Redes Sociais

Mundo

Dragão vermelho realiza movimentos agressivos no Oriente Médio: China e Irã fortalecem os laços

Thaís Garcia

Publicado

em

Segundo a CBN News, enquanto os EUA e seus aliados trabalham para diminuir a dependência econômica da China, o Partido Comunista Chinês está ocupado formando novas “amizades”. Uma parceria estratégica pode ser especialmente problemática para Israel e outros países aliados dos EUA no Oriente Médio.

Durante um recente discurso, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, alertou que a China está tornando as vias navegáveis ​​do mundo menos seguras para o comércio internacional.

“O presidente [Richard] Nixon disse uma vez que temia ter criado um ‘Frankenstein’ ao abrir o mundo ao PCC [Partido Comunista Chinês], e aqui estamos nós”, disse Pompeo.

E quase 50 anos após o encontro histórico de Nixon com Mao, o governo comunista chinês está fazendo movimentos agressivos no Oriente Médio – alinhando-se com um dos maiores inimigos dos EUA e de todos os países que zelam pela liberdade individual.

“O regime do Irã atualmente está considerando a possibilidade de ser espremido por sanções da ordem de US $ 400 bilhões. Hoje o Irã se tornou uma porta de entrada para a China bem no quintal”, explicou Sargis Sangari, CEO do Centro de Engajamento Estratégico do Oriente Médio.

Esse “quintal” é o estratégico Estreito de Ormuz, uma via navegável estreita por onde viaja grande parte do petróleo do mundo. É também um ponto de estrangulamento onde os petroleiros ocidentais e japoneses foram atacados pela Guarda Revolucionária Iraniana.

Em julho deste ano, o Irã lançou um míssil de um helicóptero no estreito, atingindo um protótipo falso de um porta-aviões dos EUA. A mensagem? Apesar das sanções dos EUA contra o regime islâmico dos aiatolás, o Irã pretende dominar o fluxo de petróleo do Golfo Pérsico.

E agora, a China entra na região como um novo “player” (jogador).

O Irã teria firmado um contrato de 25 anos pelo qual o governo comunista chinês ajudaria a compensar as sanções internacionais concedendo à República Islâmica US $ 400 bilhões em troca de concessões de petróleo com desconto.

Mike Ansari, da Mohabat TV, recebe relatos diários de pessoas de dentro do Irã.

“O dinheiro chinês significa recuperação e estabilidade política iraniana. Os aiatolás darão à China uma posição permanente no Irã, o que reforçará a posição regional chinesa ao custo de minar os EUA”, explicou Ansari.

Parte do acordo concede à China o uso militar de uma ilha estratégica iraniana no Golfo Pérsico, conhecida como ilha Quis.

O secretário de Estado dos EUA, Pompeo, disse à Fox News que a entrada da China no Irã desestabilizará o Oriente Médio, colocando Israel, Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos em risco.

“O Irã continua sendo o maior Estado patrocinador do terrorismo no mundo e, por ter acesso a sistemas de armas, comércio e dinheiro que flui do Partido Comunista Chinês, apenas compostos que representam risco para aquela região”, disse Pompeo.

“O mundo está se transformando em um arranjo mais bipolar, onde as democracias estão mais unidas em torno dos Estados Unidos. Isso ficou evidente na decisão do Reino Unido em relação à Huawei e depois aos outros países – os regimes autoritários em torno da China”, disse o Brigadeiro Sênior (aposentado) do Instituto Hudson, Robert Spalding.

Spalding acredita que é um padrão de comportamento que veremos muito no futuro.

E não apenas os EUA estão preocupados com esta nova aliança, mas Ansari diz que o povo iraniano também a vê como preocupante.

“Os iranianos dentro do Irã estão recorrendo à mídia social denunciando as ações do governo iraniano. Eles também não confiam na China. Eles veem isso como um contrato colonial e estão buscando ajuda do Ocidente”, disse Ansari.

Leia também: Três armas e três fontes do antissemitismo crescente no mundo

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites