Redes Sociais

Austrália

Escola cristã na Austrália é processada por afastar professora que negou adotar os ensinamentos bíblicos sobre o casamento

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Ballarat Christian College

A Escola Cristã Ballarat (Ballarat Christian College), no sudeste da Austrália, foi processada por exigir que uma de suas professoras, Rachel Colvin, adotasse a posição da escola sobre os ensinamentos bíblicos sobre o casamento (apenas entre homem e mulher), de acordo com os princípios da casa de ensino.

Colvin alegou que foi forçada a desistir de dar aulas quando se recusou a adotar a posição da escola sobre o casamento tradicional.

Durante o processo, a escola cristã de Victoria e a professora chegaram a um acordo: a casa de ensino poderá manter sua Declaração de Fé que define o casamento como uma união entre homem e mulher, mas terá que pagar um valor não revelado e escrever uma carta de referência positiva de emprego para Rachel Colvin, que entrou com a ação, apoiada pelo grupo ativista LGBT Equality Australia, de acordo com o The Australian.

O diretor da escola, Ken Nuridin, disse: “Nossa escola oferece educação cristã de alta qualidade, de acordo com nossas crenças. A alegação já levou a um enorme custo em tempo e recursos – prejudicando a capacidade de uma escola pequena como a nossa de se concentrar no que é importante, a educação de nossos alunos”.

Liberdade religiosa

Em uma pesquisa realizada na Austrália em 2017 sobre a Lei de Casamento, mais de 61% dos eleitores aprovaram uma mudança na lei para legalizar o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo.

O caso do Ballarat Christian College destacou a necessidade de liberdade religiosa para aqueles que acreditam no casamento tradicional.

O diretor de políticas públicas da Christian Schools Australia, Mark Spencer, disse que havia uma necessidade do governo de apresentar sua lei de discriminação religiosa, que foi apresentada no ano passado pelo procurador-geral da Austrália Christian Porter e primeiro-ministro Scott Morrison.

“Estamos pedindo ao governo da comunidade que garanta que o projeto de lei de discriminação religiosa proteja claramente as escolas cristãs desse tipo de alegação”, disse Spencer. “As escolas cristãs e outras de cunho religioso devem ser capazes de envolver funcionários que compartilham suas crenças e estão equipados para ensiná-las.”

No ano passado, o contrato multimilionário da estrela cristã do rúgbi, Israel Folau, foi rescindido após suas postagens no Instagram, que diziam “O inferno espera por bêbados, homossexuais, adúlteros, mentirosos, fornicadores, ladrões, ateus, idólatras” com base em 1 Coríntios 6: 9 -10 no Novo Testamento.

A publicação, que acrescentou: “Aqueles que vivem em pecado terminarão no inferno, a menos que você se arrependa. Jesus Cristo te ama e está dando tempo para que você se afaste do seu pecado e venha a Ele”, foi considerada uma violação do Código de Conduta dos Jogadores Profissionais.

“A Austrália tem uma forte estrutura antidiscriminação com proteções específicas para pessoas contra discriminação com base em idade, sexo, raça e deficiência”, disse o procurador-geral durante um discurso em Sydney na época. “Este projeto de lei … estende essas proteções para fornecer proteção às pessoas contra a discriminação com base em sua religião ou crença religiosa, ou na falta dela.”

Secularização

Um censo da Austrália em 2016 revelou que o número de pessoas que se identificam como “sem religião” estava aumentando constantemente e o número de pessoas que se identificavam como cristãs havia diminuído 36% nos últimos 50 anos.

Os resultados mostraram grandes mudanças na sociedade australiana, incluindo que a maioria dos residentes nascidos no exterior veio da Ásia e não da Europa.

Como a BBC News observou na época, perto de um terço, ou 29,6%, dos participantes da pesquisa nacional disseram que “não tinham religião”, enquanto apenas 16% disseram o mesmo em 2001.

O catolicismo romano continua sendo a maior igreja do país, com uma participação de 22,6% da população.

O The Guardian relatou na época que a categoria “sem religião” incluía ateus, secularistas e aqueles que são agnósticos. Além disso, desde 1966, a proporção de australianos que se identificaram como cristãos caiu de 88,2% para 52,1%.