulo:

EM Manhattan, um extremista Antifa foi surpreendido por policiais enquanto pulava sobre o capô de um carro da polícia.

Em outro episódio, homens negros se uniram para proteger uma loja da rede Target, em Nova York, enquanto extremistas Antifa tentavam invadir e saquear a loja.

A Catedral de Saint Patrick, em Nova York, também foi alvo de violência. Pichadores vandalizaram o prédio por fora durante o final de semana.

Carros de polícia continuam sendo vandalizados na cidade 24 horas por dia.

Covardia sem limites

Uma das cenas mais chocantes e covardes do final de semana foi essa abaixo, gravada em Austin, Texas, onde membros do Antifa incendiaram todos os pertences de um morador de rua.

‪ https://twitter.com/gregreese/status/1267175695823880193/video/1‬

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Católico, Conservador, Correspondente Internacional, Observador Político e criador do 'The Right Talking'. Atualmente vive no estado da Pensilvânia, Estados Unidos.

alan correa criação de sites