Redes Sociais

Últimas

Bolsonaro visita casa de Yasmin — a menina que foi vítima de fake news do Estadão

A garota mora em cidade do Distrito Federal.

Redação

Publicado

em

Sérgio Lima | Poder360

O presidente Jair Bolsonaro visitou neste sábado, 27, a estudante Yasmin Alves, de 8 anos, que vive na Estrutural, uma das regiões mais pobres do Distrito Federal.

Bolsonaro chegou à cidade às 9h03 e ficou no local por cerca de 1 hora.

De acordo com Bolsonaro, após a repercussão do vídeo e da reportagem, a menina ficou traumatizada e não conseguiu mais sair de casa.

Ele responsabilizou a imprensa pelo ocorrido.

“É uma visita para desfazer uma situação de uma família que estava sofrendo”.

Entenda o caso

A menina foi vítima de fake news após o jornal O Estado de S. Paulo publicar reportagem afirmando que Yasmim havia se recusado a cumprimentar o presidente.

O vídeo mostra que a menina não se recusou a cumprimentar Bolsonaro

Bolsonaro pergunta se todo mundo torce para Palmeiras.

A garota, em resposta, diz que não.

No mesmo momento, outras crianças respondem que são flamenguistas.

Contudo, a reportagem assegura que a garota recusou a cumprimentar o presidente da República. 

O texto ainda diz:

“Não é a primeira vez que um fotógrafo registra o momento em que um presidente não consegue cumprimentar uma criança.”

E faz uma analogia em que cita o ex-presidente João Baptista Figueiredo.

A página que você tentou acessar não existe ou foi removida” é a informação que aparece ao clicarmos no link da matéria, que direciona ao site do Estadão.

Após a grande repercussão negativa — contestada pelos internautas nas redes sociais, o jornal excluiu a matéria sem nenhuma retratação.

O texto foi escrito pelo jornalista Daniel Weterman e publicado pelo Estadão às 21h30 do dia 19 de abril.

Por meio de de uma ferramenta online, internautas salvaram a reportagem numa plataforma Archive que armazena alguns endereços da web e permite que o conteúdo seja acessado mesmo após a sua exclusão.

Leia a íntegra do texto publicado pelo Estadão.

Menina se recusa a cumprimentar Bolsonaro durante cerimônia de Páscoa

Enfileiradas, crianças estendiam as mãos para cumprimentar presidente; uma delas, ao ser abordada por Bolsonaro, cruza os braços e faz sinal de negativo com a cabeça.

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo
19 de abril de 2019 | 21h30

BRASÍLIA – Uma menina se recusou a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro durante celebração de Páscoa na última quarta-feira, 17, no Palácio do Planalto. O próprio Bolsonaro divulgou um vídeo em sua conta no Twitter do momento em que cumprimenta crianças da Escola Classe 1 da Estrutural, região da periferia de Brasília, e uma delas se nega a estender a mão para ele.

Na imagem, Bolsonaro aparece ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro. Ele sorri e pega algumas crianças no colo. Quando ele cumprimenta as crianças que estavam na última fila do grupo, a menina cruza os braços e faz sinal de negativo com a cabeça diante da investida do presidente. O momento ocorre aos 28 segundos do vídeo.

Não é a primeira vez que um fotógrafo registra o momento em que um presidente não consegue cumprimentar uma criança. Em 1979, a menina Raquel Coelho Menezes de Souza, de quatro anos, se negou a cumprimentar o então presidente João Baptista Figueiredo durante uma parada cívico-militar no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte. A foto virou símbolo da resistência à ditadura militar.

Ao publicar o vídeo feito no Planalto, Bolsonaro citou um versículo do livro bíblico de Provérbios: “Ensina a criança o caminho que deve andar e mesmo quando for velho, não se desviará dele.” Na postagem, ele ainda escreve “vamos cuidar do futuro do Brasil!”.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

alan correa criação de sites