Redes Sociais

Últimas

Durante ações da PF em 2020, secretária de Saúde do Amazonas foi presa em operação que apura desvio na compra de respiradores

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Divulgação

Em 30 de junho de 2020, a secretária de Saúde do Amazonas, Simone Araújo de Oliveira Papaiz, foi presa em Manaus durante a Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério Público Federal (MPF).

Na época, a PF informou que a investigação apontava supostas fraudes e desvios na compra de respiradores que seriam utilizado no combate da Covid-19. Todo os itens teriam sido adquiridos com dispensa de licitação, de uma importadora de vinhos.

Na mesma operação, o governador do estado do Amazonas, Wilson Lima (PSC), também foi alvo de buscas e teve os bens bloqueados.

Vale frisar que Simone Araújo foi oficializada na Secretaria de Saúde do AM no mês de março de 2020 — provocando uma alternância abrupta na gestão da pasta em meio ao colapso do sistema de saúde do Amazonas na pandemia.

Não demorou muito. Dois meses após a entrada dela, o Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) orientou que a secretária fosse afastada após detectar suposto sobrepreço na compra de respiradores.

Outros funcionários e ex-funcionários do governo também foram alvos, além de empresários.

Soltura

Na madrugada do dia 5 de julho de 2020, o G1 noticiou que Simone Papaiz foi solta da prisão e estava em liberdade, sem cumprir prisão domiciliar.

Além dela, outros dois presos na operação também foram liberados, segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Os três foram liberados após o cumprimento do prazo de validade da prisão temporária.

Caos no sistema de saúde

No dia 7 de janeiro de 2021, o governador Wilson Lima prorrogou por mais 180 dias (seis meses) o estado de calamidade pública no Amazonas, depois que hospitais do estado voltaram a ficar lotados com pacientes de covid-19.

Devido à gravidade, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público do Amazonas (MPE-AM) a Defensoria Pública da União (DPU), a Defensoria do Estado do Amazonas (DPGE-AM) e o Ministério Público de Contas (MPC), entraram com ação cautelar com pedido de tutela antecipada. A medida visa garantir o fornecimento emergencial de oxigênio para o estado.

O diagnóstico de escassez foi relatado pelo secretário de Atenção Especializada à Saúde, coronel Luiz Otávio Franco Duarte, em coletiva de imprensa, que contou com a participação de membros do comitê de enfrentamento à Covid-19 do Amazonas.

Professor, cristão, colunista, e redator. Amo ciências políticas, sou conservador e nordestino com orgulho.

alan correa criação de sites