Redes Sociais

Austrália

Austrália não enviará mais Marinha ao Oriente Médio e focará sua presença no Mar do Sul da China

Thaís Garcia

Publicado

em

Getty

A presença naval australiana de três décadas no Oriente Médio chegará a um fim abrupto neste ano, enquanto o Governo Federal se debate com um ambiente estratégico cada vez mais incerto perto de casa.

A ministra da Defesa australiana, Linda Reynolds, anunciou que a Austrália não enviará mais um navio da Marinha Real Australiana ao Oriente Médio, o que ocorria todos os anos. O último navio da Marinha australiana implantado na região, o HMAS Toowoomba, retornou à Austrália em junho deste ano.

A Austrália também se retirará da coalizão naval liderada pelos Estados Unidos que patrulha o Estreito de Ormuz no final de 2020. Isso significa que cerca de 30 anos de operações marítimas australianas no Oriente Médio – amplamente focadas em operações de contraterrorismo e pirataria – logo chegarão ao fim.

Em comunicado, Reynolds disse que as prioridades do governo australiano agora mudaram.

“Só este ano a Marinha respondeu ao incêndio florestal e às crises de covid-19, uma implantação de cinco navios em todo o Sudeste Asiático e no Pacífico, um compromisso contínuo com as iniciativas do ‘Pacific Step Up’ e várias atividades de grande sucesso com nossos parceiros regionais”, disse a ministra.

“Agora enfrentamos um ambiente estratégico cada vez mais desafiador, que exige mais recursos da Força de Defesa Australiana (ADF) mais perto de casa.

“Como resultado, a Força de Defesa Australiana reduzirá sua presença naval no Oriente Médio para permitir que mais recursos sejam implantados em nossa região”, acrescentou.

A mudança foi sinalizada na recente Atualização Estratégica de Defesa do Governo, que declarou que a deterioração das circunstâncias estratégicas forçaria os militares a se concentrarem mais fortemente no Indo-pacífico e na região imediata da Austrália.

A China se envolveu em um grande aumento naval na última década, além de afirmar um controle crescente sobre as águas contestadas do Mar do Sul da China, construindo uma série de fortificações militares.

A relação entre os Estados Unidos e seus aliados e a China também se tornou cada vez mais hostil no pós-pandemia, aumentando drasticamente o risco de conflito na região.

A Austrália tem participado de um número crescente de exercícios navais na região com uma série de aliados e parceiros, incluindo os Estados Unidos e o Japão.

No início deste ano, navios de guerra australianos encontraram a Marinha chinesa enquanto navegavam perto de ilhas contestadas “reivindicadas” por Pequim em seu caminho para exercícios trilaterais.

No próximo mês, a Marinha australiana também voltará aos exercícios navais do Malabar com os EUA, Japão e Índia, após um hiato de mais de uma década.

Altos funcionários, militares e ministros do Governo Morrison vêm contemplando a mudança do Oriente Médio há vários anos. No ano passado, houve um debate dentro do governo federal quando o Governo Trump pediu à Austrália para se juntar a uma coalizão naval liderada pelos EUA para proteger os navios no Estreito de Ormuz, perto do Irã. No final, o Governo Morrison concordou em enviar uma aeronave de vigilância e uma fragata para se juntar à missão.

O Chefe de Operações Conjuntas da Marinha autraliana, Tenente-general Greg Bilton, disse que a mudança anunciada pelo governo foi “histórica” ​​e a ministra Reynolds declarou que a Austrália poderia estar “orgulhosa” de sua contribuição naval.

“Há mais de 30 anos apoiamos a liberdade de navegação, a segurança marítima e o livre fluxo de comércio no Oriente Médio”, disse ela.

“Em cooperação com nossos parceiros, nossos compromissos têm sido inestimáveis ​​para cessar o comércio global de drogas, apoiando a redução de linhas de financiamento para atividades de terrorismo e aumentando a capacidade das forças regionais.”

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites