Redes Sociais

China

Proeminente artista uigur é condenado a 18 de prisão por causa de canções “extremistas e separatistas”

Thaís Garcia

Publicado

em

RFA

Autoridades da Região Autônoma Uigur de Xinjiang, no noroeste da China (XUAR), condenaram um proeminente comediante e cantor da minoria étnico-religiosa uigur a uma longa pena de prisão por executar canções consideradas politicamente sensíveis, embora tivessem sido pré-aprovadas pelos censores, de acordo com autoridades locais. A informação foi divulgada pela Radio Free Asia (RFA).

O Serviço Uigur da RFA recebeu recentemente uma denúncia de uma fonte com conhecimento da situação de que Ablikim Kalkun, que entretinha o público com canções fortes sobre a unidade e solidariedade uigur nas últimas duas décadas, foi condenado a uma sentença de 18 anos no final de 2019.
A fonte, que falou sob condição de anonimato alegando medo de represália, sugeriu que Kalkun foi condenado por uma série de crimes, incluindo “separatismo, extremismo religioso e discriminação contra a educação nacional”.

Além disso, disse a fonte, Kalkun pode ter sido alvo por seu relacionamento próximo com vários líderes religiosos, bem como por ter viajado repetidamente para a Turquia – um dos vários países listados pelas autoridades na lista negra por suposta ameaça de extremismo religioso – para onde enviou seu dois filhos para estudar.

Outra possibilidade, segundo a fonte, é que a posição de Kalkun como um artista amplamente respeitado que poderia atrair uma grande multidão pode tê-lo feito entrar em conflito com as autoridades, que podem tê-lo acusado de “perturbar a ordem social”. Em abril de 2018, o artista também foi preso brevemente por motivos que permanecem obscuros até o momento.

A RFA diz que com base em comentários de fóruns on-line de sites em língua uigur, os milhões de fãs de Kalkun o consideraram um exemplo dos valores uigures, um defensor da verdade, um crítico dos males sociais e um campeão da cultura uigur.

A fim de verificar as alegações da fonte, a RFA falou com vários funcionários na capital do XUAR, Urumqi, onde o músico se apresentou regularmente, bem como na cidade em que Kalkun reside, Atushi, na região de cultivo de algodão e uva do sudoeste de XUAR.

Um funcionário uigur em um tribunal distrital em Urumqi disse à RFA que não sabia da sentença de Kalkun e encaminhou outras questões aos tribunais superiores da cidade. A RFA também falou com um funcionário da Justiça uigur na aldeia natal de Kalkun, Suntagh, que disse nunca ter ouvido falar do artista.

Quando questionado onde Kalkun havia sido detido em 2018, um oficial uigur na delegacia de polícia do distrito de Nurluq em Atush disse à RFA: “Não tenho informações sobre isso”.

No entanto, um funcionário uigur do Tribunal Intermediário de Urumqi e um policial uigur de Atush confirmaram à RFA, em telefonemas separados, que Kalkun havia sido condenado por autoridades citando duas de suas canções – “Qerindashlar” (Irmãos e Irmãs) e “As-salamu alaykum” (Que a paz esteja convosco) – como evidência de seus “crimes”.

“A frase ‘As-salamu alaykum’ [uma saudação árabe usada por muçulmanos em todo o mundo] desperta o sentimento religioso”, disse o funcionário do tribunal, que também nomeou ‘Qerindashlar’ (que significa irmãos e irmãs) como uma música considerada “separatista”, com base no que eles tinham ouvido de colegas.

Como artista na China, todo o conteúdo das canções e rotinas de comédia de Kalkun teriam que ser pré-aprovadas e consideradas aceitáveis pelos censores do governo do Partido Comunista Chinês.

Kalkun é apenas um dos vários ícones culturais uigures a serem condenados à prisão, desaparecidos ou enviados para um de uma vasta rede de campos de “internamento” no XUAR, onde se acredita que as autoridades comunistas mantiveram 1,8 milhão de uigures e outras minorias desde o início de 2017.

Fontes da comunidade exilada disseram à RFA que a tendência mostra que as autoridades chinesas estão “cometendo genocídio cultural ao tentar eliminar as melhores e mais brilhantes mentes uigures”.

Adil Mijit, um comediante uigur muito popular, desapareceu no final de 2018, e fontes de mídia social, bem como relatos anônimos compartilhados com a RFA, confirmaram no ano passado que ele estava cumprindo uma pena de três anos de prisão por fazer uma viagem à cidade sagrada muçulmana de Meca sem a permissão das autoridades.

Desde outubro de 2018, a China reconheceu a existência de campos de “internamento” no XUAR, mas os descreveu como “centros vocacionais voluntários” criados para “combater o terrorismo islâmico radical”. No entanto, o Serviço Uigur da RFA constatou que os detidos são em sua maioria mantidos contra a sua vontade e forçados a suportar tratamento desumano e doutrinação política.

Assista ao vídeo, em Inglês, da reportagem da RFA a respeito da prisão de Kalkun.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites