Redes Sociais

Coreia do Sul

Estudo sul-coreano mostra sucesso da hidroxicloroquina em pacientes com sintomas leves e moderados em comparação a outros tratamentos

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Pesquisadores da Coreia do Sul publicaram um estudo que observou a resposta ao tratamento farmacológico de COVID-19. O estudo mostra o sucesso do uso da hidroxicloroquina em pacientes com sintomas leves e moderados, comparando com outros tipos de tratamentos.

O pre-print do estudo, que não foi certificado pela revisão por pares, foi publicado no medRxiv em 18 de maio de 2020, e está disponível (em Inglês) neste link.

Os autores do estudo são afiliados à Faculdade de Medicina da Universidade da Coreia em Seul; Faculdade de Medicina da Universidade de Busan; Hospital Daegu, Centro de Saúde Pública em Wando e de Bukha, em Jangseong; Departamento de Farmacologia da Universidade Nacional Pusan; Faculdade de Medicina de Yangsan; Centro de Pesquisa em Gene e Terapia Celular para Doenças Associadas da Faculdade de Medicina, da Universidade Nacional de Pusan, em Yangsan; Departamento de Urologia da Universidade da Coreia; e Faculdade de Medicina da Universidade de Ajou, em Suwon.

Segundo os pesquisadores do estudo, atualmente, não existe consenso ou diretriz baseada em evidências para terapia farmacológica contra a COVID-19. Embora a Coreia do Sul tenha sido relativamente bem-sucedida no gerenciamento da pandemia, seu gerenciamento de casos confirmados e resultados de tratamento não foram relatados até o momento.

Métodos

Os pesquisadores realizaram um estudo de coorte retrospectivo de 358 pacientes com SARS-CoV-2 – ou COVID-19 – confirmados em laboratório. Desses pacientes, 270 pacientes adultos preencheram os critérios de inclusão e foram incluídos em suas análises.

Os desfechos primários foram tempo para liberação viral e melhora clínica. A duração média da depuração viral e melhorias clínicas foram exibidas como gráficos de barras para visualizar as respostas ao tratamento.

Resultados

97 pacientes com COVID-19 moderado foram tratados com “hidroxicloroquina (HCQ) mais antibióticos” (n = 22), “lopinavir-ritonavir (Lop/R) mais antibióticos” (n = 35), ou “tratamento conservador” (n = 40).

O tempo até a depuração viral, como significou a conversão negativa na PCR, após o início do tratamento foi significativamente menor com “hidroxicloroquina mais antibióticos” em comparação com “lopinavir-ritonavir mais antibióticos”  com taxa de risco [HR] 0,49; intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,28 a 0,87, ou “tratamentos conservadores” (HR, 0,44; IC 95%, 0,25 a 0,78).

A duração da estadia no hospital após o tratamento também foi mais curta para os pacientes tratados com “hidroxicloroquina mais antibióticos” em comparação com outros grupos de tratamento.

A análise de subgrupos revelou que a duração média da depuração viral foi significativamente reduzida com o uso adjuvante de antibióticos em comparação à monoterapia (HR 0,81, IC 95%, 0,70 a 0,93). Enquanto HCQ e lopinavir-ritonavir mostraram efeitos colaterais, incluindo náusea, vômito e elevação das transaminases hepáticas, nenhum foi grave.

Os efeitos adversos conhecidos da hidroxicloroquina, não foram medidos no estudo; embora isso deva ser levado em consideração, como em qualquer paciente que recebe hidroxicloroquina, nenhuma reação adversa séria, incluindo toxicidade cardíaca ou retinopatia, foi observada nos pacientes que participaram do estudo. Apenas um paciente no grupo “HCQ mais antibióticos” apresentou taquicardia que foi resolvida rapidamente.

Conclusão

O estudo concluiu que este primeiro relatório sobre o tratamento farmacológico da covid-19 da Coreia do Sul revelou que “hidroxicloroquina com antibióticos” estava associado a melhores resultados clínicos em termos de depuração viral, permanência hospitalar e resolução de sintomas de tosse em comparação com “lopinavir-ritonavir com antibióticos” ou “tratamento conservador”.

De acordo com o estudo, o efeito de “lopinavir-ritonavir com antibióticos” não foi superior ao tratamento conservador. O uso adjuvante dos antibióticos azitromicina e cefixima pode fornecer benefícios adicionais no manejo da covid-19, mas merece avaliação adicional, segundo os pesquisadores.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites