Redes Sociais

Mundo

Em entrevista, embaixador chinês é confrontado com imagens de campo de concentração na China; assista

Guilherme L. Campos

Publicado

em

O embaixador da China no Reino Unido, Liu Xiaoming, teve muita dificuldade e fugiu de questionamentos neste domingo (19) sobre imagens de drones da região de Xinjiang, na China, que mostram prisioneiros com a cabeça raspada algemados, vendados e sendo levados para trens.

O vídeo, já validado por diversos serviços de inteligência de países do ocidente, incluindo especialistas australianos, apareceu pela primeira vez em outubro de 2019 nas redes sociais, mas ressurgiu e se tornou viral mais recentemente. Nele é possível constatar abusos dos direitos humanos cometidos contra muçulmanos uigures e outras minorias étnicas em solo chinês.

Mais de um milhão de uigures turcos estão detidos em campos de concentração, prisões e fábricas de trabalho forçado na China. Os detidos estão sujeitos a disciplina de estilo militar, transformação de pensamento e confissões forçadas. Eles são abusados, torturados, estuprados e até mortos. Os sobreviventes relatam ser eletrocutados, espancados repetidamente, e submetidos a posições de estresse e injeções de substâncias desconhecidas. Esses campos de detenção em massa foram projetados para causar sérios danos físicos, psicológicos e perturbar mentalmente o povo uigur. As repetidas ordens do governo para “quebrar sua linhagem, romper suas raízes, romper suas conexões e romper suas origens”; “Reunir todos que devem ser reunidos”; e impedir sistematicamente os nascimentos uigures demonstram uma clara intenção de erradicar o povo uigure como um todo.

No mês passado, a agência Associated Press informou que a China está realizando uma ampla campanha de controle forçado de nascimentos e esterilização de uigures e outras minorias que é “muito mais difundida e sistemática” do que se sabia anteriormente – esforços que alguns especialistas descreveram como “genocídio demográfico”.

Liu, que foi confrontado com o vídeo do apresentador de talk show da BBC Andrew Marr, defendeu Xinjiang como o “lugar mais bonito” e afirmou que não sabia de onde vinham as imagens. “Às vezes você tem uma transferência de prisioneiros”, disse ele, tentando convencer de que as imagens mostravam uma prisão convencional.

Liu disse que “não há restrição de população” na região, apesar de pesquisas que mostram que as taxas de natalidade em Xinjiang caíram 24% somente no ano passado, em comparação com 4,2% em todo o país.

“Os uigures desfrutam de coexistência pacífica e harmoniosa com outros grupos étnicos”, afirmou.

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse mais tarde no programa que, embora “genocídio” seja “uma definição tão específica com a qual você deve ter muito cuidado”, é claro que existem “violações graves e flagrantes de direitos humanos” em Xinjiang. .

“Os relatos dos aspectos humanos dela, da esterilização forçada aos campos de reeducação, lembram algo que não vemos há muito, muito tempo. E isso é de um membro líder da comunidade internacional, que quer ser levado a sério e com quem queremos um relacionamento positivo. Mas não podemos ver um comportamento como esse e não o confrontar, embora [façamos isso] com nossos parceiros e da maneira certa. ”, completou Raab.

Católico, Conservador, Correspondente Internacional, Observador Político e criador do 'Direto da América'. Atualmente vive no estado da Pensilvânia, Estados Unidos.

alan correa criação de sites